Destaque Distribuição Homepage Newsletter

Desperdício de bolota em Portugal acima dos €13M. Católica Porto aponta benefícios para a saúde

Por a 23 de Março de 2015 as 10:59

Campus Asprela, Católica Porto

A Católica Porto descobriu que a bolota, fruto desperdiçado em 55% da produção em Portugal, pode ser aproveitado desde os nutrientes até à casca. No passado dia 20 de Março, na Herdade do Freixo, no Alentejo, os responsáveis apresentaram os resultados das investigações, não só das propriedades mas também dos ganhos que os produtores podem ter se melhor aproveitarem o fruto.

A Escola Superior de Biotecnologia (ESB) da Universidade Católica Porto apresentou os resultados de uma investigação centrada na bolota. Os estudos, realizados na bolota de azinheira do montado alentejano, demonstram um elevado valor nutricional da bolota fresca e da respectiva farinha, para o consumo humano, além do potencial económico do fruto.

Durante a investigação, conduzida por Manuela Pintado, investigadora da ESB da Católica Porto e oradora do simpósio “A Bolota: O futuro de um alimento com passado”, foram optimizadas bebidas de café de bolota, sem cafeína, e demonstradas as propriedades antioxidantes, a protecção da oxidação do DNA. Foi igualmente validada a ausência de toxicidade destas bebidas.

Paralelamente, a equipa de investigação desenvolveu uma bebida de bolota fresca “desprovida de amargor” que, além das propriedades antioxidantes, demonstrou, “pela primeira vez, a capacidade de promover o crescimento das bactérias benéficas presentes na nossa microbiota intestinal”.

Além da riqueza em fibra e proteína, perfil de lípidos semelhante ao azeite e ausência de glúten, a farinha da bolota exibe uma “riqueza em compostos antioxidantes”. A Herdade do Freixo, no Alentejo, tem trabalhado várias formulações de pão e biscoitos com “elevado prazo de validade”.

Destaca-se, ainda, que “todos os produtos são adaptados a doentes celíacos”, ou seja, com alergia ao glúten. Finalmente, como da bolota nada se perde, dos resíduos, mais concretamente da casca de bolota, foram produzidos extratos que, pela sua “acção antioxidante e antimicrobiana”, são “promissores no desenvolvimento de cosméticos com acção anti-envelhecimento”.

Potencial económico da bolota

Durante o encontro foi também apresentado o estudo “O potencial económico da bolota em Portugal”, desenvolvido por Miguel Sottomayor, docente da Católica Porto. A investigação conclui que cerca de 55% das bolotas em Portugal, cuja produção se concentra no Norte e no Alentejo, “está a ser desperdiçada”. Este desperdício pode corresponder, segundo certas variáveis estimadas, a cerca de 13,3 milhões de euros.

 

2 comentários

  1. André Aragão dos Santos

    20 de Julho de 2017 at 11:05

    Desde já queria dar os parabéns, por este estudo, é uma area muito interessante e que está um pouco abandonada. gostaria de saber se já existe algum mercado ou algo onde se possa vender a própria bolota, pois tenho uma propriedade com algumas centenas de azinheiras pelo qual queria saber se poderá rentabilizar esse valioso fruto. obrigado

  2. maria jose eliseu

    14 de Novembro de 2015 at 21:00

    Boa noite, obrigada pela publicação do estudo, sou curiosa, gostava de saber mais, como adquirir a farinha, qual a possibilidade de fazer leite, outros produtos comestíveis..
    Eu ando a tentar o leite, mas não sei como conservar a bolota.
    obrigada.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *