Destaque Destaque Homepage Distribuição Homepage Newsletter

Os turistas que chegam do outro lado do Mundo

Por a 16 de Abril de 2018 as 13:06
Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral
Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral

O turismo de compras e de qualidade é um fenómeno em ascensão nas principais europeias. Que estratégia desenhou Portugal para ficar com uma parte do gasto anual destes turistas, avaliado em 245 mil milhões de euros?

São cada vez mais sofisticados os turistas que nos visitam. Chegam de lugares distantes, alguns do outro lado do mundo, e trazem a carteira recheada para gastar. Entre os turistas mais endinheirados que pousam em território luso destacam-se os chineses. No ano passado, viajaram pelo mundo 130 milhões de cidadão do gigante asiático. Daqueles, 257 mil estiveram em Portugal. Cada um deles despendeu por dia, em média, 642 euros no nosso País. João Vasconcelos, ex-secretário da Estado da Indústria do Governo de António Costa, considera, por isso, que há ainda um “grande caminho a percorrer no que diz respeito à captação destes turistas”. É que o turismo de qualidade e de compras é um fenómeno em ascensão nas principais europeias, que competem pela captação destes turistas que “gastam anualmente 245 mil milhões de euros em artigos de marcas de prestígio”.

João Vasconcelos preside ao comité organizador da primeira edição do “Summit Shopping Tourism&Economy Lisbon 2018”, que reuniu cerca de uma centena de pessoas, no passado mês de março, num hotel de luxo da capital do País para debater as oportunidades ligadas ao turismo de compras e de qualidade.

Logo a seguir aos chineses, são, respetivamente os norte-americanos (€506/dia), os angolanos (€252), os russos (€251) e os brasileiros (€225), os turistas que mais deixam dinheiro em Portugal, segundo dados da Global Blue sobre o “Tax Free Shopping”, calculados em função do IVA devolvido aos cidadãos destes países no ano passado.

Os turistas extracomunitários gastam num dia de compras o mesmo que os europeus numa semana, conclui o estudo.

Estevão Lucena, Coordenador da Torres Joalheiros, que opera, entre outras, uma loja na Avenida da Liberdade, confirma que o negócio da joalharia e relojoaria tem beneficiado desta onda turística. “O mercado chinês está já muito consolidado e o brasileiro está a crescer. Atualmente, vêm grupos mais pequenos de cidadãos chineses, mas mais exigentes e que procuram sobretudo marcas internacionais de luxo. Estes turistas beneficiam da isenção fiscal, que em Portugal é mais vantajosa face a outros países, dos preços praticados – na China, por exemplo há uma tabela para taxar os produtos de luxo – , e escolhem o nosso País porque sabem que os produtos são originais”, descreve Estevão Lucena.

TaxFree vai ser devolvido na hora

Para incentivar os turistas a gastarem mais e melhorar a forma como os recebemos, o Governo está a preparar o lançamento do projeto-piloto “eTax Free”. “Em julho entrará em vigor um sistema eletrónico de certificação disponibilizado pela Autoridade Tributária”, anunciou, por ocasião do “Summit Shopping, Tourism e Economy Lisbon”, o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendes. Os objetivos são permitir ao turista recuperar facilmente o desconto do IVA logo no momento da compra, cimentar a relação dos lojistas com os visitantes e melhorar o transito nos aeroportos nacionais.

“Portugal junta-se, assim, a um restrito e pioneiro grupo de Estados-Membros – como Espanha, França e Itália – na desmaterialização destes procedimentos”, revelou António Mendes, acrescentando que, “até ao final do corrente ano, será possível aos viajantes, com base em desenvolvimentos realizados pelas empresas de intermediação financeira, receberem a restituição da caução prestada no momento da compra efetuada em Portugal com o telemóvel”.

As receitas turísticas aumentaram no ano passado 19,5% face a 2016. O Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, revelou, na mesma ocasião, que, apesar de o número de turistas ter alcançado um número recorde em 2017, as receitas provenientes da atividade turística cresceram o dobro em relação à subida verificada em número de turistas.

Já este ano, concretamente em janeiro, o País recebeu um milhão de turistas, “número acima da média mensal do ano”, sublinha Manuel Caldeira Cabral, acrescentando que “os proveitos cresceram 12%” no primeiro mês do ano face ao período homólogo. “São já vários anos a crescer em média 12% nos proveitos”.

“O crescimento do dispêndio dos turistas não se cinge às companhias aéreas, aos hotéis e às lojas. Tem um efeito forte na reestruturação e requalificação das nossas cidades e no desenvolvimento regional”, ilustra o Ministro da Economia.

Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, confirma. O executivo camarário tem em curso um projeto de requalificação da área da Praça de Espanha para atrair mais comércio e turistas a uma zona “que não é atualmente disponibilizada à fruição da cidade”.

*Texto originalmente publicado da edição de abril do jornal Hipersuper

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *