Edição digital
PUB
Bebidas

Nuno Santos, CEO da Enoport: “Estamos a liderar a criação de um cluster do espumante de Bucelas”

Há cinco anos, a Enoport descobriu as virtudes de Bucelas para produzir espumantes com denominação de origem, feitos a a partir da casta estrela desta região demarcada há 111 anos. Hoje, a empresa lidera um grupo de produtores que pretende fundar um cluster do espumante da região conhecida como a capital do Arinto, disse Nuno Santos, CEO da Enoport, ao Hipersuper, numa entrevista onde conta a história e fala sobre os planos da empresa para as marcas Quinta do Boição e Caves Velhas

Rita Gonçalves
Bebidas

Nuno Santos, CEO da Enoport: “Estamos a liderar a criação de um cluster do espumante de Bucelas”

Há cinco anos, a Enoport descobriu as virtudes de Bucelas para produzir espumantes com denominação de origem, feitos a a partir da casta estrela desta região demarcada há 111 anos. Hoje, a empresa lidera um grupo de produtores que pretende fundar um cluster do espumante da região conhecida como a capital do Arinto, disse Nuno Santos, CEO da Enoport, ao Hipersuper, numa entrevista onde conta a história e fala sobre os planos da empresa para as marcas Quinta do Boição e Caves Velhas

Rita Gonçalves
Sobre o autor
Rita Gonçalves
Artigos relacionados
Concurso televisivo Mistura Beirão quer revolucionar a arte de fazer bebidas em Portugal
Bebidas
Periquita renova imagem e aposta em nova campanha
Bebidas
45% dos consumidores dizem que o seu poder de compra diminuiu
Consumo
7ª edição do UVVA celebra vinhos verdes e gastronomia em Amarante
Bebidas
“Temos que apostar mais nas marcas portuguesas”
Entrevista
Pedro Pimentel, diretor geral da Centromarca
Empresas europeias familiares de café apelam à prorrogação do prazo de implementação do EUDR
Bebidas
Grupo vimaranense Cães de Pedra adquire a Giovanni Galli
Não Alimentar
Ringana lança novos produtos solares
Não Alimentar
Conde de Vinhó apresenta três novos produtos biológicos
Alimentar
Conde de Vinhó lançou em Santarém três novos produtos biológicos: Queijeta Bio, Kefir Bio e Queijo de Cabra Bio.
Continente com nova campanha de apoio à nossa seleção
Retalho

Há cinco anos, a Enoport descobriu as virtudes de Bucelas para produzir espumantes com denominação de origem, feitos a a partir da casta estrela desta região demarcada há 111 anos. Hoje, a empresa lidera um grupo de produtores que pretende fundar um cluster do espumante da região conhecida como a capital do Arinto, disse Nuno Santos, CEO da Enoport, ao Hipersuper, numa entrevista onde conta a história e fala sobre os planos da empresa para as marcas Quinta do Boição e Caves Velhas.

Quando é que a Enoport começou a produzir vinho na região demarcada de Bucelas?

PUB

Há duas histórias que se cruzam. A história das Caves Velhas e a da Enoport. São histórias que não começaram em conjunto, mas tornam-se comuns a partir de determinada altura.

Mas, vou um pouco atrás para contar que Bucelas é uma região produtora de vinho há mais de dois mil anos, desde o tempo dos romanos. Terão sido os esquadrões de defesa dos romanos colocados no sul da Alemanha, na altura conhecida por Germânia, que trouxeram a vinha para cá. Tanto que durante muito tempo discutiu-se a semelhança entre as castas Arinto e Riesling. Estes soldados vinham garantir a segurança dos silos de cereais e eram conhecidos por bucelários. É, por isso, que esta zona se chama Bucelas.

Quando chegaram, os bucelários plantaram vinha com as castas que trouxeram, nomeadamente a Riesling, que muito provavelmente não se chamava assim na altura, casta que acabou por derivar naquilo que hoje chamamos Arinto. Hoje, Bucelas é a capital do Arinto, porque é aqui que há maior diversidade de clones de Arinto. Bucelas terá sido a origem da casta Arinto em Portugal. Penso que é a casta portuguesa mais nobre para vinhos brancos.

Nesse sentido, a casta Arinto não é portuguesa uma vez que tem descendência internacional?

Em bom rigor, Portugal não existia há dois mil anos e o Arinto já cá estava quando o país nasceu. Dizer que é portuguesa pode ser um bocadinho um abuso de linguagem. Somos todos do mundo. Já tudo existia antes de nós cá estarmos.

Aquilo que sabemos é que o DNA da casta Arinto não se encontra noutras regiões como aqui e que é uma casta autóctone portuguesa, atualmente espalhada por todo o país. Embora seja aqui que se encontra uma grande diversidade e o expoente máximo de produção.

Enoport_Caves VelhasVoltando à história, os vinhos de Bucelas fizeram as delícias de algumas cortes europeias.

Há cerca de 100/150 anos, os vinhos de Bucelas eram muito afamados. Durante as invasões francesas, por exemplo, quando os ingleses vieram para nos ajudar, provaram os vinhos, gostaram e levaram-nos para Inglaterra. Lá eram muito apreciados e comparados aos vinhos alemães feitos com a casta Riesling. Os ingleses diziam que havia o Riesling alemão e o Riesling português, quando na verdade os vinhos de Bucelas eram feitos de Arinto. O vinho foi ganhando a sua fama e foi até retratado por poetas portugueses nas suas obras.

Entretanto, a região de Bucelas foi demarcada.

A partir de 1908, depois do Douro, começa uma segunda vaga de delimitações de denominações de origem em Portugal e Bucelas recebeu o estatuto, mas não chegou ser homologado por motivos desconhecidos que coincidem com o fim da monarquia e a instauração da República. Nessa altura, receberam o estatuto as regiões do Dão, Vinhos Verdes e Península de Setúbal. Bucelas acabou por ser oficialmente uma área demarcada para a produção de vinho em 1911.

Concretamente entre 1908 e 1911, a região foi demarcada, ou seja, estabeleceu-se a delimitação territorial, as condições de produção, definiram-se as castas, as quantidades a produzir, os blends autorizados, as tipologias de vinho a fazer. Por exemplo, só em 2000 passou a ser possível fazer espumante DOP Bucelas.

Mais ou menos nessa altura, um cavalheiro desta zona, João Camilo Alves, que tinha o ofício de barbeiro, juntou-se ao cunhado, abandonou a profissão, e dedicou-se à compra e venda de vinho de Bucelas.

O fundador da Caves Velhas?

Exatamente. O negócio correu bem e, dez anos depois, comprou terra e passou a ser produtor de vinho também. Comprou várias propriedades, que vieram a tornar-se património das Caves Velhas, mas já não foi no tempo dele. No ano em que a Caves Velhas foi comprada, ele faleceu.

João Camilo Alves fundou a empresa e a também a marca Caves Velhas?

Sim, a marca foi criada nessa altura. Os dois sócios compraram uma sociedade que se chamava Caves da Amadora, converteram-na em Caves Velhas, Companhia Portuguesa de Vinhos de Marca, e criam a marca Caves Velhas. Até então, os vinhos da empresa Camilo Alves eram vendidos com a marca Camilo Alves ou sem marca.

Negociava-se em barril e em garrafão?

Sim, os vinhos iam praticamente em semi-granel para Lisboa, para as colónias e outros mercados no exterior.

Os dois sócios começam, entretanto, a trabalhar o conceito de marca Caves Velhas, a respeitar a lógica de regiões, diversificando a produção para outras regiões.

O negócio floresce já sob os comandos do filho de João Camilo Alves e, numa segunda fase, com os netos. E assim é até à década de 1970, altura em que a Central de Cervejas toma uma posição dentro da empresa.

Foi uma conjugação de vontades. Por um lado, a família queria ver rentabilizado o investimento que tinha na empresa, por outro, a Central de Cervejas encontrou neste negócio uma oportunidade para lançar as bases da sua atividade em Portugal. Isto porque nas décadas de 1950 e 1960, consumia-se pouca cerveja, não era um conceito enraizado, mas o vinho, sim, e não havia uma forma melhor de entrar no mercado do que através dos canais de vinho.

Enoport2A Central de Cervejas chegou a deter a totalidade do capital?

Sim, foi percebendo que o negócio tinha interesse e foi reforçando a sua posição até uma altura em que era detentora da quase totalidade das ações e das quotas das sociedades Camilo Alves e Caves Velhas. Depois do 25 de abril, a Central de Cervejas foi nacionalizada. Passado uns anos sobre a sua privatização, resolvem separar os negócios da cerveja e do vinho e colocam a empresa no mercado. E é aqui que se cruza o destino da Caves Velhas e o da Enoport.

Em 2011?

Sim, em 2011, a Enoport, empresa com ADN 100% de vinho, entra no capital da Caves Velhas. Já trabalhávamos vinho a granel e vinhos engarrafados, tínhamos as Caves Dom Teodósio, pelo que era uma aquisição lógica. A Camilo Alves e a D. Teodósio trabalham e disputavam mercados muito similares. Fizemos um trabalho interessante de mudar o mindset de cada uma das empresas porque não optámos pela fusão imediata. As empresas mantiveram-se separadas e sem a designação da Enoport até que, em 2006, vieram novas empresas de vinhos para a esfera familiar, como as Caves Acácio e as Caves Monteiro, por exemplo, que eram empresas de dimensão mais pequenas, mas que traziam o apport do vinho verde.

Quando é que se juntam todas as empresas sob a alçada da Enoport?

Como, entretanto, já existiam muitas empresas juridicamente autónomas, com estruturas produtivas e comerciais independentes, tornou-se inviável a gestão e é aí que, em 2005, nasce a Enoport, juntando tudo sob a égide desde nova marca. Começámos a construção da marca Enoport sem esquecer o reforço da notoriedade das marcas individuais de cada uma das empresas. Apagou-se um pouco o nome das empresas e ficou a Enoport e as suas marcas. A Caves Velhas deixou de ser uma empresa e passou a ser uma marca, a Camilo Alves também, a título de exemplo.

Como é que a Quinta do Boição entra na esfera da Enoport?

Grande parte do património agrícola que João Camilo Alves e seus filhos e netos foram comprando (diria que quase todas as grandes propriedades da zona de Bucelas pertenceram à família Camilo Alves, como a Quinta da Romeira, a Quinta do Avelar ou a Quinta das Burgas), foram saíndo da esfera da família.

Enoport1Sabe porque é que foram desinvestindo nas propriedades?

Se calhar, pela mesma razão que resolveram vender uma parte da empresa à Central de Cervejas. As famílias iam crescendo e queriam tirar algum proveito da empresa alienando património agrícola. A partir de determinada altura, a própria Central de Cervejas incentivou isso. As adegas Camilo Alves e Caves Velhas viram-se em determinado momento sem propriedades de renome de produção de vinho. Compravam uva, vinho já feito, tinham algumas vinhas dispersas que ainda hoje cultivamos, mas uma quinta delimitada com uma marca, uma centralidade bem definida e uma adega a funcionar não tinham.

No final de 1989, a Enoport compra a Quinta do Boição e inicia-se um projeto de reconversão da propriedade que tinha uma adega muito rudimentar.

A adega onde hoje são produzidos os vinhos de Bucelas?

Assim, embora hoje reúna um conjunto de novos ingredientes – é esteticamente agradável, está muito bem arrumada e tem uma história para contar. A adega como a vemos hoje é de 2006.

A Enoport investe na adega e na reconversão das vinhas, num processo onde se perdeu património vitícola, especialmente vinhas velhas e castas especiais que hoje não se conseguem encontrar. Foi possível resgatar e manter algum património que tentamos potenciar.

O registo da marca é de 1995 e o primeiro engarrafamento é feito com a colheita de 1997. Correu muito bem e funcionou como um incentivo para fazer mais e melhor vinho e lançar produtos complementares.

Então, em 2016, modernizaram a adega.

Sim, aumentamos a área de produção e a capacidade de envelhecimento de vinho em barrica. Há algumas pessoas a quem faz confusão a ideia de haver vinhos brancos com estágio em barrica, mas há porque nós gostamos de vinhos fermentados em madeira e o Arinto tem uma plasticidade fantástica. Conseguimos fazer vinhos novos brutalmente aromáticos que são uma bomba de energia e vivacidade quando são novos, mas, depois, à medida que os vinhos vão passando pelo tempo, ganham complexidade e maturidade, e percebe-se que ainda são melhores do que os novos.

Então, se conseguirmos o estágio em madeira que ainda adiciona mais complexidade, aromas e sabores, conseguimos desde vinhos novos, antigos, espumantes, licorosos e tranquilos com bons resultados, em maus e bons anos agrícolas.

A região de Bucelas tem potencial para aumentar a produção de vinho?

Bucelas é atualmente uma categoria bem posicionada no mercado, mas representa um nicho de mercado. A região não tem grandes condições para crescer. Pode produzir mais, sim, mas geograficamente não vai aumentar. Será sempre uma microrregião – e é das regiões mais pequenas em Portugal com Denominação de Origem Protegida – muito centrada no vinho branco e muito apoiada na casta Arinto. Se juntarmos isto tudo, isto dá uma tipicidade ao vinho que posiciona os vinhos num patamar superior.

A Enoport encontrou em Bucelas uma grande oportunidade para crescer e representa atualmente cerca de 65% das vendas da região, com as marcas Caves Velhas e Quinta do Boição.

O que é que fizemos? Começámos a virar os nossos holofotes para o produto, para o vinho em si e não tanto para a organização, as marcas, o posicionamento de mercado. Como se faz melhor aquilo que já achamos bom? Que inovação podemos dar ao mercado? Então, fizemos latest harvest com bons resultados, fizemos licorosos e espumantes. É aliás graças às Caves Velhas que hoje existe a DOP de Bucelas para espumante.

O espumante de Bucelas é um capítulo recente da história da Enoport?

Fomos os precursores da produção de espumante em Bucelas, uma bebida que identificamos hoje como um potencial enorme de desenvolvimento. As vendas de espumante estão a crescer quer no mercado nacional quer internacional.

Repare que, entre 2006 e 2008, ainda não tínhamos percebido o potencial dos espumantes da região, porque os estávamos a colocar no mercado demasiado novos, até que (às vezes estas coisas não são tão pensadas como parecem) houve um ano em que produzimos demais, não se conseguiu vender a totalidade e ficou um ano, dois anos, e foi ficando.

Um dia alguém se lembrou de provar algum desse vinho, algum engarrafado há dez anos segundo o método tradicional utilizado em Champagne, e foi surpreendente. Percebemos que estávamos a anos-luz do nível qualitativo que achávamos que já tinha.

E percebemos que temos aqui uma pérola. Afinal, Bucelas não só faz vinhos tranquilos novos bons, e antigos fantásticos, como também é capaz de fazer o mesmo em espumantes. Isto é uma coisa relativamente recente estamos a falar de quatro, cinco anos.

Enoport0Pelas suas palavras, parece uma grande aposta para o futuro?

Tanto assim é que decidimos apoiar a criação de um cluster de espumantes de Bucelas. Dir-me-á, mas há espumantes em todo o lado. É verdade, mas numa microrregião, tão próxima de Lisboa, com este nível qualitativo, e juntando a fama de Bucelas, não existem mais casos destes em Portugal.

Conseguimos sentar os produtores à mesa e criar uma associação de defesa dos produtores de Bucelas. Um dos cadernos de encargos desta associação, além da promoção do vinho, divulgação da DOP e da proteção dos sistemas de produção, passa pelo desenvolvimento do cluster do espumante.
Estamos a conseguir convencer vários colegas e achamos que tem um potencial extraordinário. Acreditamos que, com o estágio indicado e feitos com a casta Arinto, os nossos espumantes ombreiam com champanhes. E este não é um conceito aspiracional já ouvimos provadores nacionais e internacionais.

Está a aumentar a produção de espumante na região?

E Enoport está a aumentar muito. Neste momento, devemos ter 50 mil garrafas em cave. Porque o nosso conceito de espumante de qualidade tem de ter estágio em garrafa. Como sabe, os espumantes fermentam na garrafa e para ter o designativo de reserva têm de estar determinado tempo dentro da garrafa. Temos espumantes que vão para o mercado com dez anos, porque a bebida valoriza dentro da garrafa.

Vão lançar algumas dessas especialidades este ano?

Sim, a marca Quinta do Boição celebra 15 anos em 2023 e para assinalar a data lançámos uma trilogia de espumante feitos essencialmente à base de Arinto, um 100% Arinto, outro que combina Arinto com Chadonnay e ainda um rosé que resulta de um blend de Arinto com a casta autóctone Camarate. São espumantes muito distintos e surpreendentes. Demos a provar aos produtores da região que ficaram surpreendidos e mostram interesse em apostar em espumantes envelhecidos. Até porque do ponto de vista da rentabilidade é uma aposta segura, os vinhos e espumantes de Bucelas posicionam-se num segmento de qualidade superior.

Quinta do BoiçãoQual a área de vinha da Quinta do Boição?

A Quinta do Boição tem cerca de 30 hectares de vinha. Temos ainda algumas parcelas que darão uma área de terreno de 45 hectares, 36 hectares com vinha. Para produzir mais, temos de aumentar as áreas sobre o nosso cultivo, é isso que estamos a fazer, assim como a plantar mais vinhas, sobretudo com a casta Arinto, a nossa aposta forte.

O vinho é todo feito na adega da Quinta do Boição?

Sim, apesar de não ser uma adega nova, tem o que é preciso numa adega de vinificação de brancos: controlo de temperatura exemplar e meios para não fazer o vinho à pressa. Temos aqui maturações que duram um mês e meio, por exemplo.

Qual foi a produção da última campanha?

Produzimos no ano passado 140 mil litros, o que não é muito.

A quebra de produção vinho que o país registou também se verificou em Bucelas?

O ano passado foi atípico, embora não haja anos iguais, porque a região em termos médios é estável em termos produtivos. Registou-se uma quebra de produção e, como não conseguimos produzir todo o vinho que queríamos, compramos uva a outros produtores locais para tentar compensar, porque temos de dar resposta a um

crescimento que estamos a sentir quer no segmento de vinho quer no segmento de espumante. Não temos alternativa se não aumentar a área de vinha.

Para esses planos de crescimento, planeiam aumentar a capacidade da adega?

É quase uma inevitabilidade. Não queremos comprometer o tempo de produção dos vinhos e temos de fazer crescer a adega.

O projeto de investimento da Quinta do Boição passa por desenvolver o negócio dos espumantes e continuar a colocar vinhos num patamar superior de qualidade cada vez mais elevado no mercado. Não vamos conseguir aumentar extraordinariamente as quantidades, porque a área da propriedade é limitada, talvez possa crescer até 25% em termos produtivos e de área de plantação, mas é um processo que passa pela aquisição de terreno e plantação de nova vinha e vai demorar algum tempo. A lógica a curto prazo é aproveitar os stocks e aumentar os negócios do vinho e espumante em paralelo.
No caso da Caves Velhas, que comercializa os seus vinhos com as marcas Caves Velhas e Bucelas, socorre-se das outras propriedades que temos e se for necessário vai ao mercado comprar vinho na região.

Enport1Quanto representa a região em vendas?

Em litros, a região terá certificado 170 mil litros no ano passado, uma gota de água se comparado com a região de Lisboa. Bucelas é uma das denominações de origem de Lisboa. Produz 100 milhões de litros, 70 milhões dos quais certificados. A Enoport representa cerca de 70% da venda anual da região.

E em valor?

O negócio de Bucelas representa para a Enoport entre 300 e 400 mil euros.

Fale-me um pouco dos lançamentos que vão fazer este ano.

Estamos a ponderar o lançamento de uma aguardente da casta Arinto DOP e temos em curso um projeto para lançar um vinho por ano que consiste também numa trilogia de arintos: um vinho novo frutado e floral, um vinho fermentado com as películas rico em aromas e sabores complexos, e um arinto tradicional, nem jovem nem pelicular, feito com pouca madeira. A ideia é transmitir as várias vertentes que o arinto pode ter. Considero que Bucelas nos seus 111 anos de denominação de origem está com mais vivacidade do que nunca.

Quais os canais de distribuição das marcas que produzem em Bucelas?

A Caves Velhas, uma marca mais democrática, está presente na generalidade dos canais de distribuição em Portugal, nas grandes superfícies e cash&carrys, através da marca Caves Velhas ou da submarca Bucelas.

Já os vinhos da Quinta do Boição, que se posicionam num patamar superior em qualidade e preço, são vendidos em garrafeiras, em feiras de vinho ou outras mais especializadas, em alguns supermercados, nomeadamente aqueles que tratam a garrafeira de uma forma mais diferenciada, mas essencialmente no horeca e canal online.

EnoportTambém comercializam em alguns mercados internacionais.

Sim, os néctares da região de Bucelas têm bastante aceitação a nível internacional. A Enoport vende vinhos brancos em Inglaterra, Brasil e EUA. Os mercados anglo-saxónicos e latinos mostram mais disposição para o consumo de vinho branco. Em Angola, onde temos uma subsidiária, vendemos as marcas Caves Velhas, Bucelas e Quinta do Boição.

A Quinta do Boição exporta cerca de 65% da produção e o resto fica no mercado nacional.

A quota de mercado terá tendência a aumentar com o crescimento do negócio do espumante?

Penso que não, porque o espumante de Bucelas ainda é pouco conhecido lá fora, vai ser mais fácil colocar em Portugal para convencer os consumidores portugueses e depois, sim, iniciar a exportação. Com o crescimento dos espumantes haverá um maior equilíbrio entre o que fica em Portugal e o que é exportado.

A marca Caves Velhas é ao contrário, são vinhos com menor diferenciação e que se posicionam num patamar inferior de preço, são mais adaptados ao mercado nacional. Cerca de 70% das vendas são feitas em Portugal.

Como é que prevê que o negócio de espumante impacte o volume de negócios da Quinta do Boição?

Vai crescer seguramente. Porque o patamar médio de preço do espumante é superior ao dos vinhos tranquilos. Vai subir o patamar de preço médio da marca.

*Entrevista originalmente publicada na edição 412

Sobre o autorRita Gonçalves

Rita Gonçalves

Artigos relacionados
Concurso televisivo Mistura Beirão quer revolucionar a arte de fazer bebidas em Portugal
Bebidas
Periquita renova imagem e aposta em nova campanha
Bebidas
45% dos consumidores dizem que o seu poder de compra diminuiu
Consumo
7ª edição do UVVA celebra vinhos verdes e gastronomia em Amarante
Bebidas
Pedro Pimentel, diretor geral da Centromarca
“Temos que apostar mais nas marcas portuguesas”
Entrevista
Empresas europeias familiares de café apelam à prorrogação do prazo de implementação do EUDR
Bebidas
Grupo vimaranense Cães de Pedra adquire a Giovanni Galli
Não Alimentar
Ringana lança novos produtos solares
Não Alimentar
Conde de Vinhó lançou em Santarém três novos produtos biológicos: Queijeta Bio, Kefir Bio e Queijo de Cabra Bio.
Conde de Vinhó apresenta três novos produtos biológicos
Alimentar
Continente com nova campanha de apoio à nossa seleção
Retalho
PUB
Alimentar

Salutem celebra 70 anos com nova identidade

Com o lema ‘Para a vida toda’, o novo logótipo da Salutem é baseado numa fonte da década de 50, data do nascimento da marca, acompanhado de uma linha, a linha do legado.

Hipersuper

A Salutem celebra este mês 70 anos, com o lançamento de uma nova identidade, “que reflete o orgulho no seu percurso e uma nova abordagem mais ajustada ao consumidor atual e aos desafios da sociedade moderna, democratizando o acesso a uma alimentação equilibrada”, apresenta a marca portuguesa de produtos saudáveis e dietéticos.

Com o lema ‘Para a vida toda’, o novo logótipo é baseado numa fonte da década de 50, data do nascimento da marca, acompanhado de uma linha, a linha do legado, “que representa o apoio da marca em todos e em qualquer momento, promovendo uma vida mais equilibrada”.

Esta nova aposta incorpora, ainda, a produção de embalagens mais ecológicas, com uma redução de 15% no uso de plástico em algumas das gamas.

“Este vai ser um dos momentos mais marcantes da marca. Sabemos que a alimentação é um dos pilares da longevidade e que existe uma grande pressão nas pessoas em relação à alimentação. O papel da Salutem vai ser determinante, pois tem como ambição ajudar, simplificar e retirar essa pressão. Há inclusivamente uma mudança do tom de voz da marca: leve e descontraído e com algum humor”, refere Catarina Batalha, diretora de marketing da Salutem.

Desde as suas primeiras farinhas à base de soja, a marca expandiu a variedade de opções alimentares, tendo atualmente cerca de 400 produtos no seu portefólio, produtos integrais, sem glúten, sem açúcar e biológicos. De entre estes, destacam-se as granolas e outros cereais, tortitas de milho e arroz sem glúten e outras bolachas, barras, chás, proteínas vegetais, sementes, farinhas, bem como vários ingredientes e suplementos.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Faturação da ElPozo Alimentación cresce 8,5%

A El Pozo Alimentación, que celebra este ano o seu 70º aniversário, fechou o exercício de 2023 com uma faturação de 1.804,3 milhões de euros, um crescimento de 8,5% face […]

Hipersuper
tagsElPozo

A El Pozo Alimentación, que celebra este ano o seu 70º aniversário, fechou o exercício de 2023 com uma faturação de 1.804,3 milhões de euros, um crescimento de 8,5% face ao ano anterior. Esta evolução resulta do posicionamento de marca e da inovação em produtos de elevado valor acrescentado, refere a empresa em comunicado.

A El Pozo Alimentación refere que investiu 76,5 milhões de euros, tanto em ativos tangíveis quanto intangíveis e  tem concentrado os seus esforços na investigação, formação e desenvolvimento dos seus produtos e marca.
Segundo a empresa, entre os lançamentos mais importantes estão a linha +Proteínas ElPozo Bienstar, com produtos fatiados e semicozidos ricos em proteínas, um segmento em crescimento, a La Croquetería, uma gama de empanados gourmet e a marca ElPozo KING UPP,  anunciada como a proposta mais jovem e inovadora da empresa.

Renovação

A marca ElPozo renovou a sua imagem com o rebranding da sua linha mais artesanal, ElPozo 1954, incluindo um novo logótipo, designs, formatos e uma nova campanha de comunicação com a banda murciana Viva Suecia. A lista de embaixadores da empresa, que já incluía o tenista Carlos Alcaraz, foi ampliada com José Coronado para o Legado Ibérico e Olga Carmona para a ElPozo Bienstar.

A empresa, integrada na holding Grupo Fuertes,  lembra que realizou vários projetos de infraestruturas, entre os quais se destacam a implementação de uma unidade de biotecnologia, a construção de um parque fotovoltaico para autoconsumo elétrico e a criação de um novo centro de congelação de carne.

Exportação

A ElPozo, que encerrou o exercício de 2023 com uma equipa média de 5.159 pessoas, está presente em mais de 80 países e tem como objetivo continuar a aumentar a sua quota de exportações, consolidando a sua presença nas áreas geográficas com mais potencial, tendo alcançado este ano um volume de negócios no estrangeiro de cerca de 20 por cento da sua faturação.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Bebidas

Douro Wine City celebra o melhor da região vinícola demarcada mais antiga do mundo

O melhor da região vai estar em prova no Douro Wine City até 10 de junho, no Auditório Municipal (AUDIR), no Peso da Régua. O evento, que celebra o vinho da região vinícola demarcada mais antiga do mundo, é organizado pelo município do Peso da Régua, com produção Essência Company.

Hipersuper

O melhor da região vai estar em prova no Douro Wine City até 10 de junho, no Auditório Municipal (AUDIR), no Peso da Régua. O evento, que celebra o vinho da região vinícola demarcada mais antiga do mundo, é organizado pelo município do Peso da Régua, com produção Essência Company.

O programa, que se iniciou esta sexta-feira, convida o público a participar em showcookings de conceituados chefes de cozinha, degustações, e a aprofundar conhecimentos nas ‘Conversas sobre o Vinho’, com Manuel Moreira, sommelier e crítico de vinhos, bem como nas provas de mais de uma centena de produtores de vinho e de produtos regionais presentes no evento.

Criando momentos de partilha e experiência, os diversos showcookings serão realizados nos dias 8, 9 e 10 de junho, às 19h, começando, no sábado, dia 8 de junho, com o chef André Carmo, restaurante Val Moreira, Hotel Vila Galé Douro Vineyards, secundado no dia 9 de junho por Maria do Céu, doceira da região e no dia 10 de junho, com a apresentação do chef Carlos Pires, da The Wine House, Quinta da Pacheca.

No sábado, 8 de junho, a primeira ‘Conversa sobre o Vinho’ mostrará como ‘Duas centenas de castas, algumas são o pilar dos mais prestigiados vinhos do Douro’, às 17h30, e na segunda conversa, às 19h, Manuel Moreira mostrará como ‘O Vinho do Porto Tawny, uma combinação de arte e sensibilidade à prova do tempo’.

No domingo, dia 9 de junho, o convite será ‘Se adora vinho e acha que não sabe provar? Não se acanhe e venha daí’, às 17h30, e o público será convidado por uma viagem na segunda Conversa sobre o Vinho ‘Montanha, vales, encostas, xisto, planaltos, tudo isto é Douro! Tudo isto é Terroir! Descubra alguns vinhos de terroir!’, às 19h.

No Dia de Portugal, segunda-feira, 10 de junho, a conversa gira em torno de ‘A altitude dos vinhos do Douro, descobrir o que os torna únicos’, às 17h30, e a segunda, às 19h, afirma que ‘Douro é origem de grandes vinhos! Os detalhes que fazem a diferença!’.

O evento é de entrada livre, com o horário da restauração e animação a funcionar entre as 16h e as 24h, já os expositores funcionarão entre as 16h e as 20h. A participação nas Conversas Sobre o Vinho e nos Showcooking têm lugares limitados, com inscrição no local.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Panificadora Costa & Ferreira lança Pão de Forma de Milho com Grãos Germinados

A Panificadora Costa & Ferreira acaba de lançar o novo Pão de Forma de Milho com Grãos Germinados, de 530g que já está disponível nas lojas Pingo Doce. Rico em fibra […]

Hipersuper

A Panificadora Costa & Ferreira acaba de lançar o novo Pão de Forma de Milho com Grãos Germinados, de 530g que já está disponível nas lojas Pingo Doce.

Rico em fibra e, por isso, uma ótima opção para uma alimentação equilibrada, este novo pão é fabricado com ingredientes de alta qualidade, a partir de uma combinação de farinhas de milho, trigo e centeio. Tem um toque especial graças à adição de grãos germinados, que facilitam a digestão e são uma boa fonte de proteínas, vitaminas e minerais, apresenta a Panificadora Costa & Ferreira que amplia o seu portfólio de produtos, após o incêndio sofrido no início de abril que destruiu parte da fábrica, situada no Alto da Serra, em Rio Maior.

Em formato retangular e à semelhança dos outros produtos da produtora portuguesa, também esta novidade é produzida com matérias-primas nacionais e sem adição de corantes e conservantes, sendo 100% natural e clean label.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Nobre

Nobre

Alimentar

Nobre lança Fatias Vegetarianas com sabor a Frango

A Nobre acaba de apresentar ao mercado uma nova aposta na gama Nobre Vegalia: as Fatias Vegetarianas com sabor a Frango são a mais recente novidade neste segmento e vêm […]

Hipersuper

A Nobre acaba de apresentar ao mercado uma nova aposta na gama Nobre Vegalia: as Fatias Vegetarianas com sabor a Frango são a mais recente novidade neste segmento e vêm reforçar a oferta de produtos para os consumidores que procuram ter uma alimentação diversificada.

Os portugueses têm assim uma nova alternativa deliciosa de origem vegetal com alto teor de proteína e de fibra. Uma opção que pode ser integrada em diferentes momentos e refeições, com todo o sabor a frango, mas com 0% de carne, sublinha a marca.

“Sabemos que há uma procura crescente pelos produtos com proteína de base vegetal, confirmando a preocupação dos portugueses com uma alimentação mais diversa e equilibrada. É por isso que, enquanto marca que procura estar nas mesas de todos os portugueses, vamos continuar a investir na inovação de forma a apresentar soluções que respondam às necessidades de todos. Continuamos empenhados em reforçar as nossas ofertas vegetarianas, mantendo a qualidade que nos distingue e o sabor que cativa os consumidores, desde sempre”, sublinha Lia Oliveira, diretora de marketing e comunicação externa da Nobre, em comunicado.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Knorr com nova campanha

Cândido Costa é o protagonista da nova campanha da marca Knorr. O ex-internacional português estreia-se como cantor e cozinheiro com a ajuda do “caldinho”. “Knorr revê-se na atitude e letra […]

Hipersuper
Alimentar

Lulas Limpas Pescanova 450g numa embalagem “prática para as famílias”

A Pescanova apresenta as Lulas Limpas 450g numa embalagem “prática para as famílias portuguesas”. As lulas, pertencentes à família dos cefalópodes, são amplamente apreciadas na gastronomia portuguesa e oferecem inúmeras […]

Hipersuper

A Pescanova apresenta as Lulas Limpas 450g numa embalagem “prática para as famílias portuguesas”.

As lulas, pertencentes à família dos cefalópodes, são amplamente apreciadas na gastronomia portuguesa e oferecem inúmeras possibilidades culinárias, desde entradas a pratos principais.

As lulas limpas da Pescanova vêm limpas e prontas a cozinhar, embaladas a vácuo e ultracongeladas rapidamente. “Ricas em proteínas, minerais e vitaminas do complexo B”, as lulas limpas são apresentadas ainda como um produto “baixo em gordura, tornando-se uma excelente opção para quem procura manter uma dieta equilibrada e nutritiva”.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Bebidas

ECO lança nova garrafa reutilizável de 0.65L

A ECO acaba de lançar a sua nova garrafa reutilizável de 0.65L. A cantora Carolina Deslandes foi escolhida para dar a conhecer esta novidade fazendo, não o seu unboxing, mas sim […]

Hipersuper
tagseco

A ECO acaba de lançar a sua nova garrafa reutilizável de 0.65L.

A cantora Carolina Deslandes foi escolhida para dar a conhecer esta novidade fazendo, não o seu unboxing, mas sim o seu unbottling. De uma forma divertida e descontraída, apresenta todos os formatos – do garrafão de 6L, às garrafas de 3L e de 1.5L – até chegar à nova garrafa de 0.65L, “mais pequena e prática para levar para todo o lado e, porque é reutilizável e enchida nas Fontes ECO, mais leve para o Planeta”.

A nova garrafa reutilizável ECO veio reforçar o portefólio da marca, no seguimento de vários pedidos de clientes por um formato mais pequeno e fácil de transportar, acrescenta a marca.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

FMCG

Plataforma da Central de Cervejas utiliza IA para atender clientes 24 horas por dia

A Novadis, empresa de comercialização e distribuição da Central de Cervejas e Bebidas (SCC), acaba de disponibilizar para todos os seus clientes em Portugal o eazle, um portal e app de e-commerce B2B com recurso a inteligência artificial,

Hipersuper

A Novadis, empresa de comercialização e distribuição da Central de Cervejas e Bebidas (SCC), acaba de disponibilizar aos seus clientes em Portugal o eazle, um portal e app de e-commerce B2B com recurso a inteligência artificial, que possibilita aos clientes do canal horeca, o acesso a diversos serviços e funcionalidades 24h/7dias.

Desenvolvido pelo grupo Heineken, do qual a Central de Cervejas faz parte, o eazle “tem foco na digitalização na interação com os clientes e recorre à inteligência artificial para facilitar o seu quotidiano, melhorando a eficiência operacional”, explica a SCC. O eazle é já uma das maiores plataformas de e-commerce do mundo e tem como objetivo elevar a experiência de compra dos clientes e aumentar a competitividade no mercado.

Iniciado em 2023, o projeto da plataforma já alcançou “mais de 12.000 clientes do horeca em Portugal, com as vendas online a representarem mais de metade da faturação total da Novadis”, informa a SCC, acrescentando que a meta para 2024 é aumentar o número de clientes com acesso a este novo canal.

Obter informação sobre o negócio, de forma imediata e autónoma, ter acesso ao portfólio atualizado de marcas e produtos, colocar e acompanhar encomendas, consultar preços, promoções e a conta corrente são algumas das funcionalidades que a nova plataforma oferece, 24h por dia, sete dias por semana, no portal ou através da app.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

FMCG

Nivea reforça compromisso com a sustentabilidade

No âmbito do Dia Mundial do Ambiente, a Nivea fortalece o seu compromisso com a preservação ambiental e a responsabilidade social. Em 2024, a marca recriou a icónica lata azul […]

Hipersuper

No âmbito do Dia Mundial do Ambiente, a Nivea fortalece o seu compromisso com a preservação ambiental e a responsabilidade social.

Em 2024, a marca recriou a icónica lata azul de Nivea Creme, tornando-a numa embalagem mais sustentável. Composta por 80% de alumínio reciclado, a nova embalagem representa um marco na jornada sustentável NIVEA.

A marca da Beiersdorf  também reconhece a importância de proteger os oceanos. Todos os protetores solares têm uma fórmula que respeita os oceanos, livre de Filtros UV Octinoxate, Oxybenzone e Octocrylene.

Desde 2020, a Beiersdorf comprometeu-se a reduzir as emissões de CO2 em 30% até 2025, já tendo alcançado uma redução de 17% até o final de 2022. Essa redução foi obtida através de colaborações com fornecedores e melhorias em fórmulas e embalagens de produtos.

Care Beyond Skin Day reforça compromisso

Em 2023, a Beiersdorf reforçou o compromisso a sustentabilidade a partir da inauguração do Care Beyond Skin Day. Este projeto representa um dia de voluntariado global, com a finalidade de promover o compromisso de agenda de sustentabilidade da empresa a nível social e ambiental.

Ao longo do dia, mais de 20 mil colaboradores, situados em qualquer parte do mundo, participaram em atividades voluntárias, em parceria com organizações não governamentais locais.
Em Portugal, a Beiersdorf promoveu uma ação de voluntariado de limpeza de praias na Lagoa de Óbidos, com o apoio da Ocean Patrol, uma iniciativa que envolveu um total de 65 colaboradores e a recolha de 104 kg de lixo.

O compromisso da empresa com a sustentabilidade foi reconhecido pelo Carbon Disclosure Project (CDP) com a classificação “Triplo-A”, devido ao esforço e apoio na proteção do clima, água e florestas, sendo uma das 13 empresas no mundo a receber essa distinção em 2023.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2023 Hipersuper. Todos os direitos reservados.