Edição digital
PUB
FMCG

Jorge Henriques, Presidente da Federação das Indústrias Portuguesas Agro-alimentares (FIPA): “Portugal precisa de uma visão mais agro-alimentar e menos agrária”

Colocada que está a competitividade como principal desafio da agro-indústria para o futuro, Jorge Henriques, Presidente da FIPA, aponta o aumento do IVA na restauração como umas das piores políticas dos últimos 100 anos em Portugal.

Victor Jorge
FMCG

Jorge Henriques, Presidente da Federação das Indústrias Portuguesas Agro-alimentares (FIPA): “Portugal precisa de uma visão mais agro-alimentar e menos agrária”

Colocada que está a competitividade como principal desafio da agro-indústria para o futuro, Jorge Henriques, Presidente da FIPA, aponta o aumento do IVA na restauração como umas das piores políticas dos últimos 100 anos em Portugal.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Cristiano Ronaldo compra 10% do grupo Vista Alegre
Não Alimentar
JPS Cork Group celebra 100 anos de atividade no setor da cortiça
Não Alimentar
Love Butternut participou no 26.º Congresso AECOC de Frutas e Legumes em Valência
Alimentar
Love Butternut participa em congresso de referência para o setor das Frutas e Legumes
The Navigator Company aumenta preços na Europa
Não Alimentar
The Navigator Company
Lidl ao lado da seleção prepara grande festa para dia 16
Retalho
Lidl
Oakberry está agora disponível nas lojas Continente
Alimentar
Burger King abre primeiro restaurante na Mealhada
Retalho
Vinhos Dona Paterna distinguidos com ouro e prata na Roménia
Bebidas
Aldi doou mais de 300 toneladas de excedentes alimentares essenciais a cerca de 106 entidades
Retalho
Uriage dá a Volta a Portugal em Bicicleta
Não Alimentar

Portugal está, de certa forma, a viver um regresso às origens. Ou seja, a agricultura está hoje a ser considerada, depois de muitos anos ignorada, como uma possível tábua de salvação. Isto depois de o País ter sido, segundo Jorge Henriques, presidente da Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA), confrontado com uma das maiores mentiras: a de que “Portugal não tinha de produzir bens transaccionáveis, que não precisaríamos da agricultura e da indústria”.

No dia do IV Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar, o responsável da federação está esperançado que o Governo “comece a olhar para a indústria como algo que é absolutamente estratégico”.

PUB

Hipersuper (H): Que balanço faz destes 25 anos da indústria agro-alimentar em Portugal? Quais foram os principais marcos deste quarto de século?
Jorge Henriques (J.H.): Naturalmente que 25 anos de uma federação de uma indústria agro-alimentar são anos difíceis, de enormes sucessos nalgumas frentes, mas também de algumas desilusões.

A FIPA surge num período que tem a ver com a então adesão de Portugal à CEE, dando resposta a esse desafio, bem como ao enorme conjunto legislativo que Portugal teve de incorporar. Situações como a segurança alimentar foram uma bandeira e tiveram resultados que transcenderam em muito todas as expectativas.

H: A segurança alimentar é o maior marco?
J.H.: É um dos marcos mais importantes ao lado da constituição de uma federação num país tradicionalmente avesso ao associativismo.

A federação é hoje incontornável no relacionamento quer a nível europeu com a federação europeia quer a nível interno com as autoridades locais.

H: Mas nestes últimos 25 anos de existência da FIPA, onde é que se avançou mais e quais foram os passos que deveriam ter sido dados e que ainda não foram dados?
J.H.: Na questão da segurança alimentar demos um salto qualitativo numa Europa que estava já muito mais avançada.

H: Encurtámos essa distância?
J.H.: Sem dúvida nenhuma. Tenho dito várias vezes: temos uma indústria, em diferentes sectores, capaz de responder a nível europeu.

Não nos podemos, no entanto, esquecer que este sector da agro-indústria foi um sector que durante muitos anos teve um défice de sinalização, que não foi capaz de criar sedução. Nós tínhamos uma tarefa enorme para fazer e essa tarefa de verdadeiro ajustamento, o sector deu-a como exemplo ao País.

