Destaque Destaque Homepage Homepage Newsletter Produção

Indústria de cortiça quer exportar 1000 milhões de euros este ano

Por a 3 de Maio de 2017 as 16:09
cortiça

O setor da cortiça bateu um novo recorde de exportação no ano passado. A indústria vendeu 937,5 milhões de euros no exterior, o que representa um crescimento de 4% face a 2015, segundo dados da Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR).

Os produtores nacionais de cortiça exportam 90% da produção para um total de 133 países. A rolha é o produto premium desta indústria histórica em Portugal, com um peso de 72% no total das exportações. Seguem-se materiais de construção (25%) e outros produtos (3%), mas as novas aplicações apresentam “um elevado potencial de crescimento”.

“Este recorde é o resultado de mais uma etapa do processo iniciado pelo setor a cortiça já há alguns anos, no sentido de se afirmar não só no mundo do vinho, no qual quer continuar a provar que é o melhor vedante, como também através de uma busca incessante de novas aplicações”, explica João Rui Ferreira, presidente da Associação Portuguesa da Cortiça.

O saldo da balança comercial é “extremamente positivo”, com a diferença entre as exportações e as importações a alcançarem 763, 9 milhões de euros. O setor contribuiu com 7,5% para o aumento das exportações portuguesas, em 2016.

O top 5 dos principais mercados da cortiça é liderado pela França, que detém 19% das exportações deste produto, mais 10% face a 2015. Seguem-se EUA (18%), Espanha (12%), Itália (10%) e Alemanha (8%).

A venda de cortiça para materiais de construção, cujos principais mercados são Alemanha (22%), EUA (16%) e Espanha (11%), cresceu 4% face a 2015.

“Para o presente ano, o objetivo é chegar aos 1 000 milhões de euros em exportações e continuar a dar atenção àqueles que consideramos os três grandes pilares da cadeia de valor, com uma aposta clara no mercado, na evolução da indústria e na proximidade com a produção, para que possamos ter mais e melhor cortiça em Portugal”, sublinha João Rui Ferreira.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *