Data Center Homepage Newsletter

Empresários portugueses otimistas para 2017

Por a 30 de Janeiro de 2017 as 18:33
Infografico-EstudoSage

A Sage consultou mais de 5500 empresários de Pequenas e Médias Empresas (PME) em 20 países, incluindo Portugal, sobre as tendências, desafios, políticas e preocupações económicas que terão impacto nos seus negócios este ano.

82% dos inquiridos em Portugal acredita que o seu volume de negócios se vai manter ou crescer em 2017. Nos restantes países, o valor desce para 76%. Das empresas que preveem conseguir alcançar este crescimento até ao final do ano, 45% afirma que será superior a 10%, e destes, 14% acredita que será  superior a 50%. Por outro lado, das empresas nacionais que estimam alcançar um volume de negócios menos positivo no final do ano, 45% preveem uma quebra superior a 10%.

54% dos empresários portugueses admite sentir-se confiante com as perspetivas do seu negócio durante os próximos seis meses. Esta confiança justifica-se com as apostas para o próximo ano, com 43% dos inquiridos a confirmar que o principal plano é abrir uma delegação em novos mercados (23% a nível global). A nível global,  a prioridade altera-se: 35% confirma que pretende lançar um novo produto ou serviço, opção que aparece em segundo lugar para os empresários portugueses, recolhendo 35% das respostas.

Quando questionados sobre o impacto da economia nacional e global nos seus negócios, os portugueses afirmam sentirem-se mais confiantes na estabilidade da economia nacional nos próximos seis meses (45%) mas menos confiantes na estabilidade da economia global (42%).

Quando solicitados a identificar as principais tendências tecnológicas para os negócios em 2017, 67% dos inquiridos em Portugal identificam a Inteligência Artificial, seguida de Chatbots (15%) e da tecnologia Blockchain (11%), tendências que acompanham os resultados globais. “Destaca-se o comportamento das PME nacionais com mais de 100 colaboradores que colocam claramente a Inteligência Artificial como a grande tendência para este ano”, explica em comunicado a Sage.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *