Logística

Porto de Sines cresce pelo quinto ano consecutivo

Por a 28 de Janeiro de 2010 as 11:06
sines_terminalxxi

O Porto de Sines fechou o ano de 2009 com um crescimento no tráfego de contentores no Terminal XXI de 9%, correspondendo ao total de 253.495 TEU, mantendo, assim, um assinalável crescimento sustentado em plena crise económica.

Tal deveu-se, também, ao alargamento progressivo da área de influência do Terminal XXI na Península Ibérica, englobando, agora, grande parte do mercado do norte de Espanha que passou a ser servido a partir de Sines desde Julho de 2009. Aumentaram, assim, as linhas de feeder que em Sines fazem as ligações com as linhas transcontinentais, com particular importância para os tráfegos regulares com o Extremo Oriente e com as Américas.

No segmento dos granéis sólidos, o crescimento foi, ainda, superior já que o Terminal Multipurpose teve um crescimento anual de 22%, tendo o carvão apresentado o maior peso neste crescimento, com um aumento de 25%. O Terminal de Gás Natural Liquefeito apresentou, também, um crescimento positivo, tendo aumentado 1,5% face ao ano transacto.

No movimento global de mercadorias, verificou-se uma quebra de 3% face a 2008, tendo sido movimentadas 24,4 milhões de toneladas. Esta quebra resultou, essencialmente, da redução significativa registada no Terminal de Granéis Líquidos, motivada pelo acidente ocorrido na Refinaria de Sines no início do ano, tendo sido interrompido o movimento de ramas e de refinados durante cerca de dois meses.

Apesar da conjuntura económica muito desfavorável durante o ano de 2009, o Porto de Sines teve uma reacção sempre bastante positiva, uma vez que, à excepção do Terminal de Granéis Líquidos, todos os terminais apresentaram índices de crescimento positivos e, alguns deles, com crescimentos que superam, em muito, os valores obtidos em anos transactos.

No que diz respeito aos resultados do exercício, e apesar de não estarem encerradas as contas de 2009, os responsáveis pelo Porto de Sines afirmam que se atingirão “resultados positivos pelo quinto ano consecutivo”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *