Destaque Destaque Homepage Distribuição Homepage Newsletter

Lidl reage à greve convocada para este sábado: “não nos revemos nas reivindicações”

Por a 28 de Fevereiro de 2020 as 19:49

Lidl Pinhal Novo (2)

“O Lidl Portugal pauta-se por ouvir e falar com os seus colaboradores, privilegiando o diálogo com os sindicatos, que foram informados dos novos benefícios em dezembro passado, pelo que não nos revemos nas reivindicações desta greve”, declara a cadeia de distribuição, ao Hipersuper, em reação à greve dos trabalhadores convocada para amanhã, 29 de fevereiro, pelo CESP – Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal.

O órgão sindical afirma, num comunicado divulgado esta sexta-feira, que a cadeia “não respondeu praticamente a nada” proposto no caderno reivindicativo para o ano de 2020.

Uma das exigências, explica o sindicato, foi a  introdução de um subsídio de frio, que a empresa acatou mas que foi implementado de “forma discriminatória”, acusa.

O Lidl refuta dizendo que entrará em vigor “no próximo ano fiscal” o pagamento de um suplemento para quem desempenha funções “de forma continuada em temperaturas negativas nos entrepostos, em função do tempo de permanência produtivo na câmara. Este será 20% do ordenado base pago”. Segundo a retalhista, os sindicatos foram informado desta nova medida em dezembro. 

Outras das reivindicações que baseiam a greve convocada para amanhã são também o aumento dos 
salários em 90 euros para todos os trabalhadores e a “reposição dos três escalões remuneratórios”, incluindo o pagamento dos retroativos aos trabalhadores “penalizados com a criação de um quarto escalão”.

O Lidl lembra que em 2019 aumentou para 670 euros o ordenado auferido “no primeiro ano de trabalho”. Um valor “superior ao ordenado mínimo nacional, de 635 euros mensais, desde janeiro deste ano”.

Além disso, “desde 1 de janeiro de 2020, aumentámos o valor do subsídio de refeição para 7,63 euros, que se traduz num aumento adicional líquido de 192 euros ao final do ano (16 euros por mês) para os colaboradores a tempo inteiro”.

O processo de desenvolvimento de carreira na empresa “prevê que, inicialmente, num período de dois anos, a cada 12 meses, seja dada a possibilidade a todos os colaboradores de subirem de escalão, traduzindo-se esta subida num aumento remuneratório. Findo este período, a evolução faz-se de acordo com os parâmetros de gestão de talento da empresa, diretamente relacionados com o desempenho das funções”, explica ainda a cadeia.

O CESP denuncia, por fim, que “nos últimos tempos, em particular nos entrepostos, os trabalhadores têm vivido momentos de enorme pressão e repressão, desrespeito e chantagem sobre os trabalhadores que a empresa, apesar de conhecer, tarda em resolver”, lê-se também no comunicado.

Afirmando que dispõe de um provedor do colaborador, “em cada uma das regionais e sede e que visa ser um interlocutor independente e neutro, incentivando a um clima positivo de trabalho”, a cadeia garante também que disponibiliza a todos os colaboradores “um seguro de saúde valorizado em mais de 400 euros anuais, independentemente da sua carga horária, com extensão ao agregado familiar com condições vantajosas”.

Estão previstos para amanhã piquetes nos entrepostos do Lidl em Linhó (Lisboa) e Marateca (Setúbal), assim como nas lojas Lidl de Torres Novas (Santarém) e do distrito de Braga.

Esta é já a segunda greve de trabalhadores da distribuição que o CESP convoca este ano, depois da paralisação em várias cadeias que decorreu a 31 de janeiro.

4 comentários

  1. maria

    6 de Março de 2020 at 18:58

    É importante sermos informados de como as coisas se passam na realidade.
    Comentários elucidativos

  2. bruno

    1 de Março de 2020 at 22:25

    A administração Lidl e o seu departamento de comunicação mente com todos os dentes que tem e quando não o faz omite a desoladora realidade que é ser-se hoje trabalhador desta insignia. Os provedores por muita boa vontade que tenham praticamente nada conseguem fazer, pois esta FRACA administração não lhes permite a devida competência; antes lhes impõem que indo contra os princípios das funções que desempenham, raramente sejam, de facto, elementos prestáveis.
    Na empresa Lidl não é aplicado o tão proclamado salário de entrada, pois nos últimos 6 anos ninguém de quem entra na empresa (só muito dificilmente) consegue ter uma carga horária semanal superior a 20 ou 24 horas; o que falamos na verdade é de um salário de entrada na ordem dos 335€. O trabalhador bem queria ter uma carga horário superior e consequentemente auferir mais, mas tal cenário é-lhe completamente vedado. Mais uma vez se prova o quão mentirosa é a verdade Lidl.
    Trabalhar no Lidl é de dia para dia cada vez mais um inferno. Esta administração forma ditos directores e chefias para coagirem e perseguirem quem aqui trabalha, em especial quem se faz ouvir e exige respeito e dignidade pelo seu posto de trabalho.
    Esta administração adulterou as regras a meio do jogo para prejudicar propositadamente centenas de trabalhadores da insignia e assim demorarem mais um ano para ascenderem ao nível salarial antes acordado. A Lidl volta a faltar à verdade.
    Quanto à evolução na empresa, esta não se faz (ao contrário do que o departamento de comunicação da insignia diz) de acordo com os parâmetros de gestão de talento da empresa. Este cenário simplesmente não existe. A menos que considerem a bajulice e a incompetência profissional. No Lidl ao longo dos últimos 20 anos quase na sua totalidade só progride dentro da empresa quem é muito mau profissional e não cria mais valias ou lucro; ou então, os lambe-botas.
    Os quatro entrepostos existentes no país estiveram em greve. E apesar das muitas ameaças das chefias nas lojas, muitos dos seus trabalhadores indignados fizeram valer este seu direito constitucional.
    Esta administração presta um muito mau serviço e envergonha diariamente o Lidl.
    Ganhem vergonha!

  3. Eu

    1 de Março de 2020 at 0:04

    Prestem atenção ao abuso de poder por parte de algumas chefias, descriminação dos trabalhadores, ameaças, assédios, morais e sexuais….as entidades competentes que inspecionem bem e a direção que faça visitas surpresas e que falem individualmente com os trabalhadores, não digam que falam, falem mesmo. Fica a dica.

  4. Alguem

    29 de Fevereiro de 2020 at 23:18

    O ordenado no primeiro ano é bom sim,mas refere se a 40 horas,infelizmente os colaboradores não são contratados com essa carga horária, sempre menos, no máximo 32 horas

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *