Distribuição Homepage Newsletter Produção

Código de Boas Práticas Comerciais satisfaz maioria das empresas europeias

Por a 26 de Janeiro de 2017 as 11:49
negocios escritorio

As empresas europeias estão satisfeitas com a implementação do Código de Boas Práticas Comerciais (Supply Chain Initiative), criado em 2013. Segundo o relatório anual divulgado ontem em Bruxelas, 71% dos inquiridos mostram-se satisfeitos ou muito satisfeitos com a forma como a iniciativa tem fomentado a boa relação entre os agentes de toda a cadeia de abastecimento.

Os números indicam que também as Pequenas e Médias Empresas (PME) têm resultados semelhantes, com dois terços dos entrevistados a demonstrarem satisfação com a iniciativa. No que diz respeito à formação, 93% das empresas refere ter apostado na formação dos seus recursos humanos em 2016, o que se reflete num aumento de 6% em relação ao ano anterior.

No ano passado, a Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição (APED), a CAP (Agricultores de Portugal), a Confederação do Comércio de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Confederação Nacional de Agricultura (CNA) e a CONFAGRI (Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Portugal), assinaram um Código de Boas Práticas Comerciais para o setor agroalimentar, com o objetivo de ajudar a cadeia de abastecimento a ser mais equilibrada e competitiva.

O código foi elaborado com base nas práticas de autorregulação do Supply Chain Initiative, rubricado em 2013 por 457 empresas europeias, entre as quais os cinco principais grupos de retalho alimentar em Portugal, e em acordos semelhantes estabelecidos em países como a Bélgica e Espanha.

 “Os resultados deste relatório refletem a preocupação efetiva com o equilíbrio e a cooperação que existe entre todas as entidades signatárias na partilha de informação, para a melhor definição das estratégias de negócio, à área da formalização de relações comerciais, sendo que demonstra a aposta dos operadores na autorregulação como chave para mercados dinâmicos e competitivos”, indica Ana Isabel Trigo Morais, diretora-geral da APED.

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *