Distribuição Homepage Newsletter

Trabalhadores acusam Pingo Doce de praticar “trabalho escravo”

Por a 18 de Maio de 2016 as 15:30
pingo_doce

jm_pingo_docePerto de duas dezenas de trabalhadores do Pingo Doce concentraram-se ontem, no Porto, em protesto pelo que consideram ser um “trabalho escravo” e em luta pelo respeito pelo contrato coletivo de trabalho.

Em declarações à agência Lusa, Natália Pinto, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), que organizou o protesto em frente à loja do Pingo Doce na rua de Costa Cabral, afirmou que os trabalhadores daquela loja estão sujeitos a um “trabalho escravo” e a “assédio moral”, sendo “pressionados” a violar a lei

Nesta loja do Porto, exemplificou, “os trabalhadores que entram às 06:00 apenas picam o cartão às 07:00 ou então picam os cartões uns dos outros, porque são pressionados a fazê-lo”.

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Pingo Doce refutou “de forma veemente as acusações de assédio moral sobre os seus colaboradores e de desrespeito pela lei”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *