Destaque Destaque Homepage Distribuição Exportação Homepage Newsletter Produção

Grupo Nabeiro, EDP e Sonae são as empresas com melhor reputação

Por a 27 de Outubro de 2022 as 16:30
No ranking de Líderes, Rui Miguel Nabeiro (Grupo Nabeiro -Delta Cafés) ocupa novamente a 1ª posição, seguido de Cláudia Azevedo (Sonae) e de Pedro Soares dos Santos (Jerónimo Martins).

O Merco, monitor de referência que avalia a reputação das empresas, apresentou os resultados do estudo Merco Empresas e Líderes. Este estudo avalia todos os anos a reputação das empresas portuguesas e dos seus líderes e nesta terceira edição em Portugal estão listadas as 100 empresas e os 100 líderes com melhor reputação em Portugal. Estes rankings são feitos a partir de 5 avaliações e 15 fontes de informação, revistos de forma independente pela KPMG.

Em 2022, o ranking das empresas com melhor reputação em Portugal é liderado pelo Grupo Nabeiro (Delta Cafés), seguido pela EDP e pela Sonae. Seguem-se Jerónimo Martins (4º), Ikea (5º), Galp Energia (6º), Microsoft (7º), Vodafone (8º), Google (9º) e Nestlé (10º).

Neste ranking, destaque para  as subidas registadas pela REN (de 94º para 35º), CTT – Correios de Portugal (de 86º para 41º), Mota-Engil (de 84º para 46º) e The Navigator Company (de 60º para 25º).

Integram pela primeira vez o top 100 em 2022 a Mercadona (19º), CUF (31º), Banco Montepio (56º), Media Capital (66º), Goldenergy (72º), Bankinter (74º), Ageas (78º), SAP (83º), Grupo Visabeira (86º), Generali (87º), GreenVolt (92º), PWC (94º), Simoldes (95º), McKinsey (96º), Accor Hotels (97º), Grupo Semapa (98º), Capgemini (99º) e VdA – Vieira de Almeida Sociedade de Advogados (100º)

A nível setorial,  encontramos em primeiro lugar de cada um: VdA – Vieira de Almeida Sociedade de Advogados (Advogados), Grupo Nabeiro (Alimentação), Accenture (Auditoria e Consultoria), BMW (Automóvel), Santander (Bancário), Super Bock Group (Bebidas), Ikea (Distribuição Especializada), Jerónimo Martins (Distribuição Generalista), Unilever (Drogaria e Perfumaria), Apple (Eletrónica de Consumo / Informático), Adecco (ETT e Serviços de Recursos Humanos), Bayer (Farmacêutico), Sonae (Holding Empresarial), Pestana Hotel Group (Hotelaria e Turismo), Amorim Corticeira (Indústria), Microsoft (Informática & Software), Brisa – Autoestradas de Portugal (Infraestruturas e Construção), Grupo Impresa –SIC- (Meios de Comunicação), EDP (Petróleo, Gás, Energia e Água), CUF (Saúde), Fidelidade (Seguros), Google (Serviços de Internet), Talkdesk (Serviços Profissionais), Siemens (Técnico / Industrial), Vodafone (Telecomunicações), CTT – Correios de Portugal (Distribuição e Logística) e TAP Air Portugal (Transporte de Passageiros).

Na análise da empresa mais valorizada por cada stakeholder, o Grupo Nabeiro (Delta Cafés) é a empresa mais valorizada por membros do ‘Governo’, analistas financeiros dirigentes de ONGs, dirigentes sindicais, associações de consumidores e professores da área das empresas. Por seu lado, a BMW é a mais valorizada pelos jornalistas.

Para a população em geral (Merco Consumo), o Grupo Nabeiro (Delta Cafés) é a empresa mais valorizada, seguido do Lidl (2ª) e do Continente Hipermercados (3º). No campo digital, Altice (MEO), Fidelidade e TAP Air Portugal ocupam as três primeiras posições.

Merco Líderes Portugal 2022: Rui Miguel Nabeiro volta a liderar

Rui Miguel Nabeiro (1º), do Grupo Nabeiro (Delta Cafés), ocupa a primeira posição novamente, seguido por Cláudia Azevedo (Sonae) e Pedro Soares Dos Santos (Jerónimo Martins). Nas restantes dez primeiras posições encontramos Paulo Azevedo (Sonae) em 4º lugar, Paulo Macedo (Caixa Geral de Depósitos) em 5º, Miguel Stilwell de Andrade (EDP) em 6º, Paula Amorim (Galp Energia), em 7º, Francisco Pedro Balsemão (Grupo Impresa – SIC) em 8º, Alexandre Fonseca (MEO – Altice) em 9º e Fernando Ulrich (Banco BPI) em 10º.

O facto de o 1º lugar no ranking dos líderes empresariais com melhor reputação ser de Rui Miguel Nabeiro e o Grupo Nabeiro ocupar também o primeiro lugar no Ranking de empresas com melhor reputação, vem mais uma vez demonstrar a correlação direta entre a reputação do líder e da sua empresa.

Entre as principais subidas do Ranking destacam-se Andy Brown (Galp Energia), que passou da 91ª para a 25ª posição; José María Folache (El Corte Inglés), que sobe de 99º para 55º; Gonçalo Moura Martins (Mota-Engil), que passou de 77º para 34º; e António Pires de Lima (Brisa – Autoestradas de Portugal), que sobe do 79º ao 36º.

Em 2022 entram no Top 100: Miguel Caetano Ramos (Grupo Salvador Caetano) -28º-, Fernando Melo (Amorim Corticeira) -29º-, Bárbara Martín Coppola (Decathlon) -35º-, Diogo Pinto Sousa (Galp Energia) -37º-, Rui Lopes Ferreira (Super Bock Group) -39º-, Paula Azevedo (Sonae) -42º-, Carlos Tavares (Grupo PSA) -43º-, Carlos Santos (Renova) -47º-, Rui Correia (Sonae) -48º-, Anna Lenz (Nestlé) -50º-, João Serrenho (Tintas CIN) -60º-, Maria João Carioca (Caixa Geral de Depósitos) -63º-, Rogério Campos Henriques (Fidelidade) -64º-, Sandra Santos (BA Glass) -65º-, Tiago Mendes (Innowave) -67º-, José Teixeira (DST Group) -71º-, Pedro Almeida (Lidl) -75º, João Magalhães (Jerónimo Martins) -76º-, Javier González Pareja (BSH) -83º-, António Trindade (Portobay Hotels & Resorts) -88º-, Nuno Ferreira Pires (Sport TV) -89º-, Manuela Medeiros (Parfois) -91º-, Tiago Monteiro (PTC Group) -93º-, Pedro Cruz (Engie) -96º-, António Gonçalves (Real Hoteles) -97º- e Ana Figueiredo (Altice –MEO) -98º.

Representação feminina no ranking

Quanto à presença de mulheres no ranking, regista-se uma presença de 25% na classificação total. Esta percentagem é semelhante à da edição anterior e está em linha com o ranking de Espanha.

Em 2022, a lista de gestoras é composta por: Cláudia Azevedo (Sonae) -2º-, Paula Amorim (Galp Energia) -7º-, Helen Duphorn (Ikea) -14º, Paula Panarra (Microsoft) -15º-, Isabel Vaz (Luz Saúde) -23º-, Leonor Belleza (Fundação Champalimaud) -24º-, Rita Nabeiro (Grupo Nabeiro –Delta Cafés-) -30º-, Bárbara Martín Coppola (Decathlon) -35º-, Paula Azevedo (Sonae) -42º-, Vera Pinto Pereira (EDP) -45º-, Cátia Martins (L’Oréal) -49º-, Anna Lenz (Nestlé) -50º-, Isabel Jonet (Federação Portuguesa Dos Bancos Alimentares) -53º -, Madalena Cascais Tomé (SIBS) -57º-, Isabel Barros (Sonae) –59º-, Maria João Carioca (Caixa Geral de Depósitos) -63º-, Sandra Santos (BA Vidro) -65º-, Inês Condeço (FNAC) – 68º-, Cristina Ferreira (Media Capital –TVI-) -82º-, Manuela Medeiros (Parfois) -91º-, Maria D’Orey (Serenity Spa Algarve) -92º-, Leonor Freitas (Casa Ermelinda Freitas) –94º-, Ana Figueiredo (Altice –MEO-) -98º-, Isabel Mota (Ex-Fundação Calouste Gulbenkian) -99º-, Joana Garoupa (Galp Energia) -100º.

Novidades na edição de 2022

Nesta edição de 2022, surge a Merco Sociedade que representa uma evolução do Merco Consumo das edições anteriores e que reflete a opinião dos consumidores. Segundo a empresa, “após meses de trabalho com comunidades digitais e aprofundando o que a sociedade entendia sobre responsabilidade corporativa, chegou-se à conclusão de que as empresas devem ser éticas (ou seja, os princípios e valores que refletem a cultura, o ‘Governo’ e o comportamento ético da empresa) e, por sua vez, devem agir com responsabilidade (como transferem esses valores para os principais stakeholders e áreas de atuação)”. “E o Merco Sociedade avalia como se conjugam estas 2 variáveis: ‘ser ético’ e ‘agir com responsabilidade'” acrescenta.

Dentro desse “ser ético” foi avaliado se as empresas são transparentes e honestas, a sua política anticorrupção, o seu compromisso com o comércio justo e a sua responsabilidade fiscal; Por seu lado, na categoria “agir com responsabilidade” foram avaliadas tanto a sua relação com os trabalhadores, clientes e sociedade, como o seu comportamento nas questões relacionadas com o ambiente.

Enrique Mañas, diretor técnico da Merco, afirma que na análise feita às empresas junto da população portuguesa, se destaca como positivo a responsabilidade destas com os seus clientes e no pagamento de impostos no país, enquanto os principais aspetos a melhorar apontados são o compromisso com os problemas socias e a responsabilidade com o meio ambiente.

Acrescenta ainda que o Merco Digital, que consiste numa das muitas avaliações que fazemos no âmbito do Merco Empresas e Líderes, apresenta este ano uma importante novidade: a inclusão do LinkedIn (juntamente com Twitter, Facebook, YouTube e Instagram) entre os canais próprios analisados.

Comparação Portugal vs Espanha

Quando feita uma radiografia da situação das empresas portuguesas face às empresas espanholas, os diretores de primeira e segunda linha de ambos os países traçam um perfil reputacional bastante semelhante. No entanto, os diretores portugueses valorizam mais a inovação e a dimensão internacional do que os espanhóis, quando avaliam o perfil reputacional das empresas.

Quando comparado o perfil reputacional dos líderes dos dois países, os líderes portugueses destacam-se na capacidade de comunicação e inovação.

Os setores mais representados em Portugal são o setor do Petróleo, Gás, Energia e Águas no topo, com oito empresas, seguido dos setores da Distribuição Especializada e da Distribuição Generalista, ambos com seis empresas. Em Espanha, o setor Bancário é o líder, representado por nove empresas, seguido de Seguros (seis), Petróleo, Gás, Energia e Água (seis) e Alimentação (seis).

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *