Edição digital
PUB
Distribuição

Como o retalho alimentar está a valorizar a produção nacional

Grandes impulsionadores da produção nacional, supermercados e hipermercados, ano após ano, compram mais produtos nacionais. Aldi, Auchan, Continente, Coviran, Intermarché, Lidl, makro Portugal, Mercadona, Minipreço e Pingo Doce sublinham a […]

Ana Rita Almeida
Distribuição

Como o retalho alimentar está a valorizar a produção nacional

Grandes impulsionadores da produção nacional, supermercados e hipermercados, ano após ano, compram mais produtos nacionais. Aldi, Auchan, Continente, Coviran, Intermarché, Lidl, makro Portugal, Mercadona, Minipreço e Pingo Doce sublinham a […]

Sobre o autor
Ana Rita Almeida
Artigos relacionados
Cerveja Sagres brinda ao verão com nova campanha
Bebidas
Compal da Horta cria site ‘Conservas sem rodeios’ para valorizar as conservas em lata
Alimentar
Madeirense Ana Camacho vence a primeira edição de “Mistura Beirão”
Bebidas
Mistura Beirão
Inflação leva consumidores a planear poupar nos saldos de verão
Retalho
Grupo Boticário reforça presença em Portugal com o primeiro Boticário LAB fora do Brasil
Retalho
O Boticário Lab
Gonçalo Coelho de Carvalho é o novo diretor comercial e de marketing da Adico
Não Alimentar
Digidelta investe 3,4 milhões na fábrica Decal 4.0 em Torres Novas
Não Alimentar
Bom Petisco com novidade: posta de atum em molho de escabeche
Alimentar
Bom Petisco continua a apostar na inovação
Porto vai receber a XVII Reunião Mundial de Direito Aduaneiro
Logística
Azeite aumenta 51% num ano
Alimentar

Grandes impulsionadores da produção nacional, supermercados e hipermercados, ano após ano, compram mais produtos nacionais. Aldi, Auchan, Continente, Coviran, Intermarché, Lidl, makro Portugal, Mercadona, Minipreço e Pingo Doce sublinham a importância desta ligação.

É inegável a aposta que as várias insígnias fazem para promover a produção nacional nos seus pontos de venda. A preocupação com a sustentabilidade, a economia local e um forte apelo à portugalidade e ao consumo em produtos nacionais, claramente reforçado em tempos de crise e de pandemia, têm ganho força e impulsionado a produção nacional.

PUB
Daniel da Silva, managing director category management da ALDI Portugal, e Filipa Rebelo Pinto, diretora de produto da Auchan Portugal

Daniel da Silva, managing director category management da ALDI Portugal, e Filipa Rebelo Pinto, diretora de produto da Auchan Portugal

Daniel da Silva, managing director category management da ALDI Portugal, não tem dúvidas: “o apoio aos produtores e fornecedores nacionais é uma das nossas prioridades. Desde o momento em que começámos a apostar em Portugal, que temos procurado investir na evolução e inovação do nosso sortido, principalmente nas nossas marcas próprias e na oferta de produtos de origem nacional. Privilegiamos os fornecedores nacionais em várias categorias, como é o caso das frutas e legumes, carne e pão fresco, produtos de charcutaria tradicional, queijos e lacticínios que, na sua maioria, já são de origem portuguesa”.

Filipa Rebelo Pinto, diretora de produto da Auchan Portugal, também enaltece a relação sólida com parceiros locais e o longo compromisso na promoção de produtos nacionais. “Nas nossas lojas valorizamos a relação sólida com parceiros locais, apostando na maior oferta de produtos regionais, contribuindo para o desenvolvimento da Região, porque queremos contribuir ativamente para a comunidade das regiões onde temos lojas. Neste sentido, temos uma longa história de compromisso com a promoção de produtos nacionais e, em especial, com o desenvolvimento sustentável da economia local, sendo o apoio aos produtores locais uma das nossas prioridades. Como Militantes do Bom, São e Local, trabalhamos há mais de 25 anos com pequenos produtores, cuja produção está a cerca de 50 km de cada uma das nossas lojas” refere ao Hipersuper.

Continente e Coviran
Ondina Afonso, presidente do Clube de Produtores Continente, e Acácio Santana, Diretor Geral da Coviran Portugal

“A qualidade dos produtos e a preocupação pelo meio ambiente são sempre uma constante. Procuramos, por isso, incentivar e apoiar um uso eficiente de recursos naturais. Por exemplo, até ao momento há 13 produtores certificados e 25 em processo de Certificação Resíduo Zero. Deste modo a oferta de Frutas e Legumes nacionais é livre de resíduos de pesticidas no momento da colheita (segundo Regulamento Europeu 396/2005 e inferior ao limite quantificável de 0,01 ppm). Promovemos um menor consumo energético, menores emissões e maior controlo sobre aspetos microbiológicos. Estas são questões-chave no que respeita à segurança alimentar e integração com o meio ambiente, garantindo a sustentabilidade de todo o sistema agrícola” sublinha Ondina Afonso, presidente do Clube de Produtores Continente, que compra a 267 produtores que representam setores tão diferentes como o talho e a peixaria, as frutas e legumes, a charcutaria, os queijos e os produtos lácteos, a padaria e a pastelaria, take away, azeite, arroz, leguminosas, mel e compotas, pasta e patés, farinhas, congelados, ovos e vinhos.

Também a Coviran aposta na produção nacional. “Desde o início da nossa operação em Portugal, que decidimos ser uma empresa portuguesa para os portugueses ainda que de origem espanhola. Esteve sempre claro que não seriamos um operador espanhol a vender em Portugal. A nível de Marca de Fabricante sempre trabalhámos com as grandes empresas com marcas portuguesas e mesmo com as grandes multinacionais, sempre fizemos as compras às filiais portuguesas, ou seja, sempre compras feitas em território nacional. (…) Em 2023 manteremos esta tendência e estamos atualmente a desenvolver cerca de 60 novos produtos Coviran com fornecedores portugueses” sublinha Acácio Santana, Diretor Geral da Coviran Portugal.

Dia e Intermarché

Helena Guedes, diretora comercial da Dia Portugal, e Rui Pereira, administrador do Intermarché

Também o grupo Dia e a sua marca Minipreço aposta na produção nacional nas cerca de 500 lojas em Portugal. “Não podia deixar de destacar que 45% dos produtos Dia são marca própria, cujas matérias-primas tais como lacticínios, cereais, produtos agrícolas e outros frescos provêm destes fornecedores nacionais, de norte a sul do país. Temos vindo a realizar um trabalho intenso com a nossa rede de parceiros nacionais para lançar mais produtos produzidos em Portugal, introduzindo nas várias categoriais de produtos de marca própria este ativo indispensável para as famílias que servimos diariamente” afirma Helena Guedes, diretora comercial da Dia Portugal.

O apoio do Intermarché à produção nacional é algo que tem vindo a ser feito nos últimos 20 anos e que a insígnia pretende continuar a promover. “A título de exemplo, em 2022, o Intermarché aumentou o seu volume de compras à produção nacional em cerca de 2,7 mil toneladas, traduzindo-se num crescimento de 3% face a 2021. O volume de compras a produtores nacionais de frutas e legumes foi de 49 mil toneladas, o de carne situou-se na ordem das 38 mil toneladas e o de peixe em 5 mil toneladas. Para 2023 perspetiva-se um aumento no volume de compras à produção nacional em cerca de 4,6 mil toneladas, traduzindo-se num crescimento de 5% face a 2022” diz Rui Pereira, administrador do Intermarché.

Lidl e Makro

Alexandra Borges, diretora geral de compras, Lidl Portugal, e Filipe Mendes, head of offer da Makro Portugal

Ao longo dos últimos anos, o Lidl também tem mantido o seu compromisso de sempre: valorizar e apoiar a produção nacional “De facto, mesmo em contextos mais adversos como a pandemia, fizemos questão de manter a via da exportação, ajudando os nossos parceiros a manter os seus canais de fornecimento, ao mesmo tempo que impulsionámos a produção nacional para os vários mercados onde estamos presentes, ajudando-os nesta fase difícil. O nosso histórico de exportação vem de 2014, com parceiros como a Portugal Fresh, promovendo a Portugalidade” confirma Alexandra Borges, diretora geral de compras, Lidl Portugal, ao Hipersuper.

Na makro Portugal, a aposta na produção nacional já é de longa data. “Fazemo-lo por diversos motivos: por uma questão de promoção da portugalidade, por ser um veículo de promoção das economias locais e de cadeias de abastecimento mais sustentáveis e, naturalmente, por sabermos que os produtos portugueses têm garantia de uma excelente qualidade” diz Filipe Mendes, head of offer da Makro Portugal.

Mercadona e Pingo Doce

Pedro Barraco, diretor cadeia agroalimentar da Mercadona, e Filipe Canas da Silva, diretor comercial do Pingo Doce

“Ainda antes de abrirmos as primeiras lojas em Portugal, já colaborávamos com fornecedores portugueses, e tem sido esta confiança na produção nacional que permite uma maior frescura dos nossos produtos e, consequentemente, mais qualidade” começa por dizer Pedro Barraco, diretor cadeia agroalimentar da Mercadona. “Ao apostar no setor nacional a empresa compromete-se a assegurar, não só agora, mas desde sempre, a previsibilidade e estabilidade dos seus contratos, num relacionamento baseado na transparência e no compromisso, e sobretudo, numa relação de longo prazo. Assinámos também, em 2021, um acordo de colaboração com a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) com o objetivo claro de uma aposta na promoção e modernização do setor, impulsionando a produção nacional, pois é o trabalho realizado em conjunto com o setor primário que permite à empresa criar um projeto comum, fruto do desenvolvimento da Cadeia Agroalimentar Sustentável” reforça.

“Levar a casa dos portugueses o melhor da produção nacional tem sido o compromisso do Pingo Doce desce sempre e que tem crescido de ano para ano: 80% das nossas compras são feitas a fornecedores nacionais”. Filipe Canas da Silva, diretor comercial do Pingo Doce, não tem dúvidas: “temos reforçado o nosso apoio à produção nacional com diversas campanhas e sensibilizando os consumidores para a importância de consumir produtos nacionais de acordo com a sazonalidade”.

Excerto de um artigo publicado na edição 413 do Hipersuper

Sobre o autorAna Rita Almeida

Ana Rita Almeida

Artigos relacionados
Cerveja Sagres brinda ao verão com nova campanha
Bebidas
Compal da Horta cria site ‘Conservas sem rodeios’ para valorizar as conservas em lata
Alimentar
Mistura Beirão
Madeirense Ana Camacho vence a primeira edição de “Mistura Beirão”
Bebidas
Inflação leva consumidores a planear poupar nos saldos de verão
Retalho
O Boticário Lab
Grupo Boticário reforça presença em Portugal com o primeiro Boticário LAB fora do Brasil
Retalho
Gonçalo Coelho de Carvalho é o novo diretor comercial e de marketing da Adico
Não Alimentar
Digidelta investe 3,4 milhões na fábrica Decal 4.0 em Torres Novas
Não Alimentar
Bom Petisco continua a apostar na inovação
Bom Petisco com novidade: posta de atum em molho de escabeche
Alimentar
Porto vai receber a XVII Reunião Mundial de Direito Aduaneiro
Logística
Azeite aumenta 51% num ano
Alimentar
Distribuição

Leia a edição 424

João Melo, diretor-geral do Meu Super, está em destaque na edição 424 do Hipersuper. Em entrevista ao nosso jornal partilha as estratégias que têm levado ao crescimento e expansão da […]

Hipersuper
tags424

João Melo, diretor-geral do Meu Super, está em destaque na edição 424 do Hipersuper. Em entrevista ao nosso jornal partilha as estratégias que têm levado ao crescimento e expansão da cadeia de supermercados Meu Super, que se tornou uma referência quando falamos de proximidade.

Nesta edição pode também ler uma entrevista com a diretora executiva da ACIBEB. Ana Isabel Alves fala sobre o impacto socioeconómico do setor do vinho em Portugal, que gera 168 mil empregos e contribui significativamente para as receitas fiscais do país. A entrevista aborda ainda as políticas de preço, a importância da PAC e as novas tendências de consumo.

Estivemos na apresentação da Cofidis Portugal que revelou as conclusões do estudo europeu que analisa os hábitos de compra e pagamento dos consumidores. Carla Monteiro, responsável comercial da CofidisPay, destaca os principais resultados desse estudo fala sobre os objetivos e valores que a empresa continuará a defender.

A Missão Continente apresentou o Relatório de Impacto Social, que demonstra o compromisso da marca com a inclusão social, saúde e educação. Mais de 11 mil pessoas foram beneficiadas através de diversos projetos, mostrando a importância da transparência e do envolvimento comunitário. Fomos falar com Nádia Reis, diretora de comunicação e responsabilidade social do Continente, que sublinha: a transparência é mesmo “pedra basilar, é estrutura central naquilo que é a atuação da Missão Continente”.

Nesta edição de junho leia também a entrevista com Leonor Assunção, brand manager da marca Nacional do Grupo Cerealis, que destaca o papel significativo da marca no grupo e como tem equilibrado a sua herança com a necessidade de inovação para se manter relevante num mercado em constante mudança.

Esta edição, inclui também com um artigo sobre as bebidas de verão que combinam sabor, conveniência e responsabilidade ambiental, refletindo as mudanças nos hábitos de consumo e a crescente preocupação com a sustentabilidade. Escrevemos ainda sobre a importância das conservas no verão, enfatizando a conveniência e a praticidade desses produtos e a importância dos molhos e condimentos, especialmente em saladas e grelhados.

Também estivemos na presentação das tendências de consumo nos setores da panificação, pastelaria e chocolate para 2024, com foco em sustentabilidade, saúde e inovação. O estudo “Taste Tomorrow” identifica as preferências dos consumidores por produtos naturais, saudáveis e sustentáveis​​.

Fomos ouvir Bruno Borges, CEO da iServices, que fala sobre a evolução da empresa, os planos de expansão e as tendências no setor de tecnologia e Gonçalo Morais Tristão, presidente do CEPAAL, que entrevistamos, na sequência do 7º Congresso Nacional do Azeite. O responsável aponta a criação de mais valor à produção nacional como um dos grandes desafios do setor e a questão da água como um grande obstáculo.

Pode ler ainda como as alterações ao estilo de consumo moldam inovação nas águas e os artigos de opinião de Emanuele Soncin, business unit director de Portugal, Espanha e França da Checkpoint Systems, Sara Monte e Freitas partner da Monte e Freitas | ERA Group, Filipe Luz head of sales strategy & team performance da CEGOC, Vitor Ribeiro Gomes, CEO da Pendular e Patrícia Martins, consultora industrial na Bosch Industry Consulting e a análise de César Valencoso Consumer Insights Director da Kantar sobre  as Oito regras para uma inovação bem sucedida no Grande Consumo.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Intermarché volta a marcar presença na Feira Nacional de Agricultura

O Intermarché volta a marcar presença na Feira Nacional de Agricultura, a decorrer até 16 de junho, no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém. Este ano, […]

Hipersuper

O Intermarché volta a marcar presença na Feira Nacional de Agricultura, a decorrer até 16 de junho, no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém. Este ano, a feira tem como tema a “Exploração Extensiva” e o Intermarché apresenta um stand renovado para receber todos os visitantes.

Durante a Feira, estão a ser realizadas provas de vinhos da marca Seleção de Enófilos, que proporcionarão aos visitantes a oportunidade de conhecer a qualidade e diversidade dos vinhos selecionados pelo Intermarché com a presença DE especialistas que presentes para esclarecer dúvidas e proporcionar uma experiência enriquecedora todos os dias pelas 18 horas.

Haverá ainda degustações dos produtos da marca PorSi, conduzidas pelos próprios produtores, permitindo aos visitantes conhecer a origem e os métodos de produção dos produtos Programa Origens.

O Programa Origens, iniciativa destinada a promover a produção nacional, terá um papel de destaque durante este evento. O Intermarché irá oferecer frutas provenientes de produção nacional, com o objetivo de promover os produtos locais e reforçar o compromisso do Intermarché com a sustentabilidade e o apoio aos produtores nacionais, avança a insígnia alimentar do Grupo os Mosqueteiros em comunicado.

 

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Auchan reforça compromisso com a proteção dos oceanos e junta-se à campanha da MSC

“Na Auchan, a sustentabilidade é um pilar estratégico e, por isso, aliamos a qualidade dos nossos produtos à necessidade de preservação do planeta.” destaca Rita Cruz, diretora de responsabilidade corporativa ambiental e social da Auchan Retail.

Hipersuper

A Auchan reforça a sua visão 2032 – Alimentar uma Vida Melhor e Preservar o Planeta – e junta-se à campanha da Marine Stewardship Council (MSC) que tem como mote ‘A Pesca Sustentável significa mais peixes’.

Com um compromisso assumido com a sustentabilidade, a Auchan assume, desde 2009,  uma política de comércio sustentável de pescado destacando-se dois compromissos da retalhista: a diminuição, suspensão ou cessação da comercialização das espécies que se identifiquem ameaçadas, tal como fez, em 2008, com todas as espécies de tubarão ameaçadas, tornando-se, assim, na primeira insígnia de distribuição internacional a implementar esta medida de resposta à situação de sobrevivência deste peixe emblemático; e, privilegiar a oferta de produtos provenientes de pesca sustentável ou com menor grau de risco para a biodiversidade. Exemplo disso são o Bacalhau Produção Controlada Auchan comercializado desde 2019 e a Pescada Congelada Auchan, ambos com uma certificação MSC, exemplifica a retalhista.

“Na Auchan, a sustentabilidade é um pilar estratégico e, por isso, aliamos a qualidade dos nossos produtos à necessidade de preservação do planeta. Já temos uma oferta de produtos da nossa marca com certificação por parte de entidades com quem colaboramos na procura por alimentos que promovam uma vida melhor para os nossos clientes. A campanha da MSC, em defesa dos nossos oceanos e da pesca sustentável, está muito alinhada com os nossos objetivos e, por isso, fez todo sentido podermos juntar-nos a esta causa”, explica Rita Cruz, diretora de responsabilidade corporativa ambiental e social da Auchan Retail.

“No MSC, valorizamos e apreciamos enormemente o apoio da Auchan Retail pela pesca sustentável e pelo trabalho que a nossa organização está a fazer em Portugal. Estamos convencidos de que, graças ao apoio de retalhistas como a Auchan Retail a iniciativas como o Dia Mundial dos Oceanos, avançamos para uma maior consciencialização da sustentabilidade do mar e dos seus produtos na sociedade em geral”, afirma Laura Rodríguez, diretora da MSC Portugal e Espanha.

Para assinalar e promover a preocupação com os oceanos, a MSC lançou uma campanha, que estará no ar até ao final de junho, e que pretende destacar o impacto positivo da pesca sustentável na preservação da vida marinha. Assim, na Auchan, existe uma seleção de produtos que têm o selo de certificação da MSC, que atestam a origem, confiança, credibilidade e manuseamento de peixes selvagens e outros produtos de mar.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

Distribuição

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

O atual diretor-geral da Fnac Portugal, Nuno Luz, foi nomeado diretor-geral da Fnac Ibéria – Portugal e Espanha –, cargo que assumiu no início deste mês. Nuno Luz passa, assim, a integrar o […]

Hipersuper

O atual diretor-geral da Fnac Portugal, Nuno Luz, foi nomeado diretor-geral da Fnac Ibéria – Portugal e Espanha –, cargo que assumiu no início deste mês. Nuno Luz passa, assim, a integrar o Comité Executivo do Grupo Fnac Darty e irá reportar diretamente ao CEO do Grupo Fnac Darty, Enrique Martinez.

Por sua vez, Domingo Guillén Figuerola, atual diretor de vendas omnical da Fnac Espanha, assumirá as funções de diretor-geral da Fnac Espanha, sucedendo a Annabel Chaussat, que ocupa a posição até 15 de junho de 2024. Domingo Guillén Figuerola ficará sob a responsabilidade hierárquica de Nuno Luz.

Nuno Luz iniciou o seu percurso na Fnac Portugal como diretor comercial, em maio de 2016, e assumiu a direção geral da empresa em outubro de 2017. Sob a sua liderança, a Fnac consolidou o seu crescimento e desenvolvimento de forma sustentada, impulsionados pela abertura de novas lojas FNAC e Nature & Découvertes, pela aquisição da PC Clinic e pelo aumento da venda de serviços. Recentemente, encabeçou, com sucesso, a operação de aquisição da MediaMarkt, em Portugal. 

É de recordar que o mercado ibérico é um mercado estratégico para o Grupo Fnac Darty, tendo registado 732 milhões de euros de vendas, em 2023. Na Península Ibérica, o Grupo conta com 88 lojas do universo Fnac.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

El Corte Inglés e To Be Green celebram parceria para dar nova vida aos têxteis usados

O El Corte Inglés e a To Be Green, spin-off da Universidade do Minho, celebraram uma parceria para, a partir de roupa usada e recolhida nas lojas El Corte Inglés […]

Hipersuper

O El Corte Inglés e a To Be Green, spin-off da Universidade do Minho, celebraram uma parceria para, a partir de roupa usada e recolhida nas lojas El Corte Inglés de Lisboa e Vila Nova de Gaia, produzir 300 novos artigos com o têxtil reciclado, dando-lhe uma segunda vida.

Os clientes podem agora deixar as suas roupas e outros têxteis num contentor próprio para o efeito, que se encontra no Espaço Resíduo 0, no piso -1 nos Grandes Armazéns de Lisboa e de Vila Nova de Gaia, informa a retalhista.

No âmbito deste projeto, a Universidade do Minho e o El Corte Inglés criaram um Concurso de Eco Design, dirigido aos alunos do último ano de licenciatura do Curso de Design e Marketing de Moda com o objetivo de encontrar a melhor proposta de design para a produção de aventais com o têxtil reciclado que, no futuro, serão utilizados pelas equipas de restauração do El Corte Inglés.

O projeto inclui ainda o fabrico de mantas a partir dos fios dos têxteis recolhidos, que serão depois entregues a várias instituições IPSS parceiras do El Corte Inglés. Para desenvolver esta componente do projeto e a sua implementação, participam também o CITEVE, como centro tecnológico e de investigação e várias empresas da Setor Têxtil e Vestuário (STV) portuguesas.

Este é o terceiro projeto de Economia Circular criado pelo El Corte Inglés. Em 2022 lançou a “É uma Cerveja”, uma cerveja artesanal feita a partir das sobras de pão dos Supermercados do El Corte Inglés e que está à venda também nos Supermercados e nos restaurantes da Associação CRESCER, que se dedica à empregabilidade de pessoas em situação de sem-abrigo. Parte das receitas reverte para a associação.

No ano seguinte, o El Corte Inglés lançou o “É um Gelado” em parceria com a gelataria Nannarella, que criou um sorvete feito a partir das frutas “menos bonitas” dos Supermercados El Corte Inglés. Também este produto está à venda no El Corte Inglés e Nanarella e parte das receitas reverte para a Associação CRESCER.

“Para o El Corte Inglés é um grande passo e um motivo de grande orgulho este novo projecto. Tem sido feito um investimento em projectos de economia circular que promovam o combate ao desperdício alimentar mas ainda estávamos a estudar a melhor forma de apresentar aos nossos clientes uma oportunidade de se desfazerem das suas roupas com a garantia de que teriam o melhor destino. Esta é a nossa proposta e com ela assumimos o compromisso de dar uma nova vida aos têxteis que nos forem confiados”, explica Vasco Marques Pinto, da área de responsabilidade social corporativa do El Corte Inglés.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Gestão de pessoas é o maior desafio para as lideranças de organizações cada vez mais dependentes da tecnologia

Estudo da consultora QSP, organizadora do QSP SUMMIT, realizado a propósito da 17ª edição do evento, que vai decorrer de 2 a 4 de julho de 2024, no Porto – Matosinhos, com o mote ‘Rethinking Organizations’

BrandSHARE
  • Modelos de educação e formação desajustados face às necessidades das organizações são um dos principais problemas identificados pelos profissionais do tecido empresarial.
  • Principais desafios para a gestão está nas pessoas, seja pela dificuldade de engagement dos colaboradores, seja pela de retenção de talento nas empresas.
  • Reconhecimento e valorização dos colaboradores (63,7%), comunicação aberta e transparente (52,6%), e uma liderança inspiradora (50,4%) são as três características consideradas mais importantes na gestão das organizações.
  • Gestores valorizam as pessoas, mas reconhecem a importância da tecnologia para o sucesso das organizações. A inteligência artificial (AI) será a tecnologia com maior impacto na gestão organizacional.

Quais são os principais desafios para o futuro empresarial? Como é que as organizações se estão a adaptar? E como é que os colaboradores sentem estas mudanças nas empresas onde trabalham? A QSP – Marketing Management & Research procurou responder a estas e outras questões, através de um estudo realizado no âmbito do lançamento de mais uma edição do QSP SUMMIT, junto de profissionais do tecido empresarial, sobretudo quadros médios e superiores, que partilham a sua visão sobre as mudanças e desafios inerentes ao mundo empresarial.

Para a grande maioria dos gestores que partilharam a sua visão sobre o mundo empresarial neste estudo, as pessoas assumem-se como o principal desafio de gestão. Tanto pela dificuldade de incutir uma cultura organizacional e o engagement dos colaboradores (apontada 60% dos inquiridos), como pela dificuldade de atrair e reter profissionais qualificados nos seus quadros (53,3%), uma preocupação com grande relevância para as organizações já que estes são cada vez mais escassos. 77% dos profissionais consideram os modelos de educação e formação atuais desajustados face às necessidades das organizações. Em contraponto, apenas 14,1% consideram ajustados, com os restantes 8,9% a não saberem.

Pedro Carneiro, Head of Marketing Research da QSP, entidade organizadora do QSP SUMMIT, refere que “estes valores demonstram que há um claro desconforto com os modelos educacionais atuais e uma vontade de reformulação de forma a corresponder melhor às necessidades das organizações, seja pela prioridade dada ao conteúdo teórico em detrimento do saber fazer, pela desconsideração das soft skills, ou mesmo pela pouca ligação ao mundo empresarial, como os resultados do estudo indicam. Os desafios que as organizações enfrentam, num ambiente de concorrência feroz e em constante mutação leva a que, principalmente os gestores de topo, sintam que os recém-formados devam estar mais preparados para as dinâmicas do mundo empresarial ”.

A agilidade na adaptação às mudanças do mercado, outro dos muitos temas debatidos ao longo dos três dias da edição deste ano do QSP SUMMIT, que decorre de 2 a 4 de julho, surge como o terceiro maior desafio atual da gestão (52,6%) para os inquiridos do estudo.

Valorizam colaboradores, mas falta investimento na diversidade e na sustentabilidade

Quais são as três características consideradas mais importantes na gestão das organizações? Os profissionais inquiridos destacam o reconhecimento e valorização dos colaboradores (63,7%), a comunicação aberta e transparente (52,6%), a liderança inspiradora (50,4%) e a agilidade organizacional (35,6%). A QSP procurou então perceber se estas características são promovidas nas organizações e percebe-se que em 25,2%, 20%, 22,3% e 26,7% dos casos, respetivamente, são pouco ou nada promovidas.

Embora assumam a valorização dos colaboradores como um fator importante na gestão, os inquiridos dão pouca relevância à inclusão, diversidade e equidade dentro das organizações. É vista como a característica mais importante na gestão das organizações por apenas 11,9% dos profissionais, sendo pouco ou nada promovida por 20,8% dos inquiridos do estudo realizado pela QSP.

Também a responsabilidade social e a sustentabilidade merecem pouco destaque pelos gestores. É destacada por apenas 20%, mas também há 23,7% que referem não ser promovida internamente nas organizações onde trabalham. Nos casos em que efetivamente há uma promoção, ainda que moderada, da sustentabilidade e responsabilidade social (76,3%), as iniciativas mais referidas como prioritárias em termos de responsabilidade social corporativa são a ética nos negócios (59,2%), a transparência (49,5%), a redução do impacto ambiental (48,5%) e a promoção da diversidade e inclusão (39,8%).

Para além da tecnologia, as pessoas são o centro da mudança

O estudo realizado pela QSP revela que 97,8% dos profissionais consideram a inovação essencial para o sucesso das organizações e 85,2% defendem que a tecnologia está a impactar positivamente a forma como as organizações operam. Nos próximos anos, espera-se que a inteligência artificial (AI) seja a tecnologia com maior impacto na gestão organizacional segundo 83% dos inquiridos. E, embora 18,8% não discriminem, espera-se que tanto a inteligência artificial generativa (57,1%), como a preditiva (50,9%) venham a ter um impacto significativo. Pedro Carneiro realça que “tratando-se de temas pouco difundidos no léxico dos portugueses, é natural haver alguma confusão nos conceitos do que é AI generativa e AI preditiva, porém fica claro que a inteligência artificial marcará o futuro da gestão organizacional”.

Há também 63% que acreditam que a Big Data e a análise de dados venha a ser a tecnologia com mais impacto no futuro a curto/médio prazo e 40,7% que apontam a automação. Outras tecnologias, como a Internet of Things (21,5%), a blockchain (14,1%), a realidade aumentada e virtual (9,6%) e o metaverso (8,9%) também são referidas.

No entanto, nem todas as empresas parecem estar preparadas para a mudança. 16,3% dos profissionais indicam que a sua organização tem uma capacidade baixa, ou até muito baixa, de adaptação à mudança e 43% veem a sua organização com uma capacidade moderada. No prisma oposto, 40,7% acreditam que a sua organização tem uma capacidade de adaptação à mudança elevada ou até muito elevada.

O estudo da QSP indica ainda que, atualmente, o foco no cliente e nas necessidades do mercado parece ser a estratégia prioritária da maioria das empresas, no entanto os inquiridos acreditam que, embora isso seja muito importante, o foco deveria estar principalmente no desenvolvimento de habilidades e competências dos colaboradores e também na flexibilidade organizacional e agilidade na tomada de decisões. O investimento em tecnologia e inovação, embora seja indicado por 33,3% dos profissionais como área prioritária atual nas suas empresas, deveria ser prioritária para 46,7%, demonstrando que ainda há um longo caminho a percorrer e que o investimento em tecnologia e inovação ainda não é o suficiente.

Para Pedro Carneiro, “mais uma vez, e ainda que o investimento em tecnologia e inovação seja visto como muito relevante e uma realidade cada vez mais premente para as organizações, os profissionais destacam o desenvolvimento de habilidades e competências dos colaboradores, demonstrando que, hoje, as pessoas continuam a estar no centro das organizações e a preocupação maior do tecido empresarial passa por garantir quadros valiosos e preparados para as mudanças que se adivinham”.

Rethinking Organizations

Os resultados do estudo realizado pela QSP – Marketing Management & Research, realizado junto de mais de 130 profissionais do tecido empresarial, permitiram fazer uma primeira análise sobre a temática do evento, explorando o cenário evolutivo do mundo empresarial e as estratégias que vêm a reformular as organizações como as conhecemos.

A 17ª edição do QSP SUMMIT, que vai decorrer de 02 a 04 de julho de 2024, no Porto – Matosinhos, será o palco para o debate e a partilha de conhecimento. Sob o tema ‘Rethinking Organizations’, mais de três mil e quinhentos participantes terão a oportunidade de ouvir durante os três dias do evento mais de 90 oradores a debater sobre as tendências da dinâmica organizacional e como as empresas estão a adaptar-se para enfrentar os desafios do mundo atual.

Mais informações podem ser consultadas no website oficial do evento http://www.qspsummit.pt/.

 

Sobre o autorBrandSHARE

BrandSHARE

Distribuição

Associações de Portugal e Espanha pedem maior reconhecimento do setor da distribuição na Europa

APED, ASEDAS e ANGED lançaram um manifesto com as prioridades do setor da distribuição que devem ser tidas em conta pelos decisores políticos na próxima legislatura europeia.

Hipersuper

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), a Asociación Española de Distribuidores, Autoservicios y Supermercados (ASEDAS) e a Asociación Nacional de Grandes Empresas de Distribución (ANGED) lançaram um manifesto com as prioridades do setor da distribuição que devem ser tidas em conta pelos decisores políticos na próxima legislatura europeia.

A poucos dias das eleições para o Parlamento Europeu, que se realizam a 9 de junho, as associações signatárias apelam a um maior diálogo dos atores políticos europeus com este setor, que “está no centro da economia europeia e do bem-estar dos cidadãos deste território”, sendo um dos 14 ecossistemas estratégicos definidos pela Comissão Europeia na sua proposta de reforma da política industrial europeia.

“É o elo de ligação entre fabricantes e 450 milhões de consumidores, o maior empregador do setor privado na Europa – 26 milhões de pessoas -, gera 10% do PIB da União Europeia, com mais de 99% das cinco milhões de empresas retalhistas e grossistas na Europa a serem Pequenas e Médias Empresas (PME)”, destacam.

O aumento dos preços da energia e dos combustíveis, constrangimentos no transporte internacional, impactos decorrentes de conflitos armados, escassez de matérias-primas e inflação são os principais desafios apontados ao setor pelas associações signatárias do manifesto.

A estes, acrescentam “um verdadeiro ‘tsunami’ regulatório, com mais de 3.000 normas regulamentares em constante evolução e alteração, que aumentou consideravelmente os custos de funcionamento das empresas”.

A partir deste cenário, APED, ASEDAS e ANGED apontam a necessidade de serem criadas novas soluções e maior flexibilidade na regulamentação laboral para responder às novas necessidades do mundo do trabalho e aos novos estilos de vida e necessidades dos consumidores.

Defendem ainda uma regulamentação que garanta segurança jurídica e um ambiente empresarial estável, que assegure condições de concorrência e acesso a um mercado que permita o desenvolvimento dos seus modelos de negócio.

E apelam a que o quadro regulamentar garanta a segurança alimentar em todas as circunstâncias, relações comerciais estáveis na cadeia, utilização de tecnologias que reforcem a segurança dos estabelecimentos comerciais e deem uma garantia da qualidade dos produtos e a rotulagem adequada, aliada ao combate ao desperdício alimentar.

“Perante um mercado cada vez mais globalizado e que permite que comerciantes de países terceiros obtenham uma vantagem competitiva sobre empresas da União Europeia, os signatários defendem a necessidade de estabelecer condições de concorrência equitativas entre as empresas europeias e os operadores internacionais, bem como garantir um level playing field, com as mesmas regras para todos os operadores, independentemente de operarem em ambiente físicos ou digitais”, alertam ainda.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Missão Continente doou em 2023 mais de 360 mil euros através do projeto Sacos Solidários

No total, desde o início do projeto, em 2021, já foram angariados, com a ajuda dos consumidores, mais de 810 mil euros através da venda de mais de 1,5 milhões de sacos.

Hipersuper

Em 2023, a Missão Continente doou mais de 360 mil euros, através do projeto ‘Sacos Solidários’, a 20 instituições que atuam em áreas vitais como apoio à infância e juventude, o apoio animal, organizações internacionais, a diversidade e inclusão e o combate à fome, pela venda de 721 165 sacos. No total, desde o início do projeto, em 2021, já foram angariados, com a ajuda dos consumidores, mais de 810 mil euros através da venda de mais de 1,5 milhões de sacos.

A Missão Continente realizou esta terça-feira a entrega simbólica do valor angariado em 2023, entregues a 20 instituições, que totalizaram um apoio de 360 582,50 euros.

As 20 instituições apoiadas são: o Movimento Transformers, a Obra do Frei Gil, a CrescerSer, a Casa S. Francisco Assis, a PRAVI, a Liga Port, a Direitos Animal, a Associação Animais de Rua, a Animalife, a UNICEF, a Um pequeno gesto, a Hope for fulanis, a The Big Hand, o Espaço T, a Corações com Coroa, o Teatro do Vão, a Associação Salvador, a Refood, a Comunidade Vida e Paz, a Porta Solidária e as Cáritas Paroquial Matriz Portimão.

“O projeto ‘Sacos Solidários’ é um símbolo do compromisso contínuo da Missão Continente com o bem-estar das nossas comunidades. Através da colaboração dos nossos clientes e parceiros, conseguimos alcançar resultados incríveis e continuar a construir um futuro mais solidário e sustentável. Estamos muito satisfeitos com o impacto positivo que esta iniciativa tem tido e estamos entusiasmados por continuar a trabalhar em conjunto para fazer a diferença na vida de muitas pessoas.”, sublinha Rita Barrocas, coordenadora de responsabilidade social do Continente.

Durante o evento de divulgação dos resultados da edição anterior, foi ainda apresentada a nova coleção dos ‘Sacos Solidários’ para 2024. A edição deste traz novos temas e parcerias, reafirmando o compromisso da Missão Continente com a construção de um mundo mais solidário e sustentável. Os temas selecionados para esta edição incluem a Saúde Mental, o Acesso a Cuidados e Bens Essenciais, a Educação e o Envelhecimento Ativo. Estas áreas foram identificadas como prioritárias durante a Sessão Plenária do Conselho Estratégico da Missão Continente de 2022.

A Saúde Mental continua a ser uma área de foco para a Missão Continente, com apoios a instituições como a ASMAL, a CAPITI, o Centro Dr. João dos Santos e o Gondomar Social. O objetivo é promover o bem-estar psicológico e combater estigmas associados a esta área.

No âmbito do Acesso a Cuidados e Bens Essenciais, a Missão Continente colaborará com a Associação Cais, Associação Crescer, a Associação Just a Change e a Misericórdia de Gaia, garantindo que todos possam viver com dignidade e segurança.

Para a área da Educação, a Missão Continente apoia instituições como a Academia Johnson Semedo, a ADCE, o Grupo Social de Sto. Agostinho e a Santa Casa da Misericórdia de Cascais, assegurando oportunidades educacionais de qualidade para todas as crianças.

O Envelhecimento Ativo será promovido através de parcerias com a Pedalar sem Idade Portugal, o Centro Cultural e Social de Sto. Adrião, o Centro Paroquial da Mexilhoeira Grande e o Centro Social Paroquial de Sta. Margarida de Abrã, garantindo um envelhecimento com dignidade e vitalidade.

Os sacos solidários, disponíveis por 1,50€ nas lojas Continente, Continente Modelo e Continente Bom Dia, destinam-se a apoiar causas sociais considerados relevantes e fraturantes, revertendo 0,50€ por cada saco vendido para as instituições parceiras.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Mendes Gonçalves adquire Territórios Criativos para impulsionar ecossistema empreendedor

A Casa Mendes Gonçalves adquiriu a empresa de consultoria e formação na área do empreendedorismo Territórios Criativos. Esta aquisição faz parte da estratégia do grupo de investir em empresas e […]

Hipersuper

A Casa Mendes Gonçalves adquiriu a empresa de consultoria e formação na área do empreendedorismo Territórios Criativos. Esta aquisição faz parte da estratégia do grupo de investir em empresas e negócios que contribuam para o fortalecimento do ecossistema empreendedor em Portugal, com um forte enfoque no impacto social e económico” sublinha em comunicado.

Carlos Gonçalves, administrador do Grupo, destaca a importância desta aquisição para os planos futuros da empresa. “Acreditamos que, ao integrar os Territórios Criativos no nosso grupo, estamos a dar um passo significativo para apoiar o desenvolvimento de novos negócios e a criação de valor sustentável no nosso país. Este investimento reflete o nosso compromisso com o empreendedorismo e a inovação, áreas cruciais para o progresso económico e social de Portugal,” afirma.

Com esta aquisição, Luís Matos Martins, fundador dos Territórios Criativos, assumirá a liderança desta nova unidade de negócio dentro do grupo Casa Mendes Gonçalves. Luís Matos Martins expressa o seu entusiasmo pela nova fase que se inicia: “Esta aquisição é estratégica, pois permitirá a consolidação e diversificação do nosso negócio no mercado em que atuamos, mas também a expansão para territórios onde o grupo Mendes Gonçalves se encontra presente, trazendo oportunidades para o desenvolvimento de novos projetos.”.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Coviran reforça presença no norte

Com a celebração do 13.º aniversário em Portugal, a Coviran acaba de reforçar a sua posição no norte do país, com a abertura de dois novos supermercados: em Vila Real […]

Hipersuper

Com a celebração do 13.º aniversário em Portugal, a Coviran acaba de reforçar a sua posição no norte do país, com a abertura de dois novos supermercados: em Vila Real e em Bragança

A primeira inauguração foi na Vila de Boticas (distrito de Vila Real), um novo espaço, que disponibiliza um variado sortido ao nível do livre serviço, onde se destacam as secções de frutaria, padaria, talho, charcutaria, mercearia e congelados. Situada na Avenida de Chaves, número 5, a loja tem o horário de funcionamento das 08h30 às 13h00 e das 14h30 às 19h30, de segunda a sábado.

O mais recente supermercado Coviran, abriu no Mercado Municipal de Bragança (loja 106), e conta com secções de congelados, charcutaria, frutaria e padaria, reforçando o compromisso da insígnia na oferta dos produtos mais frescos.  O horário de funcionamento é das 8h30 às 19h00, de segunda a sexta-feira e das 8h30 às 13h00 ao sábado – encerra ao domingo.

“Estas novas aberturas vêm reforçar a marca Coviran no norte do país. Pretendemos dar continuidade ao nosso plano de expansão, sempre com o compromisso de servir as comunidades locais, de contribuir com novos postos de trabalho e levar conveniência e qualidade para o dia a dia dos nossos clientes.”  sublinha Acácio Santana, diretor geral da Coviran Portugal.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Hipersuper. Todos os direitos reservados.