Edição digital
PUB
Armazém

ESPECIAL Logística. Operações ‘just-in-time’ substituem gestão clássica em armazém

As práticas ‘just-in-time’ têm vindo a substituir a gestão clássica de stock em armazém. A meta é maximizar a capacidade de servir os clientes com a menor acumulação possível de materiais em stock

Rita Gonçalves
Armazém

ESPECIAL Logística. Operações ‘just-in-time’ substituem gestão clássica em armazém

As práticas ‘just-in-time’ têm vindo a substituir a gestão clássica de stock em armazém. A meta é maximizar a capacidade de servir os clientes com a menor acumulação possível de materiais em stock

Rita Gonçalves
Sobre o autor
Rita Gonçalves
Artigos relacionados
S.Pellegrino com edição especial para comemorar 125º aniversário
Bebidas
Auchan reforça proposta de valor para colaboradores
Retalho
Auchan Retail Portugal
João Ova Lopes assume cargo de global sponsorship manager na Heineken
Bebidas
Loja online da Izidoro lança promoções
Alimentar
Esporão lança a primeira edição do monovarietal Cobrançosa
Alimentar
Campanha da makro Portugal celebra o Euro 2024 na restauração
Retalho
Estudo aponta a Delta como a marca com melhor perceção de práticas ESG
ESG
Lojas do Grupo os Mosqueteiros distinguidas com o selo PME Líder
Retalho
Os Mosqueteiros
Sunquick de Frutos Tropicais num novo formato mini
Bebidas
Continente Co-Lab já testou cerca de 1.300 produtos com clientes
Retalho

Especial Logística: Armazenamento e Transporte

armazem

PUB

A transformação digital dos negócios está em curso e o setor do grande consumo não é exceção à regra. As cadeias de abastecimento estão a ajustar-se às novas e mais prementes exigências de quem compra.

“No grande consumo, a omnicanalidade tomou conta das preocupações dos retalhistas. Os puros online estão a aventurar-se na abertura de lojas físicas e o retalho tradicional procura conquistar posição e aumentar a resiliência do seu negócio, através do e-commerce e de estratégias de comunicação globais, muito assentes nas redes sociais e na exploração das possibilidades que a internet atualmente oferece. Com o esgotamento do conceito de hipermercado, e mesmo de supermercado, os retalhistas exploram formatos de proximidade e de ecommerce, como forma de responder a consumidores cada vez mais exigentes e sofisticados nos seus comportamentos de consumo”. O retrato é feito por Pedro Gordo, Supply Chain business development do Grupo Generix, especialista no desenvolvimento de software para a cadeia de abastecimento.

O que está, então, a mudar, na gestão dos armazéns? “O ajustamento consiste em gerir stock de forma global e integrada em todos os pontos da cadeia. Surgem armazéns especializados em ecommerce, por vezes com o apoio de lojas físicas próximas. O stock de fornecedores e fabricantes são considerados no stock disponível para os consumidores”, sublinha o colaborador da empresa que lançou em Portugal a primeira aplicação de realidade aumentada para a gestão do armazém.

Isabel Viçoso, administradora da prestadora de outsourcing logístico Logic, sublinha, por sua vez, que o armazenamento evolui no sentido da especialização “em tecnologia, segurança, especificidade de produtos e modelos de negócio” das empresas, com foco na “dispersão geográfica e capilaridade”.

armazem automatico verticalPara otimizar os espaços logísticos e de armazenamento existentes, os operadores tem vindo a apostar em soluções verticais, como os armazéns automáticos, transelevadores, ‘sorters’, plataformas e ‘mezzanines’, entre outros. “Por exemplo, os armazéns verticais permitem esgotar totalmente a capacidade atual do espaço antes de partir para a procura de uma nova infraestrutura”, explica em entrevista ao HIPERSUPER Leandro Fernandes, key account da VRC, fornecedor de armazéns automáticos.

Pedro Gordo, por sua vez, dá um exemplo de poupança de espaço. “Um armazém automático numa superfície de 2.000 metros quadrados (m2) pode aumentar para mais do dobro a capacidade de armazenamento de paletes, evitando a deslocalização do produto ou a aquisição de um espaço adicional”.

Otimizar ou alugar novos espaços?

O armazenamento vertical revela-se uma “boa opção” para aumentar a capacidade dos espaços, mas a administradora da Logic ressalva que se trata de uma “economia que exige uma estrutura rigorosa em termos de segurança e processos. E perante as circunstâncias conjunturais há menos necessidade de grandes stocks. Hoje em dia, cada vez se produz menos stock armazenado”.

Como está, então, a evoluir a procura de espaços logísticos e armazéns em Portugal? “Há muitos espaços disponíveis, a preços acessíveis e com boa cobertura geográfica. É um bom momento para aumentar a capacidade de armazenagem através de aquisição ou aluguer de armazéns”, revela, por sua vez, o colaborador da Generix.

Jungheinrich EFG S30sA procura em Portugal está atualmente muito relacionada com espaços próximos de grandes cidades, armazéns especializados e instalações dedicadas ao comércio online, além de espaços logísticos de suporte às operações industriais.

A crise económica, o decréscimo do consumo interno e o aumento das exportações influenciaram os custos de armazenamento em Portugal, explica Pedro Gordo. “O custo tem vindo a decrescer ao longo dos últimos anos, estando atualmente em níveis baixos. É previsível que este custo acompanhe o comportamento da economia, que esperamos venha a crescer”.

Subcontratar ou gestão própria?

Para reduzir o risco associado a uma operação logística gerida internamente, muitas empresas subcontratam os serviços de armazenamento e transporte. “A subcontratação de serviços está relacionada sobretudo com o desempenho e o custo que o serviço representa para as empresas. A contratação de armazéns a terceiros apresenta benefícios em cenários onde é possível traduzir esse modelo numa efetiva redução de custos operacionais e financeiros, concretamente, uma simplificação e agilização dos processos. Não raras vezes os benefícios capitalizados pelo facto de se abdicar de um armazém próprio têm uma expressão tão significativa que permite às organizações canalizarem os investimentos para outras áreas de negócio”, defende a administradora da Logic.

pickingNuno Queirós, Product Manager da Primavera BSS, especialista em software de gestão, sublinha, por sua vez, que, como em qualquer negócio, também neste, uma das formas mais universais de conseguir justificar a operação com recursos próprios consiste na capacidade de atingir uma escala que torne o serviço rentável. Quanto maior for a especialização e o custo das condições de armazenagem, maior será a escala necessária para a sua competitividade”.

Por outro lado, Pedro Gordo defende as vantagens de uma solução mista. “Frequentemente, a melhor estratégia logística passa por uma solução mista, com armazenagem contratada a terceiros em complemento da capacidade instalada. É uma forma de fazer face a picos de atividade. Tecnicamente, a melhor solução é a que garante o custo total logístico mais baixo, o que não fácil de calcular, atendendo à diversidade das variáveis envolvidas, com destaque para a incerteza do mercado”.

A era do ‘crossdocking’

Entre as atividades logísticas em armazém, as empresas portuguesas privilegiam sobretudo o ‘crossdocking’. Uma solução que remete para “a tendencial inexistência de armazenagem, ou seja, para práticas ‘just-in-time’, nas quais pretende-se maximizar a capacidade de servir os clientes com a menor acumulação possível de materiais em stock. Efetivamente, é esta última que, sempre que possível e com técnicas pouco evoluídas, tem sido perseguida pela maioria das organizações em Portugal. Isto estará necessariamente relacionado com a situação económica que o País atravessou nos últimos anos, mas provavelmente poderá encontrar uma justificação mais plausível no aumento da granularidade e disparidade dos produtos que servem de base às transações atuais, tornando impossível uma gestão clássica de stock em armazém”, ressalva Nuno Queirós.reposição

As empresas privilegiam todos os processos que permitam baixar os custos logísticos. Além do crossdocking no armazém, também a implementação de, por exemplo, “fluxos tensos e de PBL (Pick-By-Line) permitem reduzir o nível de inventário de forma substancial sem prejuízo dos níveis de serviço ao cliente final”, garante o colaborador da Generix.

Sistemas colaborativos e ‘big data’

Nos últimos anos, a evolução dos sistemas de gestão de armazém e de processos logísticos assentou sobretudo na maximização do seu produtividade e desempenho e dos processos que os sistemas ajudam a gerir. O ‘voice picking’ é um dos exemplos de inovação deste tipo, revela o product manager da Primavera. “Apesar de esta nova abordagem não estar esgotada”, o futuro será marcado pelo incremento do interesse em novas abordagens, como os sistemas colaborativos e o ‘big data’. “Os sistemas colaborativos permitem uma revisão do paradigma dos sistemas atuais com efeitos muito interessantes. Um exemplo disto é a transição para sistemas na ‘cloud’ que abrem as portas à disponibilização de serviços que ajudem a orquestrar os processos logísticos de vários intervenientes do processo. Imagine-se um cenário em que o recetor de um determinado produto consegue saber a todo o momento toda a informação de rastreabilidade das mercadorias que o operador está a transportar, nomeadamente as características da carga e a hora prevista de chegada ao cais. Com esta informação poderia otimizar o seu cais de descarga com as condições adequadas no momento adequado, garantindo uma otimização total dos seus recursos. Imagine-se agora que todo este processo é efetuado automaticamente, ou seja, que o sistema do operador está a comunicar com um serviço de coordenação na ‘cloud’ e que esse mesmo serviço está integrado com o sistema do recetor ajudando-o a ajustar as movimentações em armazém em função dos dados que vai recebendo em tempo real.

Que significado teria esta otimização para ambas as empresas? Que significado teria se fossem incluídos no mesmo processo todos os intervenientes? Seguramente que isto resultaria numa otimização significativa de todos os recursos com impacto direto nos custos”, remata Nuno Queirós.

Sobre o autorRita Gonçalves

Rita Gonçalves

Artigos relacionados
S.Pellegrino com edição especial para comemorar 125º aniversário
Bebidas
Auchan Retail Portugal
Auchan reforça proposta de valor para colaboradores
Retalho
João Ova Lopes assume cargo de global sponsorship manager na Heineken
Bebidas
Loja online da Izidoro lança promoções
Alimentar
Esporão lança a primeira edição do monovarietal Cobrançosa
Alimentar
Campanha da makro Portugal celebra o Euro 2024 na restauração
Retalho
Estudo aponta a Delta como a marca com melhor perceção de práticas ESG
ESG
Os Mosqueteiros
Lojas do Grupo os Mosqueteiros distinguidas com o selo PME Líder
Retalho
Sunquick de Frutos Tropicais num novo formato mini
Bebidas
Continente Co-Lab já testou cerca de 1.300 produtos com clientes
Retalho
PUB
Bebidas

S.Pellegrino com edição especial para comemorar 125º aniversário

Para comemorar o 125º aniversário, a S.Pellegrino lançou uma garrafa de luxo, a edição especial comemorativa desta data. Juntamente com a garrafa de luxo, os formatos de vidro de 50 […]

Para comemorar o 125º aniversário, a S.Pellegrino lançou uma garrafa de luxo, a edição especial comemorativa desta data.

Juntamente com a garrafa de luxo, os formatos de vidro de 50 cl e 75 cl, distribuídos no canal Horeca, também se vestem para celebrar o aniversário com um rótulo especial para engrandecer cada experiência gastronómica.

Em Portugal, a S.Pellegrino é distribuída pela Vinalda, que, em conjunto com a S.Pellegrino, está a organizar a Final Ibérica da edição 2024/2025 da S.Pellegrino Young Chef Academy Competition, em Lisboa no final do ano, na sequência da vitória do Jovem Chef português Nelson Freitas na edição de 2022/2023.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Auchan Retail Portugal

Auchan Retail Portugal

Retalho

Auchan reforça proposta de valor para colaboradores

Auchan Respect é a nova marca empregadora e pretende reforçar a proposta de valor para os atuais e futuros colaboradores, e que se traduz em quatro pilares fundamentais: a priorização […]

Auchan Respect é a nova marca empregadora e pretende reforçar a proposta de valor para os atuais e futuros colaboradores, e que se traduz em quatro pilares fundamentais: a priorização do bem-estar físico e mental, a aposta no crescimento, através de diversos percursos formativos e programas de desenvolvimento, o espírito de proximidade e abertura, notório no trato informal do dia-a-dia e na relação entre todos e no modelo de gestão com base na autonomia e responsabilidade.

Este novo posicionamento da Auchan surge com a necessidade de garantir uma maior perceção e uniformização do EVP (Employee Value Proposition), tanto interna como externamente, e, assim, aumentar a atratividade junto de potenciais candidatos, para que seja possível ir ao encontro de perfis que se revejam na cultura da empresa, assim como fidelizar os atuais colaboradores, aumentando o seu orgulho pelo sentimento de pertença, refere a empresa em comunicado.

‘Esta abordagem vem reforçar a nossa diferenciação e preocupação com todos os que já fazem parte da equipa e com aqueles que ainda estão para entrar. O ‘Respect’ é o pilar orientador de todas as nossas políticas de pessoas, mas é, acima de tudo, um compromisso que assumimos por todos.” explica Clara Costa, diretora de pessoas e sustentabilidade, da Auchan Retail Portugal.

A escolha do nome surge na sequência de um trabalho de diagnóstico e mapeamento de toda a jornada do colaborador, um projeto com a duração de vários meses, onde num dos questionários implementados a mais de 500 colaboradores, o respeito surgiu como a dimensão mais reconhecida, revela ainda a Auchan Retail Portugal.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Bebidas

João Ova Lopes assume cargo de global sponsorship manager na Heineken

João Ova Lopes é o novo global sponsorship manager da The Heineken Company, com responsabilidade sobre parcerias e patrocínios da marca de cerveja holandesa.

João Ova Lopes é o novo global sponsorship manager da The Heineken Company, com responsabilidade sobre parcerias e patrocínios da marca de cerveja holandesa. O profissional troca Lisboa por Amsterdão, após cerca de 6 anos na Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, onde desempenhou várias funções de brand management.
Licenciado em Gestão na Católica Lisbon SBE, e com Mestrado e pós graduação em Gestão de Marketing e Marketing Digital, respetivamente, João Ova Lopes passou por empresas como a Tabaqueira (Philip Morris International) e a EDP Comercial antes de iniciar o seu percurso na área das bebidas.
Na nova função, em Amesterdão, o Marketeer irá estar responsável pela gestão de parcerias globais da marca Heineken, com principal destaque para a UEFA (Liga dos Campeões) e a Fórmula 1.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Loja online da Izidoro lança promoções

A Izidoro lançou na sua loja online duas novas campanhas com descontos a pensar nos Santos Populares e no Euro 2024.

A Izidoro lançou na sua loja online duas novas campanhas com descontos a pensar nos Santos Populares e no Euro 2024.

Até ao final de junho, todos os dias, das 21h às 23h59, a loja online desta marca 100% nacional e referência do Grupo Montalva dinamiza a campanha Happy Hour, que oferece “descontos extras” com garantia de entregas em 72 horas. “Com descontos máximos até 55% por cento, através desta campanha é possível abastecer-se com os melhores produtos da Izidoro e receber a encomenda confortavelmente em casa”, afirma a Isidoro.

Em celebração do Euro, a marca lançou uma campanha complementar na compra do ‘cabaz churrascada Izidoro’ ou do ‘cabaz veggie lovers family’ que se traduz na oferta de um pack de seis cervejas Musa Blondie Ale. “Todas as entregas são garantidas nos distritos de Lisboa e Setúbal”, informa a marca acrescentando que para encomendas superiores a 25 euros, os portes de envio são gratuitos.

“O e-commerce Izidoro foi lançado há quatro anos, e não podíamos estar mais satisfeitos com esta relação de proximidade que temos com os consumidores, que nos fazem sentir relevantes no planeamento das suas compras mensais e já não abdicam da conveniência de receber as encomendas à sua porta e na hora marcada”, sublinha Joana Cabanejo, new business & e-commerce manager do Grupo Montalva.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Esporão lança a primeira edição do monovarietal Cobrançosa

O Esporão investe na produção de azeites monovarietais de excelência desde 1999, introduzindo no mercado português as variedades Galega e Cordovil. “O lançamento do Cobrançosa reforça o compromisso com a herança agrícola portuguesa, destacando uma das variedades de azeitona mais emblemáticas”, destaca.

O Esporão está a apresentar a primeira edição do azeite Esporão Virgem Extra Cobrançosa. Esta é a terceira referência monovarietal que a empresa lança para “preservar e promover as variedades de azeitona nacionais e autóctones”.

O novo Esporão Cobrançosa é produzido a partir da variedade de azeitona Cobrançosa, nativa de Trás-os-Montes, especialmente bem-adaptada ao território do Alentejo. Resulta num azeite “complexo e harmonioso, com notas herbáceas distintas, é o resultado de uma meticulosa seleção de terroirs que destacam as características distintas da variedade Cobrançosa, oferecendo notas herbáceas e uma experiência sensorial única”, apresenta o Esporão.

A marca investe na produção de azeites monovarietais de excelência desde 1999, introduzindo no mercado português as variedades Galega e Cordovil. “O lançamento do Cobrançosa reforça o compromisso com a herança agrícola portuguesa, destacando uma das variedades de azeitona mais emblemáticas”, destaca.

Ana Carrilho, oleóloga do Esporão, afirma que “cada garrafa deste azeite representa o nosso respeito pela tradição e património agrícolas, bem como a busca incessante pela excelência”.

O Esporão Cobrançosa foi galardoado no Concurso de Azeite da Feira Nacional de Olivicultura em Valpaços com o Prémio POP – Património Oleícola Português.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Retalho

Campanha da makro Portugal celebra o Euro 2024 na restauração

‘A Convocatória – À mesa é outro campeonato’ dá o mote à campanha da makro Portugal que celebra o Euro 2024 em 26 restaurantes e bares de norte a sul do país.

‘A Convocatória – À mesa é outro campeonato’ dá o mote à campanha da makro Portugal que celebra o Euro 2024 em 26 restaurantes e bares de norte a sul do país.

A empresa explica que os protagonistas “são os ‘heróis da restauração’ que, mesmo longe dos campos, enchem as cozinhas de paixões e apresentam sabores que unem o país nestes momentos de celebração”. Para promover a iniciativa, cada restaurante terá mupies de proximidade, personalizado e com frases alusivas à linguagem futebolística.

“Mais uma vez queremos reforçar o nosso papel como os parceiros de negócio para todas as ocasiões, aportando o máximo de valor possível aos nossos clientes e dando visibilidade aos seus espaços”, explica Nuno Loução, head of sales & marketing da makro Portugal.

A lista de convocados, apresentada em estilo conferência de imprensa pelo ‘selecionador de mesas de Portugal’, Roberto Martins, é revelada no vídeo da campanha que pode ser acompanhada nas redes sociais da makro e nos meios digitais.

Durante os jogos de Portugal da Fase de Grupos (dias 18, 22 e 26 de junho), para as primeiras 15 reservas em cada um destes restaurantes, os clientes terão oferta uma primeira rodada de 10 cervejas, revela a makro Portugal, que rá oferecer a cada restaurante uma camisola da seleção nacional personalizada com o nome do espaço.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

ESG

Estudo aponta a Delta como a marca com melhor perceção de práticas ESG

Quanto aos setores de atividade os que mais se destacam pela positiva são o retalho alimentar (67,5 pts), o setor da energia (67,4 pts) e o da alimentação e bebidas (67,1 pts).

Delta é a marca com melhor perceção de práticas de sustentabilidade em Portugal, segundo um estudo da OnStrategy sobre as marcas e indústrias melhor percecionadas nas práticas de ESG.

Numa escala de 100 pontos, entre mais de duas mil marcas auditadas, foram dez as marcas que atingiram o nível de excelência, ou seja, mais de 80 pontos: Delta (86,4 pts), Luso (83,9 pts), Agua das Pedras (83,1 pts), Nestlé (83,0 pts), Danone (81,8 pts), Terra Nostra (80,5 pts), Vitalis (80,3 pts), Sumol Compal (80,1 pts), Microsoft (80,0 pts) e Oceanário de Lisboa (80,0 pts).

Depois de ter apresentado os resultados dos estudos anuais de reputação RepScore, de experiência BXS (Brand Experience Score) e de Valor Financeiro das Marcas em Portugal, a consultora consolida agora a informação referente à avaliação que decorreu entre os dias 1 de abril de 2023 e 31 de março de 2024, junto de mais de 50 mil cidadãos que refletem a sociedade portuguesa em termos de distribuição geográfica, género, idade, grau de formação e classe social.

Quanto aos setores de atividade os que mais se destacam pela positiva são o retalho alimentar (67,5 pts), o setor da energia (67,4 pts) e o da alimentação e bebidas (67,1 pts).

Os setores de atividade que recolheram uma avaliação mais vulnerável são a construção e engenharia (52,4 pts), aviação e linhas aéreas (52,6 pts) e produtos industriais e detergentes (53,0 pts).

Quanto à avaliação consolidada das diferentes dimensões do ESG, o fator Governação recebeu 72 pontos, o Social 65 pontos e o Ambiente 48 pontos. “De uma forma consolidada, juntando todos os setores de atividade, Portugal recolhe uma avaliação moderada na prática de ESG – 61,8 pontos; mais 1,8 pontos que no ano anterior – e nenhum setor de atividade atinge sequer uma avaliação robusta (mais de 70 pontos)”, avalia Pedro Tavares, managing partner da OnStrategy

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Os Mosqueteiros

Os Mosqueteiros

Retalho

Lojas do Grupo os Mosqueteiros distinguidas com o selo PME Líder

“Este selo é um testemunho do nosso trabalho ao longo dos anos e do compromisso de cada empresário na região onde está sedeada a sua loja. Diariamente trabalhamos para que as empresas sejam sustentáveis e dinamizem o tecido económico e social, através da criação de emprego, do apoio à produção nacional e a instituições locais,” sublinha Rita Ferreira, responsável pela comunicação institucional do Grupo os Mosqueteiros.

O selo PME Líder foi atribuído a mais de uma centena de lojas do Grupo os Mosqueteiros, um reconhecimento da IAPMEI (Agência para a Competitividade e Inovação) às Pequenas e Médias Empresas (PME).

As lojas agora distinguidas com o selo PME Líder destacaram-se pela sua robustez financeira, estratégias de crescimento sólidas e pela capacidade de responder eficazmente às exigências do mercado. É um prémio atribuído em parceria com o Turismo de Portugal (no caso das empresas de turismo), um conjunto de bancos parceiros e com o Grupo Banco Português de Fomento, tendo por base as melhores notações de rating e indicadores económico-financeiros.

“Este selo é um testemunho do nosso trabalho ao longo dos anos e do compromisso de cada empresário na região onde está sedeada a sua loja. Diariamente trabalhamos para que as empresas sejam sustentáveis e dinamizem o tecido económico e social, através da criação de emprego, do apoio à produção nacional e a instituições locais,” afirmou Rita Ferreira, responsável pela comunicação institucional do Grupo os Mosqueteiros.

O selo PME Líder é atribuído a empresas que se distinguem pelo seu desempenho económico, pela qualidade de gestão e pela capacidade de inovação.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Bebidas

Sunquick de Frutos Tropicais num novo formato mini

Além da garrafa clássica de 700ml, o Sunquick de Frutos Tropicais surge agora num novo formato mais pequeno.

Retalho

Continente Co-Lab já testou cerca de 1.300 produtos com clientes

Um ano após a sua inauguração, o ‘Continente Co-Lab: Laboratório de Inovação com o Cliente’ conta com cerca de 10 mil provadores inscritos na plataforma e já recebeu mais de mil clientes no espaço.

Hipersuper

Um ano após a sua inauguração, o ‘Continente Co-Lab: Laboratório de Inovação com o Cliente’ conta com cerca de 10 mil provadores inscritos na plataforma e já recebeu mais de mil clientes no espaço.

Criado para a pesquisa e desenvolvimento dos produtos de marca própria, através da realização de provas, formações com especialistas e estudos de mercado, até ao momento, no Continente Co-Lab já foram testados cerca de 1.300 produtos com clientes, em mais de 2.000 provas.

O espaço também acolheu mais de 150 sessões de estudos de mercado e reflete o investimento do Continente nas marcas próprias, “que têm registado uma grande procura e evolução, contando com um crescimento superior a 75% nos últimos quatro anos”, informa a empresa num comunicado, acrescentando que a marca própria Continente “representou mais de 1.200 milhões de euros na área alimentar, com um crescimento superior a 20% no último ano, ou seja, mais 190 milhões de euros”.

“O primeiro ano do Continente Co-Lab foi um ano em pleno e repleto de desafios, onde, em conjunto com os nossos clientes descobrimos, aprendemos, e evoluímos a nossa proposta de valor para responder às suas necessidades e desejos. Tem sido um orgulho ver o entusiamo e a adesão dos clientes em participarem ativamente nesta jornada de evolução da marca Continente”, afirma Tânia Lucas, diretora comercial de Marca Própria do Continente.

Os interessados em integrar esta base de dados de provadores, podem inscrever-se em https://feed.continente.pt/co-lab, submetendo os dados solicitados pelo formulário.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Hipersuper. Todos os direitos reservados.