Homepage Logística Newsletter

Movimentação de mercadorias nos portos portugueses cai 12,9% no 3º trimestre

Por a 6 de Dezembro de 2019 as 15:18
porto_sines

porto_sinesO movimento de mercadorias nos portos portugueses voltou a cair no terceiro trimestre do ano. A quantidade de mercadorias movimentadas situou-se nos 20,6 milhões de toneladas, refletindo uma variação homóloga de -12,9%, de acordo com dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística, esta sexta-feira. Já no segundo trimestre, os volumes movimentados caíam 9,2%.

A queda é da responsabilidade, sobretudo, do principal porte a nível nacional, o de Sines, que absorve 41,8% do total de carga movimentada. Este porto registou, entre julho e setembro, uma diminuição de 28,5% da carga movimentada, para um total de 8,6 milhões de toneladas de mercadorias carregadas e descarregadas.

Por sua vez, o porto de Leixões aumentou 11,9%, atingindo as 4,8 milhões de toneladas e um peso de 23,5% no total nacional. Lisboa também quebrou o ritmo de queda, tendo subido 3,1% face ao trimestre homólogo de 2018 para as 2,8 milhões de toneladas. Alcançou ainda uma quota de 13,5% no total nacional. Os portos de Setúbal e Aveiro registaram decréscimos de 7,5% e 4,5%, respetivamente, após as subidas de 2,8% e 6% registadas no trimestre anterior.

No terceiro trimestre de 2019 foram carregadas 7,5 milhões de toneladas de mercadorias nos portos portugueses, representando um decréscimo de 19% face ao período homólogo. O tráfego internacional, com 17,5 milhões de toneladas de mercadorias transportadas, representou 84,9% do total, enquanto o tráfego nacional diminuiu 10,9% alcançando 3,1 milhões de toneladas.

Com a exceção do transporte aéreo (que apresenta um aumento de 17,4% em termos de mercadoria transportada), no terceiro trimestre verificam-se reduções na movimentação de mercadorias em todos os modos de transporte. Além da já referida queda dos transportes marítimos, foram transportadas menos 15,9% de mercadorias por via ferrovia e menos 5,8% por via rodoviária, face ao mesmo trimestre do ano anterior.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *