Edição digital
PUB
Frederico Falcão - Fotografias Frame It - Entrevista Hipersuper

Frederico Falcão – Fotografias Frame It – Entrevista Hipersuper

Entrevista

“Há claramente um antes e um depois da ViniPortugal”

“Ano após ano temos vindo a bater recordes na exportação”, destaca Frederico Falcão, presidente da ViniPortugal, em entrevista ao Hipersuper, onde aborda as estratégias de promoção externa, lembra o seu primeiro mandato que coincidiu com os anos de pandemia, destaca a visibilidade dos vinhos portugueses nos vários mercados e a força de marca Wines of Portugal.

Ana Grácio Pinto
Frederico Falcão - Fotografias Frame It - Entrevista Hipersuper

Frederico Falcão – Fotografias Frame It – Entrevista Hipersuper

Entrevista

“Há claramente um antes e um depois da ViniPortugal”

“Ano após ano temos vindo a bater recordes na exportação”, destaca Frederico Falcão, presidente da ViniPortugal, em entrevista ao Hipersuper, onde aborda as estratégias de promoção externa, lembra o seu primeiro mandato que coincidiu com os anos de pandemia, destaca a visibilidade dos vinhos portugueses nos vários mercados e a força de marca Wines of Portugal.

Sobre o autor
Ana Grácio Pinto
Artigos relacionados
Delta Cafés apresenta nova imagem da gama solúveis
Bebidas
Já arrancou mais uma edição da Academia do Centro de Frutologia Compal
Alimentar
Já arrancou mais uma edição da Academia do Centro de Frutologia Compal
McDonald’s do CascaiShopping tem uma nova imagem
Alimentar
Quinta do Portal lança quatro propostas da colheita 2023
Bebidas
Óbidos vai receber o Interpera nos próximos dias 26 e 27
Alimentar
Continente Co-Lab conta com 10 mil provadores
Alimentar
Mastercard quer alcançar 100% de tokenização do comércio eletrónico na Europa até 2030
I&D
E-goi lança material educativo gratuito para fomentar estratégia de dados em empresas
BRANDED
Adega Cooperativa de Monção com recorde de vendas em 2023
Bebidas
Adega de Monção
Santos e Vale inaugura novas instalações na Maia
Logística

“Ano após ano temos vindo a bater recordes na exportação”, destaca Frederico Falcão, presidente da ViniPortugal, a associação interprofissional criada para promover a qualidade e a excelência dos vinhos portugueses no estrangeiro e que atua, neste momento, em 21 mercados. Em entrevista ao Hipersuper, Frederico Falcão fala das estratégias de promoção externa, do seu primeiro mandato que coincidiu com os anos de pandemia, da visibilidade dos vinhos portugueses nos vários mercados e da força de marca Wines of Portugal. “Vejo outros países a olharem para nós como um exemplo, como um país que se soube organizar e criar uma instituição que representa todo o setor vitivinícola nacional. Isto não existe na maior parte dos países”.

A ViniPortugal foi fundada há 27 anos. Em que aspetos veio alterar a visibilidade e o posicionamento internacional dos vinhos portugueses? Há um antes e depois da ViniPortugal?
Há claramente um antes e um depois da ViniPortugal. Foi fundada em 1996 com o intuito de juntar todo o setor na promoção internacional e mais tarde surgiu a nossa marca bandeira, ‘Wines of Portugal/Vinhos de Portugal’, que nos trouxe uma importância grande em termos de reconhecimento internacional. Ou seja, o facto de começarmos a juntar-nos, a aparecer lá fora debaixo de um único chapéu, contribuiu muito para a imagem e notoriedade dos vinhos portugueses e continua a contribuir.
É com alguma satisfação que vejo outros países a olharem para nós como um exemplo, como um país que se soube organizar e criar uma instituição que representa todo o setor vitivinícola nacional. Isto não existe na maior parte dos países.

PUB

Assumiu a presidência da ViniPortugal no primeiro ano da pandemia. Foi uma ‘prova de fogo’ para a sua equipa e para a ViniPortugal, trabalhar o setor, particularmente entre 2020 e 2022? Em termos de consumo, haverá um voltar ao tempo pré-pandemia?
Eu diria que foi uma satisfação ter começado em pandemia. Eu tenho um gosto especial por analisar tudo. Ou seja, quando entramos num sítio há muito a tendência de chegar e dizer mal do que estava antes. Eu não tenho essa tendência. Gosto sempre de analisar, perceber porque é que as coisas se fazem e depois fazer igual ou diferente.
Chegar em tempo de pandemia foi um ótimo desafio porque permitiu-nos, a todos, olhar para o que estávamos a fazer. E nesses anos tivemos de nos reinventar. De facto, toda a nossa forma de promover, até ao ano 2020, teve de ser mudada: não era possível viajar, juntar pessoas nos vários países, e tivemos que repensar toda a promoção. Claro que foi temporário, terminados os tempos de pandemia conseguimos regressar a muitas das ações que eram habituais, mas mantivemos algumas que criamos. Foi um ótimo desafio, acho que ganhámos todos com ele, conseguimos encontrar novas formas de promoção, algumas delas mais eficientes. Aliás, Portugal cresceu mais nas exportações durante a pandemia, a um rácio maior do que vinha a crescer até aí.

Houve um trabalho em termos de promoção externa dos vinhos portugueses, nos canais online?
Houve algum trabalho que, entretanto, abandonámos. Observámos um crescimento muito grande do online durante a pandemia. Houve países onde o online cresceu 400 por cento, caso da Dinamarca, outros onde cresceu quase 200 por cento, como os EUA. Na China o mercado online também tem uma importância muito grande, mas em outros países não resultou. Muita dessa forma de venda acabou por regredir no pós-pandemia. O canal online é sempre um pouco mais difícil, nós fizemos alguma promoção colocando Portugal em destaque nas plataformas de venda de vinhos, mas já pouco fazemos dessa promoção.

Há uma alteração no consumo?
O consumo em si, tem vindo a mudar. Durante a pandemia, o consumo total de vinhos terá muito provavelmente aumentado em todo o mundo, e Portugal conseguiu crescer até mais do que os outros exportadores, na maior parte dos países. Depois, o consumo começou a baixar e o que vemos, neste momento, é um consumo mundial com uma tendência decrescente – aqui muito influenciado negativamente pela China, que desde 2018 tem vindo a cair em termos de importação e consumo de vinhos. O que a nós, Portugal, não tem causado grandes problemas, mas a muitos países, nomeadamente França, tem causado enormes problemas. Vimos também alguma retração neste momento nos EUA e no Canadá, países grandes consumidores de vinho. Mas, felizmente, há outros mercados que estão a crescer e a recuperar.

Frederico Falcão - Fotografias Frame It - Entrevista Hipersuper

No mercado nacional, a grande distribuição é o principal parceiro de vendas ou a restauração e a hotelaria têm ganho espaço?
A restauração e a hotelaria têm um peso importante sobretudo em valor. Mas estão muito assentes no turismo, e a distribuição não está tanto.
O que temos notado nos últimos tempos é um crescimento do preço médio na distribuição. Ou seja, as pessoas estão a comprar menos vinho nos supermercados, mas a adquirirem vinhos de gamas mais altas. No fundo, pessoas com mais dificuldades financeiras abandonaram o vinho. Dos vinhos de gama de entrada, alguns não se estão a vender bem, mas os de gama média e alta, ou seja, o preço médio, têm vindo a aumentar em venda.
Em termos de restauração, o preço é ainda maior porque entram as margens dos restaurantes. Mas o que vemos com alguma preocupação é o crescimento dos vinhos sem denominação de origem ou indicação geográfica. Os vinhos não certificados continuam a ter um peso muito grande e estão a crescer, essa é a parte mais negativa. Porque muitos desses vinhos não são portugueses, são comprados a granel fora de Portugal, embalados e vendidos na restauração. Isso, para nós, é preocupante e traz um problema estrutural ao setor porque muitos desses vinhos não são produzidos em território nacional.

O aumento na compra de vinhos de gama média e alta na grande distribuição é indicador de que os consumidores estão a evoluir no gosto e conhecimento dos vinhos nacionais…
Isso claramente acontece. Muitas vezes as pessoas começam a comprar vinhos de gamas mais baixas e à medida em que vão evoluindo no gosto e no conhecimento, vão procurando vinhos de maior qualidade.
O que vemos com alguma preocupação são os vinhos de entrada de gama, que estão a deixar de ser comprados. Não porque os seus consumidores migram para as categorias mais altas, mas porque não têm muitas vezes disponibilidade financeira para comprar vinho.

E esses vinhos de entrada de gama têm grande importância para os vitivinicultores…
São muitos importantes porque muitas vezes são, aquilo que costumamos dizer, os que pagam as contas.

O que pretende a ViniPortugal com o Referencial Nacional de Certificação de Sustentabilidade do setor vitivinícola?
Em muitos países onde estamos presentes sentimos que os consumidores têm uma palavra na cabeça: sustentabilidade. Ou seja, querem que os fornecedores dos produtos que consomem estejam a produzir de uma forma sustentável. E embora muitos produtores o fizessem, não havia uma evidência, uma garantia, de que estivessem de facto a produzir de uma forma sustentável. Por isso, foi urgente criar um referencial nacional que levasse um selo associado a essa certificação e fosse, para os consumidores, uma evidência de que aquele produtor está a cumprir as regras de sustentabilidade. Foi o que fizemos há um ano e pouco. A ViniPortugal levantou esse problema em 2020, quando tomei posse. Depois, em conversações com o Instituto da Vinha e do Vinho acabou por ser o próprio instituto a avançar para a construção do referencial, com um grande envolvimento da ViniPortugal – tivemos cinco pessoas envolvidas na sua criação.
Nós queríamos que o referencial fosse privado, à semelhança do que acontece com todos os outros que existem no mundo e, portanto, neste momento é a ViniPortugal que o gere e está a implementar, e há já vários produtores a aderir. Sobre a certificação em si, não é feita por nós nem por CVRs. É feita por várias entidades externas, acreditadas pelo ISO 1765.

A que obriga, por parte dos produtores?
O referencial tem 86 parâmetros e os produtores têm de se adaptar a esses parâmetros. Falamos não só em sustentabilidade ambiental, mas também social e económica à qual acrescentamos uma quarta área: melhoria contínua, que une as outras três. Ou seja, um aumento contínuo da exigência e da preocupação, que têm de ser controlados. Os produtores têm de cumprir esses parâmetros e atingir uma pontuação mínima, de 50 por cento. Depois, há alguns critérios obrigatórios a que têm de obter pontuação positiva, caso contrário não recebem a certificação.
Quisemos construir um referencial que fosse credível, relativamente simples mas não simplista e que pudesse ser abrangente. Porque temos, por exemplo, no Alentejo produtores com centenas de hectares e uma adega e nos Açores temos produtores com cem metros quadrados de vinha. O referencial teria que olhar para as várias vertentes em Portugal e conseguir ser abrangente o suficiente para englobar todos estes produtores nas suas várias formas de produzir.

É mais um selo de qualidade na exportação…
É mais um selo de qualidade e uma garantia para os consumidores de que aquele produtor está a cumprir as regras de sustentabilidade. É uma mais-valia para os vinhos portugueses. E um dos trabalhos da ViniPortugal na gestão deste referencial é mostrá-lo ao mundo. Nas nossas várias ações divulgamos bastante este nosso selo de sustentabilidade. Ao mesmo tempo que estamos em contato com vários compradores nos países nórdicos, Canadá e outros países, apresentamos o nosso referencial que é avaliado por eles.

Frederico Falcão - Fotografias Frame It - Entrevista HipersuperPor falar em sustentabilidade, alertou recentemente para o risco de abandono de vinha na mais antiga região demarcada do mundo. O que está a acontecer no Douro? É urgente a reforma do quadro regulamentar da região?
O Douro está com um grande problema estrutural. Não é de agora, é algo que tem vindo a acontecer numa região muito assente na produção de Vinho do Porto. Há 20 anos, o Vinho do Porto representava 65% das nossas exportações totais em valor e no ano passado representou menos de um terço. Se analisarmos o preço médio de venda de Vinho do Porto, há 20 anos era superior ao preço de venda do ano passado. Isto traz, naturalmente, problemas à região.
É público que este ano tem sido mais preocupante, o preço da uva está muitas vezes abaixo do custo da produção. E, portanto, quando a região enfrenta um problema cabe-nos alertar para esse problema e cabe à própria região encontrar os seus caminhos. Têm que ser os agentes económicos e quem está a trabalhar na região, a encontrar as soluções e a resolver um problema que se não for resolvido poderá acarretar outros muito maiores à região, do que aqueles que neste momento enfrenta.

Na sua opinião, do que necessitam os vitivinicultores nacionais? De mecanismos de apoio?
Eu acho que o caminho passa sempre por encontrar saídas comerciais. Ao logo da minha vida profissional tenho encontrado muitos produtores que se preocupam em plantar vinha, construir uma adega e depois não se preocupam com a parte comercial. Cruzei-me com várias pessoas na vida que estavam a fazer investimentos e, quando lhes perguntava pelas saídas comerciais a resposta era: ‘primeiro vou produzir e depois logo se vê a quem vendo’. O setor dos vinhos ainda tem disto. Ainda falta esta visão estratégica de que é preciso encontrar um comprador, uma saída, e depois produzir para aquele comprador.
E, muitas vezes, quando há problemas estruturais tendemos a olhar para as formas mais simplistas de os resolver, mas são soluções de curto prazo. Temos de olhar para as soluções de longo prazo e estas passam por encontrar saídas comerciais para os produtos a um preço justo, razoável e que traga sustentabilidade económica.

A produção vai mesmo aumentar este ano? Onde se irá sentir mais esse aumento?
É um pouco cedo, mas há várias regiões a aumentar a produção. A estimativa que o IVV fez ao início creio que não se irá confirmar. Porque desde quando foi feita e até à vindima aconteceram vários fatores climáticos que afetaram a produção. Problemas com doenças, com granizo, enfim, várias situações trouxeram um declínio de produção. A Norte vamos ter um aumento, creio que o Alentejo também terá. Os Açores previam um grande aumento na produção, mais de 200%. Vão crescer, mas para metade ou menos de metade, porque tiveram outros problemas. Portanto, eu preferia não estar neste momento a fazer previsões muito rigorosas e errar. O que estou plenamente convencido é que vamos crescer, mas não na percentagem estimulada inicialmente..

Falemos agora das exportações. Em 2022 atingiram 941 milhões de euros, um valor recorde. Há previsões quanto ao volume para este ano? Os números chegarão ao objetivo traçado de mil milhões de euros em exportações de vinho?
Sim e não. Sim, os valores são esses. Sim, batemos o recorde – aliás temos vindo a bater os recordes, ano após ano na exportação, o que é bastante positivo para Portugal.
Este ano talvez cheguemos perto dos 970 milhões, ou seja, não vamos atingir o objetivo traçado dos mil milhões de euros no final de 2023. Para isso contribuíram vários fatores. Isto vai parecer um pouco estranho, mas a pandemia acabou por nos ser favorável porque conseguimos crescer a um ritmo maior. A nível internacional estamos menos na restauração e mais nos canais de distribuição. Quando veio a pandemia os restaurantes fecharam e que que permaneceu aberto? Os supermercados, onde temos uma presença mais forte e ganhamos aí quota.
No pós-pandemia estimámos que continuaríamos a crescer, mas depois surgiu a questão da invasão da Rússia à Ucrânia e agora o conflito em Israel pode escalar para níveis preocupantes. Estes conflitos afetam as economias, estão a afetar o consumo de vinho a nível mundial e estamos a crescer a um ritmo menor do que poderíamos. Nós queríamos crescer acima dos 6% e deveremos crescer, deduzo eu, até ao final do ano, perto dos 3%. Portanto, não vamos atingir o objetivo de mil milhões de euros, mas há fatores nos mercados mundiais e nas economias mundiais que nos ultrapassam e não conseguimos controlar por muito que façamos. E fizemos muito.

No primeiro semestre de 2023, face a período homólogo, houve um crescimento das exportações para Reino Unido, Brasil e Angola: três destinos extracomunitários. Haverá uma aposta maior em mercados fora da UE? Sabendo, por exemplo, que França ainda lidera o ranking das exportações portuguesas de vinhos…
Estamos sempre a procurar mercados onde valorizem mais os nossos produtos e onde temos um preço médio mais alto.
França ainda é o nosso principal mercado, mas é um mercado muito assente em Vinho do Porto e, infelizmente para nós, em vinhos do Porto de gamas mais baixas. Ou seja, aqueles onde o consumo se tem feito sentir a nível decrescente.
Também nos outros vinhos, França tem um preço médio de importação de vinhos portugueses relativamente baixo. Portanto, não é um mercado estrategicamente importante para nós. Ainda no que toca a Vinho do Porto, as categorias mais altas continuam relativamente saudáveis.
De facto, nos últimos anos, temos vindo a crescer mais nos países terceiros do que dentro da Europa, que tem sofrido alguma instabilidade. E este ano, com o aumento das taxas de juro, claramente fez-se sentir muito a retração de consumo no continente. A Alemanha é um grande consumidor e ali a retração é evidente, assim como em França.
Em 2023 o nosso crescimento está de facto assente nos mercados que referiu, mas para onde olhamos com alguma preocupação. Inglaterra estabeleceu novos impostos sobre o vinho, que entraram em vigor em agosto e fizeram antecipar as importações sobretudo durante os meses de maio, junho e julho. E estimamos que nos meses finais deste ano haja alguma retração nas importações de vinho no Reino Unido. Angola era um país com grande crescimento, mas está com um problema de desvalorização cambial e temos quase a certeza de que isso levará a uma retração das importações até ao final do ano. Aqui, salva-se o Brasil porque está a correr bastante bem.
Curiosamente, a Ucrânia e a Rússia também estão a importar bastante vinho. Na Europa ‘salva-se’ ainda a Polónia, um mercado que nos está a correr bastante bem, sobretudo na grande distribuição.

Frederico Falcão - Fotografias Frame It - Entrevista HipersuperPor falar no Brasil, esteve este mês na ProWine, em São Paulo, e disse que Portugal pode voltar a ser o segundo maior exportador de vinhos para aquele mercado. Mas partimos em desvantagem em relação aos países do Mercosul, por conta dos impostos de importação…
Sim, os países do Mercosul – neste caso Uruguai e Argentina e o Chile que não estando com ‘os dois pés’ no Mercosul tem acordos com aquele mercado para baixar impostos para os seus produtos – têm no Brasil vantagens competitivas em relação aos vinhos de outros países. Os nossos sofrem essa desvantagem competitiva porque pagam mais impostos. Mas há uma ligação forte, emocional, dos consumidores brasileiros a Portugal e aos vinhos portugueses. E o grande aumento do turismo do Brasil em Portugal tem ajudado a criar esses laços afetivos. Há uma expressão que já lá ouvi várias vezes: os nossos vinhos têm rótulos que falam a mesma língua. Apesar desta nossa desvantagem competitiva, estivemos à frente da Argentina até há dois anos, depois a Argentina ultrapassou-nos. Mas estamos agora a sentir no mercado brasileiro os vinhos do Chile e da Argentina a caírem. E Portugal é dos poucos países que está a conseguir crescer naquele mercado.

O que fazer para tornar essa ‘competição’ mais equilibrada?
Altamente vantajoso para nós seria avançar o acordo entre a União Europeia e o Mercosul, que está a ser negociado há muito tempo e tem que ser ratificado por todos os países da UE. Sabemos que alguns países têm fortes resistências a que seja feito, não pelo vinho mas por outros produtos, e anunciaram publicamente que não têm intenções de o ratificar. Por isso não foi ainda assinado nenhum acordo entre UE e Mercosul.
De qualquer maneira, o Brasil está a fazer uma nova reforma fiscal e não sabemos até que ponto poderá afetar os impostos sobre os vinhos, sobretudo nos produtos importados. É algo que temos que esperar para ver, mas neste momento estamos em desvantagem. Quem nos dera a nós, setor dos vinhos, que o acordo UE/Mercosul fosse ratificado.

Quais serão então os mercados externos a que a ViniPortugal vai apontar baterias no triénio 2023-2025? Tanto no reforço de já existentes como em novos potenciais mercados?
A ViniPortugal está atualmente em 21 mercados. Construímos um Plano Estratégico de 2024 a 2030 que irá a Assembleia Geral, para ser aprovado, juntamente com a nossa proposta para 2023-2025. Esse plano estratégico tem uma linha de orientação: reduzir o número de países onde estamos presentes e entrar noutros.
Foram identificados três países onde seria interessante a ViniPortugal estar presente e identificados alguns onde, provavelmente, já não fará sentido. Isto terá que ser aprovado em Assembleia Geral, mas, de qualquer forma, o nosso plano de investimentos para 2024 já contempla pelo menos um dos países que está identificado.

Qual será?
Israel. Mas, entretanto, escalou um conflito no país que esperemos, por todos os motivos, não se prolongue. Temos vindo a crescer muito em Israel nos últimos anos e mantém-se um grande potencial de investimento. E não apenas nos vinhos kosher. Hoje em dia percebemos que aquele mercado está a crescer muito também nos outros vinhos e poderá vir a ser muito importante para Portugal.

Quais serão os outros dois mercados?
Cazaquistão e Moçambique. O Cazaquistão pela zona onde se insere, por estar a crescer muito e a comprar pelo preço médio e alto. Já Moçambique foi um mercado que nós, Vinhos de Portugal, abandonamos há alguns anos porque eles voltaram-se mais para os vinhos sul-africanos. Mas, olhando para o mercado e o seu comportamento concluímos que pode ser muito interessante voltar a investir.

Nos mercados onde vão investir e/ou reduzir o investimento, incluem países da Europa?
Alguns na Europa, sim. A China será um mercado que não iremos abandonar, mas a estratégia passará por desinvestir um pouco, porque está a cair desde 2018. Alguns analistas internacionais preveem que a China pode vir a inverter a tendência de queda de consumo em 2025, mas não deixa e ser uma estimativa. A realidade é que tem vindo a cair a pique, e, sem o abandonarmos, vamos desinvestir um pouco as nossas ações porque elas não trazem uma consequência direta.

Para além da concorrência, o setor tem que saber adaptar-se às alterações económicas de cada país…
Estamos atentos ao que se passa nos mercados onde atuamos e também a outros onde não estamos. Não são as nossas ações que vão inverter as tendências de consumo. Se um mercado está a crescer, e muito rapidamente, o que temos que fazer é investir para tentar ganhar mais quota nesse mercado do que os outros países. Mas quando o mercado está a cair muito, não são as nossas ações que vão fazer com que aquele país comece a consumir mais vinhos. Portanto, temos que estar muito atentos ao que se consome nos mercados e irmos ajustando a nossa estratégia.

E quais são os grandes entraves à exportação de vinhos portugueses? De competição, burocráticos, ‘barreiras’ protecionistas, aumento do imposto sobre os vinhos?
Em termos de consumo de vinho em geral, estamos a sentir a criação de barreiras comerciais, seja através de burocracia, seja através de aumento de impostos sobre os produtos importados.
Por exemplo, no Brasil temos uma presença forte mas sentimos muito a carga burocrática nas importações de vinhos. Eu cheguei a reunir com a ministra da Agricultura do Brasil, chamando a atenção para estas dificuldades burocráticas. Não tem sido impedimento ao nosso crescimento, mas gera algumas adversidades e, muitas vezes, aumento de custos, porque quando se criam burocracias, os vinhos têm que ficar parados em armazéns e pagam diariamente, enquanto não se resolvem esses problemas.
O aumento de impostos é outro entrave. Temos o caso da Inglaterra e o da Rússia que em setembro criou um novo imposto para os ‘países hostis’.
Outra grande preocupação do setor neste momento é o fundamentalismo de algumas organizações internacionais, em atacar o consumo de álcool. Atacam de forma ‘cega’, sem distinguir álcool e forma de consumo. Defendem que beber um copo de vinho é tão mau como apanhar uma bebedeira e isso é completamente errado. Todos sabemos que o consumo abusivo é mau, todos o combatemos e tentamos estimular o consumo moderado porque conhecemos inclusive os seus benefícios para a saúde. Mas esta escalada da OMS com a proteção da União Europeia é, claramente, uma preocupação, porque poderá trazer grandes retrações de consumo e burocracias, seja por via de impostos, seja por tentativas de alertas nos próprios produtos, que não são razoáveis e nem cientificamente defensáveis.
Particularmente em relação aos nossos vinhos, tínhamos um problema estrutural relacionado com o desconhecimentos dos consumidores internacionais. A ação concertada da ViniPortugal sob o chapéu da Wines of Portugal tem ajudado muito ao reconhecimento dos nossos vinhos e a que as pessoas saibam que Portugal é um pais produtor e produz vinhos de muito boa qualidade. Este trabalho que a ViniPortugal faz – muito dele invisível até ao próprio setor – junto de jornalista e líderes de opinião internacionais, divulgando e promovendo os nossos vinhos, leva a que haja muitas notícias nos mercados mundiais. Notícias que chegam aos consumidores estrangeiros e apresentam Portugal como um país que produz vinhos de excelente qualidade a preços razoáveis.

Quem nos visita também tem essa perceção?
O turismo ajuda-nos muito nas exportações. Muitos turistas são surpreendidos pela qualidade e pelo preço e isso faz com que, quando regressem, fiquem com uma ligação afetiva a Portugal e aos nossos produtos, como o vinho. Vão consumi-lo e divulgá-lo mais. Temos sentido essa ligação direta entre os turistas de um determinado país e as nossas exportações para esse país.

Sendo este um país pequeno será competitivo em termos de qualidade. Nesse sentido, o que trouxe a marca Wines of Portugal ao conhecimento dos nossos vinhos no exterior?
Às vezes caímos na tentação de nos compararmos com Espanha, França, Itália. Esses três países têm, juntos, mais de metade da produção mundial de vinho. Naturalmente, não podemos ter a mesma presença de mercado, nem é essa a nossa ambição. Porque não temos quantidade para aumentar, de repente, as nossas exportações de uma forma desmesurada.
Queremos continuar a crescer, sim, mas em preço e em valor médio. E o facto de sermos mais pequenos ajuda-nos. Porque, por exemplo, Espanha não tem uma Wines of Spain que englobe todo o setor, eles não aparecem lá fora de uma forma única. E o mesmo em França e Itália. Nós conseguimos ter essa presença unida lá fora, todos debaixo do mesmo chapéu, Wines of Portugal, e isso tem-nos ajudado a conquistar notoriedade.
Tenho tido relações de proximidade com CEO’s de ‘Wines of…’ de regiões, como por exemplo da Califórnia, e fui surpreendido pelos elogios que fazem a Portugal, à forma como estamos organizados e como nos apresentamos. Basta ir a feiras internacionais. Estivemos agora na ProWine, no Brasil, país onde somos o terceiro no ranking de exportação, e o símbolo/stand Wines of Portugal era metade da feira e localizado no melhor sítio do certame. Porque? Porque a nossa presença é forte, a nossa imagem atrai. E quando a organização da ProWine São Paulo começa a organizar a feira do ano seguinte, o primeiro país a que pergunta onde quer ficar é a Portugal. Isso aconteceu também na Vinexpo, em Paris, onde temos o pavilhão de Portugal com um destaque incrível.
De alguma forma, olham para nós com reconhecimento e elogiam o trabalho que todo o setor dos vinhos de Portugal tem vindo a fazer, debaixo desta marca e com a preciosa ajuda da ViniPortugal.

O que é exatamente o Observatório dos Mercados Internacionais?
É algo que fazia falta ao setor. Tínhamos poucos dados e o que o Observatório dos Mercados Internacionais faz é estudar os 21 mercados onde estamos presentes para perceber o comportamento de cada um. Não podemos criar estratégias para determinado mercado sem saber o que está a ali a acontecer. Analisamos as importações, os consumos, o crescimento dos vários países que para lá exportam. Em relação aos EUA, por exemplo, tínhamos apenas as importações totais do país e neste momento já sabemos as importações por cada estado. No caso dos monopólios, sejam nórdicos sejam do Canadá, até sabemos por marca, quem está a vender no país.
O conhecimento dos mercados é importante, por isso fazemos esses estudos e os divulgamos ao setor. E já vários produtores me disseram que mudaram a sua estratégia para determinados mercados depois de lerem o estudo sobre esses mercados. Foi dado um passo enorme, porque temos acesso a dados que não tínhamos, mas sabemos que temos muito mais a fazer.

Outra ação que ajuda o setor é a formação de agentes económicos. Apontou o seu reforço como uma das prioridades no novo mandato…
Foram ações que fizemos em grande número durante a pandemia, em 2020 e 2021 e até em 2022. Em 2023, culpa minha, descuidamos um pouco esta formação, mas em 2024 queremos reforçá-la. Ou seja, dar-lhes formação sobre a presença em feiras, como lidar com possíveis clientes e com os atuais, como construir preço para um produto. Passar-lhes o máximo de informações possíveis, dadas por formadores especialistas de várias áreas, para ajudar o próprio setor a ser mais profissional, a trabalhar melhor.

Em 2016, ainda como presidente do Instituto da Vinha e do Vinho, referia numa entrevista que os consumidores ocasionais mundiais ainda não estavam despertos para os vinhos portugueses. Sete anos depois, esta realidade que já não existe…
De facto, a nossa presença contínua lá fora, e também aqui em Portugal, tem tido a importância de fazer chegar a mensagem aos jornalistas e aos líderes de opinião que depois espalham a notícia. E, como referi há pouco, o próprio turismo de Portugal tem-nos ajudado muito.
Se há sete anos eramos pouco conhecidos, hoje em dia somos cada vez mais. No mundo inteiro muitos consumidores já ouviram falar e já provaram vinhos portugueses. Este é um trabalho contínuo, mas estamos a crescer em notoriedade e, se tudo correr bem, vamos continuar a crescer nos próximos anos. E trazer sustentabilidade económica.

Fotografias Frame It

Entrevista originalmente publicada na edição 417 do Hipersuper

Sobre o autorAna Grácio Pinto

Ana Grácio Pinto

Artigos relacionados
Delta Cafés apresenta nova imagem da gama solúveis
Bebidas
Já arrancou mais uma edição da Academia do Centro de Frutologia Compal
Já arrancou mais uma edição da Academia do Centro de Frutologia Compal
Alimentar
McDonald’s do CascaiShopping tem uma nova imagem
Alimentar
Quinta do Portal lança quatro propostas da colheita 2023
Bebidas
Óbidos vai receber o Interpera nos próximos dias 26 e 27
Alimentar
Continente Co-Lab conta com 10 mil provadores
Alimentar
Mastercard quer alcançar 100% de tokenização do comércio eletrónico na Europa até 2030
I&D
E-goi lança material educativo gratuito para fomentar estratégia de dados em empresas
BRANDED
Adega de Monção
Adega Cooperativa de Monção com recorde de vendas em 2023
Bebidas
Santos e Vale inaugura novas instalações na Maia
Logística
PUB
Vinhos Código
Bebidas

No Rules Wines quer promover o melhor do Dão e elevar esta região vitivinícola “a um patamar superior”

A No Rules Wines junta trio do Dão: o enólogo Tiago Macena, o empresário António Sousa Martins e o consultor internacional de vinhos, Cláudio Martins.

Hipersuper

Há dois anos no mercado, a No Rules Wines, fundada por António Sousa Martins, Cláudio Martins e Tiago Macena, nasceu com vontade de se distinguir pela irreverência e autenticidade de fazer “vinhos tranquilos do Dão sem regras”, honrando a tradição do Dão, mas procurando “elevar esta região vitivinícola a um patamar superior”.
Este é o terroir base do projeto, que surge com o objetivo principal de “expressar uma enologia que mostre a origem das uvas”, através de um investimento inicial de 1 milhão de euros.
“Temos alguns vinhos menos usuais, tirando partido do potencial enológico da região e da nossa vontade de arriscar em alguns vinhos. A maior parte dos vinhos são DOC Dão, mas também temos vinhos Indicação Geográfica Protegida (IGP), nos quais nos é permitido o trabalho com outras técnicas e castas”, afirma Tiago Macena, em comunicado.Código foi a primeira marca de vinhos apresentado ao mercado, com quatro propostas, entre brancos e tintos, e que em poucos meses, viu esgotado o stock de cerca de 3 mil garrafas de cada referência. Em breve, uma sala de provas, à porta fechada, na adega que a empresa tem em Nelas vai permitir receber entusiastas por experiências vínicas fora da caixa, avança a No Rules Wines.
A aquisição de uma vinha no Douro também está nos planos do trio.

A No Rules Wines foi fundada por António Sousa Martins, Cláudio Martins e Tiago Macena.

Autenticidade, Sustentabilidade e Transparência são os pilares principais da empresa, que já marca presença em alguns mercados internacionais, concretamente em Angola e Reino Unido. Para António Sousa Martins, o objetivo é “continuar a explorar novos mercados” e posicionar a No Rules Wines, com sede em Oliveira do Hospital, entre as melhores do setor vinícola. “Desde a produção de vinhos mais requintados, em poucas quantidades e valores mais elevados, a vinhos ‘simples’ e ‘descomplicados’, a preços mais acessíveis e em maiores volumes, a empresa quer ‘promover o melhor do Dão’”, sublinha
Encruzado, Granius, Origem, Solstício, Bical e Uva Cão são os seis vinhos que fazem parte da marca Código.

Vinhos que “mercado está a absorver de forma extraordinária”

O Código Origem Branco, Solstício e o Granius 22, chegaram ao mercado no segundo semestre 2023 e rapidamente foram absorvidos pelos consumidores. Seguiu-se um monovarietal, o Encruzado 2022, no início de 2023.
Em maio, chegaram ao mercado as novas colheitas (Código Origem Tinto 22 e Origem Branco 23) que “vieram reforçar a oferta para uma procura que o mercado está a absorver de forma extraordinária”, afirma Cláudio Martins.
Para os colecionadores especiais, há uma edição limitada, de seis garrafas.
Em julho, do Código serão lançadas novas colheitas de Bical e Uva Cão e duas novas referências Infusão Subtil e Manifesto.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Faturação da ElPozo Alimentación cresce 8,5%

A El Pozo Alimentación, que celebra este ano o seu 70º aniversário, fechou o exercício de 2023 com uma faturação de 1.804,3 milhões de euros, um crescimento de 8,5% face […]

Hipersuper
tagsElPozo

A El Pozo Alimentación, que celebra este ano o seu 70º aniversário, fechou o exercício de 2023 com uma faturação de 1.804,3 milhões de euros, um crescimento de 8,5% face ao ano anterior. Esta evolução resulta do posicionamento de marca e da inovação em produtos de elevado valor acrescentado, refere a empresa em comunicado.

A El Pozo Alimentación refere que investiu 76,5 milhões de euros, tanto em ativos tangíveis quanto intangíveis e  tem concentrado os seus esforços na investigação, formação e desenvolvimento dos seus produtos e marca.
Segundo a empresa, entre os lançamentos mais importantes estão a linha +Proteínas ElPozo Bienstar, com produtos fatiados e semicozidos ricos em proteínas, um segmento em crescimento, a La Croquetería, uma gama de empanados gourmet e a marca ElPozo KING UPP,  anunciada como a proposta mais jovem e inovadora da empresa.

Renovação

A marca ElPozo renovou a sua imagem com o rebranding da sua linha mais artesanal, ElPozo 1954, incluindo um novo logótipo, designs, formatos e uma nova campanha de comunicação com a banda murciana Viva Suecia. A lista de embaixadores da empresa, que já incluía o tenista Carlos Alcaraz, foi ampliada com José Coronado para o Legado Ibérico e Olga Carmona para a ElPozo Bienstar.

A empresa, integrada na holding Grupo Fuertes,  lembra que realizou vários projetos de infraestruturas, entre os quais se destacam a implementação de uma unidade de biotecnologia, a construção de um parque fotovoltaico para autoconsumo elétrico e a criação de um novo centro de congelação de carne.

Exportação

A ElPozo, que encerrou o exercício de 2023 com uma equipa média de 5.159 pessoas, está presente em mais de 80 países e tem como objetivo continuar a aumentar a sua quota de exportações, consolidando a sua presença nas áreas geográficas com mais potencial, tendo alcançado este ano um volume de negócios no estrangeiro de cerca de 20 por cento da sua faturação.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Produção

Marcelo Rebelo de Sousa inaugurou a Feira Nacional de Agricultura

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, inaugurou este sábado a Feira Nacional de Agricultura / Feira do Ribatejo (FNA 24), certame que decorre no Centro Nacional de Exposições, […]

Hipersuper

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, inaugurou este sábado a Feira Nacional de Agricultura / Feira do Ribatejo (FNA 24), certame que decorre no Centro Nacional de Exposições, em Santarém, e que se prolonga até ao dia 16 de junho.
Este ano o evento comemora três aniversários: os 70 anos da Feira do Ribatejo, o 60º aniversário da Feira Nacional de Agricultura e os 30 anos de atividade do CNEMA.
Na entrada principal do CNEMA, o visitante é convidado a viajar numa exibição retrospetiva de todo o histórico do evento – a exposição “O Início”. E foi mesmo Marcelo Rebelo de Sousa o primeiro a fazer o percurso e a saudar a iniciativa.
Pecuária Extensiva, é o tema deste ano, atividade que ocupa uma área de 64% da superfície agrícola útil em território nacional, com um papel determinante na sustentabilidade e na preservação dos espaços rurais do país.

Presidente da República enaltece importância da FNA

No âmbito da exibição de um breve excerto alusivo ao documentário sobre a história e evolução do evento, o Presidente da República salientou a importância do certame para a “agricultura portuguesa” e para os agricultores.
O chefe de estado português afirmou que a “feira representa muito por Portugal, pela agricultura portuguesa, pela riqueza natural portuguesa, pela biodiversidade, raças autóctones, pelo labor pelos agricultores, e por aquilo que é uma componente fundamental da riqueza do nosso país”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Santarém acordou em festa

Santarém recebeu logo de manhã o habitual desfile de campinos e de gado, que percorreu as ruas do centro da cidade e que contou com a presença de diversas entidades e grupos locais que animaram a manhã em pontos estrategicamente definidos.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Auchan reforça compromisso com a proteção dos oceanos e junta-se à campanha da MSC

“Na Auchan, a sustentabilidade é um pilar estratégico e, por isso, aliamos a qualidade dos nossos produtos à necessidade de preservação do planeta.” destaca Rita Cruz, diretora de responsabilidade corporativa ambiental e social da Auchan Retail.

Hipersuper

A Auchan reforça a sua visão 2032 – Alimentar uma Vida Melhor e Preservar o Planeta – e junta-se à campanha da Marine Stewardship Council (MSC) que tem como mote ‘A Pesca Sustentável significa mais peixes’.

Com um compromisso assumido com a sustentabilidade, a Auchan assume, desde 2009,  uma política de comércio sustentável de pescado destacando-se dois compromissos da retalhista: a diminuição, suspensão ou cessação da comercialização das espécies que se identifiquem ameaçadas, tal como fez, em 2008, com todas as espécies de tubarão ameaçadas, tornando-se, assim, na primeira insígnia de distribuição internacional a implementar esta medida de resposta à situação de sobrevivência deste peixe emblemático; e, privilegiar a oferta de produtos provenientes de pesca sustentável ou com menor grau de risco para a biodiversidade. Exemplo disso são o Bacalhau Produção Controlada Auchan comercializado desde 2019 e a Pescada Congelada Auchan, ambos com uma certificação MSC, exemplifica a retalhista.

“Na Auchan, a sustentabilidade é um pilar estratégico e, por isso, aliamos a qualidade dos nossos produtos à necessidade de preservação do planeta. Já temos uma oferta de produtos da nossa marca com certificação por parte de entidades com quem colaboramos na procura por alimentos que promovam uma vida melhor para os nossos clientes. A campanha da MSC, em defesa dos nossos oceanos e da pesca sustentável, está muito alinhada com os nossos objetivos e, por isso, fez todo sentido podermos juntar-nos a esta causa”, explica Rita Cruz, diretora de responsabilidade corporativa ambiental e social da Auchan Retail.

“No MSC, valorizamos e apreciamos enormemente o apoio da Auchan Retail pela pesca sustentável e pelo trabalho que a nossa organização está a fazer em Portugal. Estamos convencidos de que, graças ao apoio de retalhistas como a Auchan Retail a iniciativas como o Dia Mundial dos Oceanos, avançamos para uma maior consciencialização da sustentabilidade do mar e dos seus produtos na sociedade em geral”, afirma Laura Rodríguez, diretora da MSC Portugal e Espanha.

Para assinalar e promover a preocupação com os oceanos, a MSC lançou uma campanha, que estará no ar até ao final de junho, e que pretende destacar o impacto positivo da pesca sustentável na preservação da vida marinha. Assim, na Auchan, existe uma seleção de produtos que têm o selo de certificação da MSC, que atestam a origem, confiança, credibilidade e manuseamento de peixes selvagens e outros produtos de mar.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Hipersuper

Mercadona promove conferência “Semear o Futuro” na Feira Nacional de Agricultura

A conferência Semear o Futuro é uma das iniciativas da Mercadona na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém, de 8 a 16 de junho.

Hipersuper

A Mercadona volta a marcar presença, de 8 a 16 de junho, na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém.

Tal como em anos anteriores, a empresa estará presente no espaço dedicado ao “Portugal Sou Eu”, iniciativa do Ministério da Economia que visa a dinamização e valorização da oferta nacional, criada há mais de uma década, reforçando o seu compromisso de colaboração com a produção nacional, iniciado já antes de a empresa ter presença física em Portugal, e reforçado com o acordo com a CAP, também parceiro deste programa.

“Marcar presença, uma vez mais, na FNA, representa uma excelente oportunidade de estar mais perto dos “Chefes” (clientes) e mostrar à Sociedade o nosso compromisso com o Sector Agroalimentar Nacional. A Mercadona continua a apostar na produção nacional, compromisso que temos vindo a reforçar ano após ano e que, em 2023, representou 1.178 milhões de euros em compras aos nossos 1.000 fornecedores nacionais.” sublinha Pedro Barraco, diretor de cadeia agroalimentar da Mercadona, em comunicado.

Cozinha com a Mercadona”

A Mercadona estará presente com ações de “showcooking” através de um conjunto de oito receitas criadas em parceria com a Chef Tia Cátia. A empresa convidou também alguns dos seus Fornecedores a estarem presentes e a fazerem provas com os seus produtos à venda nos supermercados Mercadona em território nacional.

1ª Conferência Semear o Futuro

Este ano, em parceria com a CAP, Confederação dos Agricultores de Portugal, a Mercadona criou o projeto “Semear o Futuro”, uma iniciativa dedicada a explorar e promover a importância do setor agroalimentar em Portugal e que culmina com uma conferência, no dia 13 de junho, na sala Ribatejo, no CNEMA.
Este evento, cujas inscrições se encontram abertas, contará com intervenções de especialistas no setor.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Fotografia Fruit Attraction

Fotografia Fruit Attraction

Exportação

Fruit Attraction já tem mais de 90% do espaço de exposição ocupado

A Fruit Attraction, marcada para os dias 8, 9 e 10 de outubro, em Madrid, tem alocados 65.000 m² de espaço de exposição, um aumento de 39% em comparação com o mesmo período do ano passado. A organização antecipa a participação de mais de 2.000 empresas de 55 países, apresentando 70.000 m² com produtos frescos e mais de 100.000 profissionais de 145 países.

A Fruit Attraction, marcada para os dias 8,9 e 10 de outubro em Madrid, já tem mais de 90% do espaço de exposição ocupado.

A quatro meses do evento, a organização avança que foram alocados 65.000 m² de espaço de exposição, um aumento de 39% em comparação com o mesmo período do ano passado. A organização antecipa a participação de mais de 2.000 empresas de 55 países, apresentando 70.000 m² com produtos frescos e mais de 100.000 profissionais de 145 países.

A feira confirmou a participação de quase todas as áreas de produção e Comunidades Autónomas de Espanha, bem como a participação internacional de 45 países, incluindo novos mercados como a Arábia Saudita e Hong Kong.

Pela primeira vez, a Fruit Attraction 2024 vai ocupar dez pavilhões (1-10) na IFEMA Madrid, transformando a cidade num epicentro global para o marketing de produtos frescos. Inovação, qualidade e diversidade são atributos chave deste importante centro de negócios, reconhecido por operadores e retalhistas em todo o mundo como essencial para planearem as suas campanhas no crucial mês de outubro.

Sob o tema “Descubra a Essência do Setor”, este evento líder para o setor de frutas e vegetais será organizado em torno de quatro áreas de exposição. A mais representada será novamente Fresh Produce, que exibirá uma ampla variedade de produtos hortícolas, além da Auxiliary Industry, que reúne toda a cadeia de valor da indústria, e Fresh Food Logistics, o espaço dedicado à logística, transporte e gestão da cadeia de frio para alimentos.

Uma novidade desta edição é a Innova&Tech, a nova área que reunirá os setores Biotech Attraction e Smart Agro, proporcionando um espaço para empresas focadas na inovação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico em genómica

O abacate será o produto estrela deste ano, com várias iniciativas em torno deste superalimento, cujo sucesso tem crescido significativamente em Espanha nos últimos anos, tanto em termos de cultivo quanto de exportações. Além do Congresso “Abacate de Espanha”, a feira acolherá outras atividades, como uma liga na qual estudantes de escolas de hotelaria e catering espanholas competirão numa sessão de show cooking liderada por Daniel del Toro, bem como diferentes workshops e demonstrações.

Na sua próxima edição, a feira irá continuar a implementar iniciativas destinadas a impulsionar as vendas, promoção, desenvolvimento e crescimento das empresas expositoras. O Programa Internacional de Compradores será novamente acompanhado pela iniciativa de Países Importadores convidados, com foco principal na China e na Arábia Saudita. O objetivo passa por promover as relações comerciais entre os países da União Europeia e estes mercados fora da UE, apoiado por um programa completo de mesas redondas, visitas guiadas à feira e sessões B2B.

Mais uma vez, o The Innovation Hub e o Fruit Next serão as áreas dedicadas à inovação e novos desenvolvimentos comerciais na indústria. Neste contexto, a Fruit Attraction voltará a acolher os Innovation Hub Awards, que se tornaram um evento fundamental para apoiar o compromisso empresarial da indústria.

Como novidade, a Fruit Attraction apresentará os Best Stand Awards, reconhecendo os espaços de exposição que se destacam pela sua criatividade e design numa das três categorias: Comunidades Autónomas e Instituições, países e regiões, e empresas.

A feira também se irá tornar num centro de conhecimento, oferecendo um programa completo de sessões técnicas caracterizadas por uma grande variedade de conteúdos, bem como pelo elevado nível dos participantes e palestrantes. Entre outros, a Fruit Attraction irá acolher os congressos Grape Attraction, Biofruit Congress e Fresh Food Logistics The Summit.

Fotografia Fruit Attraction

Sobre o autorAna Rita Almeida

Ana Rita Almeida

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

Distribuição

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

O atual diretor-geral da Fnac Portugal, Nuno Luz, foi nomeado diretor-geral da Fnac Ibéria – Portugal e Espanha –, cargo que assumiu no início deste mês. Nuno Luz passa, assim, a integrar o […]

Hipersuper

O atual diretor-geral da Fnac Portugal, Nuno Luz, foi nomeado diretor-geral da Fnac Ibéria – Portugal e Espanha –, cargo que assumiu no início deste mês. Nuno Luz passa, assim, a integrar o Comité Executivo do Grupo Fnac Darty e irá reportar diretamente ao CEO do Grupo Fnac Darty, Enrique Martinez.

Por sua vez, Domingo Guillén Figuerola, atual diretor de vendas omnical da Fnac Espanha, assumirá as funções de diretor-geral da Fnac Espanha, sucedendo a Annabel Chaussat, que ocupa a posição até 15 de junho de 2024. Domingo Guillén Figuerola ficará sob a responsabilidade hierárquica de Nuno Luz.

Nuno Luz iniciou o seu percurso na Fnac Portugal como diretor comercial, em maio de 2016, e assumiu a direção geral da empresa em outubro de 2017. Sob a sua liderança, a Fnac consolidou o seu crescimento e desenvolvimento de forma sustentada, impulsionados pela abertura de novas lojas FNAC e Nature & Découvertes, pela aquisição da PC Clinic e pelo aumento da venda de serviços. Recentemente, encabeçou, com sucesso, a operação de aquisição da MediaMarkt, em Portugal. 

É de recordar que o mercado ibérico é um mercado estratégico para o Grupo Fnac Darty, tendo registado 732 milhões de euros de vendas, em 2023. Na Península Ibérica, o Grupo conta com 88 lojas do universo Fnac.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Bebidas

Ervideira lança o 15º Invisível e celebra mais de um milhão de garrafas deste monocasta

A Ervideira lançou a 15ª edição do seu vinho de maior sucesso. O Invisível, um branco, feito a partir de uvas tintas da casta Aragonez, foi um marco inovador no setor em 2009.

Hipersuper

A Ervideira lançou a 15ª edição do seu vinho de maior sucesso. O Invisível, um branco, feito a partir de uvas tintas, foi um marco inovador no setor em 2009.

Este monocasta elaborado a partir da casta Aragonez, com vindima mecânica e noturna, deu origem a uma nova categoria de vinhos que se consolidou junto dos consumidores e até aos dias de hoje vendeu mais de 1 milhão de garrafas, contando já com 10 milhões de euros no mercado.

“Um milhão de garrafas vendidas em 15 anos é algo de que a Ervideira tem que se orgulhar”, assume Duarte Leal da Costa, diretor executivo da empresa vitivinícola sediada no Alentejo.

Apenas em 2024, o Invisível, da qual a Ervideira produz 125 mil garrafas/ano, representa 400 mil euros de faturação.

Uma das particularidades do Invisível é ser um vinho que pode ser servido a diversas temperaturas e a acompanhar os mais diferentes pratos, permitindo uma enorme versatilidade: desde como welcome drink, até ao acompanhamento de petiscos, pratos de peixe e de carne.

“O Invisível tornou-se um caso de estudo no setor, pois deu origem a um novo estilo de vinho. Este novo estilo não se prende apenas com o facto de ser um ‘blanc de noir’- vinho branco feito a partir de uvas tintas – mas também pela particularidade que traz ao ser um vinho adequado a ser servido e apreciado a uma multiplicidade de temperaturas e em momentos tão diferentes, bem como é um vinho que agrada 100% dos consumidores, o que é um facto extraordinário”, apresenta Duarte Leal da Costa.

Nelson Rolo, enólogo responsável pela produção deste monocasta, sublinha que “um bom vinho, hoje, é um vinho com qualidade, que seja prazeroso, mas que tenha a capacidade de harmonizar com pratos diferentes. Isto é estar atualizado para produzir um vinho versátil”.

O enólogo da Ervideira destaca que o que permite ao Invisível ter esta elasticidade térmica na hora de servir “é a sua casta Aragonez e a tecnologia utilizada no seu processo de criação”. “À semelhança das edições anteriores, a vindima do Invisível é feita à noite, para haver menos luz e temperaturas mais baixas – fatores muito importantes para reduzir a oxidação e anular fermentações indesejadas”, explica.

O Invisível é elaborado com base nos melhores lotes de Aragonez. O mosto é transportado em camião frigorífico até à adega, onde é conduzido por gravidade para uma câmara de frio. Ali permanece a decantar durante 24h a baixas temperaturas. Após esse processo, o mosto é inoculado com leveduras selecionadas e a fermentação decorre a uma temperatura controlada de 12ºC, durante 15dias.

A 15ª edição do Invisível está disponível nos pontos de venda habituais.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Associações de Portugal e Espanha pedem maior reconhecimento do setor da distribuição na Europa

APED, ASEDAS e ANGED lançaram um manifesto com as prioridades do setor da distribuição que devem ser tidas em conta pelos decisores políticos na próxima legislatura europeia.

Hipersuper

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), a Asociación Española de Distribuidores, Autoservicios y Supermercados (ASEDAS) e a Asociación Nacional de Grandes Empresas de Distribución (ANGED) lançaram um manifesto com as prioridades do setor da distribuição que devem ser tidas em conta pelos decisores políticos na próxima legislatura europeia.

A poucos dias das eleições para o Parlamento Europeu, que se realizam a 9 de junho, as associações signatárias apelam a um maior diálogo dos atores políticos europeus com este setor, que “está no centro da economia europeia e do bem-estar dos cidadãos deste território”, sendo um dos 14 ecossistemas estratégicos definidos pela Comissão Europeia na sua proposta de reforma da política industrial europeia.

“É o elo de ligação entre fabricantes e 450 milhões de consumidores, o maior empregador do setor privado na Europa – 26 milhões de pessoas -, gera 10% do PIB da União Europeia, com mais de 99% das cinco milhões de empresas retalhistas e grossistas na Europa a serem Pequenas e Médias Empresas (PME)”, destacam.

O aumento dos preços da energia e dos combustíveis, constrangimentos no transporte internacional, impactos decorrentes de conflitos armados, escassez de matérias-primas e inflação são os principais desafios apontados ao setor pelas associações signatárias do manifesto.

A estes, acrescentam “um verdadeiro ‘tsunami’ regulatório, com mais de 3.000 normas regulamentares em constante evolução e alteração, que aumentou consideravelmente os custos de funcionamento das empresas”.

A partir deste cenário, APED, ASEDAS e ANGED apontam a necessidade de serem criadas novas soluções e maior flexibilidade na regulamentação laboral para responder às novas necessidades do mundo do trabalho e aos novos estilos de vida e necessidades dos consumidores.

Defendem ainda uma regulamentação que garanta segurança jurídica e um ambiente empresarial estável, que assegure condições de concorrência e acesso a um mercado que permita o desenvolvimento dos seus modelos de negócio.

E apelam a que o quadro regulamentar garanta a segurança alimentar em todas as circunstâncias, relações comerciais estáveis na cadeia, utilização de tecnologias que reforcem a segurança dos estabelecimentos comerciais e deem uma garantia da qualidade dos produtos e a rotulagem adequada, aliada ao combate ao desperdício alimentar.

“Perante um mercado cada vez mais globalizado e que permite que comerciantes de países terceiros obtenham uma vantagem competitiva sobre empresas da União Europeia, os signatários defendem a necessidade de estabelecer condições de concorrência equitativas entre as empresas europeias e os operadores internacionais, bem como garantir um level playing field, com as mesmas regras para todos os operadores, independentemente de operarem em ambiente físicos ou digitais”, alertam ainda.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Missão Continente doou em 2023 mais de 360 mil euros através do projeto Sacos Solidários

No total, desde o início do projeto, em 2021, já foram angariados, com a ajuda dos consumidores, mais de 810 mil euros através da venda de mais de 1,5 milhões de sacos.

Hipersuper

Em 2023, a Missão Continente doou mais de 360 mil euros, através do projeto ‘Sacos Solidários’, a 20 instituições que atuam em áreas vitais como apoio à infância e juventude, o apoio animal, organizações internacionais, a diversidade e inclusão e o combate à fome, pela venda de 721 165 sacos. No total, desde o início do projeto, em 2021, já foram angariados, com a ajuda dos consumidores, mais de 810 mil euros através da venda de mais de 1,5 milhões de sacos.

A Missão Continente realizou esta terça-feira a entrega simbólica do valor angariado em 2023, entregues a 20 instituições, que totalizaram um apoio de 360 582,50 euros.

As 20 instituições apoiadas são: o Movimento Transformers, a Obra do Frei Gil, a CrescerSer, a Casa S. Francisco Assis, a PRAVI, a Liga Port, a Direitos Animal, a Associação Animais de Rua, a Animalife, a UNICEF, a Um pequeno gesto, a Hope for fulanis, a The Big Hand, o Espaço T, a Corações com Coroa, o Teatro do Vão, a Associação Salvador, a Refood, a Comunidade Vida e Paz, a Porta Solidária e as Cáritas Paroquial Matriz Portimão.

“O projeto ‘Sacos Solidários’ é um símbolo do compromisso contínuo da Missão Continente com o bem-estar das nossas comunidades. Através da colaboração dos nossos clientes e parceiros, conseguimos alcançar resultados incríveis e continuar a construir um futuro mais solidário e sustentável. Estamos muito satisfeitos com o impacto positivo que esta iniciativa tem tido e estamos entusiasmados por continuar a trabalhar em conjunto para fazer a diferença na vida de muitas pessoas.”, sublinha Rita Barrocas, coordenadora de responsabilidade social do Continente.

Durante o evento de divulgação dos resultados da edição anterior, foi ainda apresentada a nova coleção dos ‘Sacos Solidários’ para 2024. A edição deste traz novos temas e parcerias, reafirmando o compromisso da Missão Continente com a construção de um mundo mais solidário e sustentável. Os temas selecionados para esta edição incluem a Saúde Mental, o Acesso a Cuidados e Bens Essenciais, a Educação e o Envelhecimento Ativo. Estas áreas foram identificadas como prioritárias durante a Sessão Plenária do Conselho Estratégico da Missão Continente de 2022.

A Saúde Mental continua a ser uma área de foco para a Missão Continente, com apoios a instituições como a ASMAL, a CAPITI, o Centro Dr. João dos Santos e o Gondomar Social. O objetivo é promover o bem-estar psicológico e combater estigmas associados a esta área.

No âmbito do Acesso a Cuidados e Bens Essenciais, a Missão Continente colaborará com a Associação Cais, Associação Crescer, a Associação Just a Change e a Misericórdia de Gaia, garantindo que todos possam viver com dignidade e segurança.

Para a área da Educação, a Missão Continente apoia instituições como a Academia Johnson Semedo, a ADCE, o Grupo Social de Sto. Agostinho e a Santa Casa da Misericórdia de Cascais, assegurando oportunidades educacionais de qualidade para todas as crianças.

O Envelhecimento Ativo será promovido através de parcerias com a Pedalar sem Idade Portugal, o Centro Cultural e Social de Sto. Adrião, o Centro Paroquial da Mexilhoeira Grande e o Centro Social Paroquial de Sta. Margarida de Abrã, garantindo um envelhecimento com dignidade e vitalidade.

Os sacos solidários, disponíveis por 1,50€ nas lojas Continente, Continente Modelo e Continente Bom Dia, destinam-se a apoiar causas sociais considerados relevantes e fraturantes, revertendo 0,50€ por cada saco vendido para as instituições parceiras.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Hipersuper. Todos os direitos reservados.