H: Mas onde é que Portugal não avançou?
J.H.: A FIPA tem vindo, há 10 anos, com muita resistência, a apontar algumas políticas, nomeadamente, a transferência de conhecimento entre o meio académico, cientifico e as empresas. Havia um desfasamento de linguagem e métodos entre a universidade e a indústria.

Em 2008, logo no início da crise em que ainda estamos mergulhados, a promoção do Pólo Tecnológico, com o apoio da FIPA, visou fundamentalmente e de uma forma única apoiar a transferência do conhecimento entre o meio académico e científico e as empresas. Ou seja, promover a inovação, uma cultura de maior criatividade e de maior interligação, sobretudo, num universo constituído, na sua maioria, por pequenas e médias empresas.

Por outro lado, temos a questão da promoção externa e da internacionalização que, parecendo a mesma coisa, são coisas distintas. Isto leva-nos, contudo, à questão dos grandes pensadores que julgavam que Portugal não tinha de produzir bens transaccionáveis, que não era preciso produzir, que não precisaríamos da agricultura e da indústria. Essa deverá ter sido das maiores mentiras que nos contaram e à qual não conseguimos dar a volta.

Hoje, contudo, Portugal está confrontado com a necessidade de exportar. E o que pode exportar: bens transaccionáveis. Ora, não nos preparámos ao longo dos últimos anos do ponto de vista de aproveitamento ordenado e coordenado dos dinheiros que vieram de Bruxelas exactamente para a promoção externa.

Temos uma visão muito clara, não só no quadro externo, mas também interno que não se pode descurar. É preciso não esquecer o mercado interno e querer ir lá para fora como se isso fosse uma coisa que se fizesse por decreto ou carregando num botão.

Há que colocar esta questão: se não temos dimensão no quadro interno, como é que vamos produzir para outros países onde há, naturalmente, oportunidades para as empresas com alguma dimensão.

Por isso, neste capítulo falhámos rotundamente na definição de mercados-alvo, ficando concentrados por muito tempo em mercados bem próximos de Portugal.

H: Tivemos demasiadamente centrados na Europa?
J.H.: O nosso primeiro mercado foi Espanha e agora estamos a sofrer as consequências da crise que o nosso vizinho também está a atravessar. E o que fizemos? Mudámos de armas e bagagens para Angola que nunca devíamos ter abandonado.

Não obstante, o sector não falhou, o que aconteceu foi que o sector não teve o apoio que outras indústrias de bandeira tiveram para se internacionalizar.

H: Quais?
J.H.: Estou a falar das indústrias conhecidas como, por exemplo, as energias que viveram e trabalharam sempre com rede num mercado altamente protegido e sem concorrência e que curiosamente continua a ser uma das formas como alguns sectores gostam de trabalhar em Portugal, debaixo de um músculo colonial e ao mesmo tempo sem concorrência.

H: Mas faltou a definição de mercados-alvo estratégicos?
J.H.: O que temos de clarificar de uma vez por todas é a visão estratégica para a promoção externa. Como é que nos vamos afirmar na questão da promoção externa?

De seguida, conseguir seleccionar mercados-alvo, mas num quadro de exigência muito rápida, porque estamos a trabalhar já sem rede, antes tínhamos 20 anos de rede. Agora, temos de quase carregar num botão e fazer acontecer.

Portugal neste momento precisa de exportar bens transaccionáveis produzidos nas nossas fábricas.

H: Mas quais são esses mercados-alvo?
J.H.: Isso depende também muito das marcas e empresas. Nós temos que aproveitar aquilo que são os conhecimentos das empresas ao longo dos anos. Curiosamente temos vindo a crescer nos últimos anos fora da UE, o que é um bom sinal. E, claro, crescemos em África, mas temos um enorme défice na América Latina. Não faz sentido que Portugal tenha uma ligação com o Brasil, e por consequência à América Latina, e não possa aproveitar e pensar nessa geografia.

Em relação a África, deveríamos estar a pensar na África Austral que nos pode permitir uma outra dimensão a nível de consumidores e atacar as geografias que nos são mais próximas, concretamente Angola e Moçambique.

H: Da parte do Governo deveria haver um maior apoio para essa promoção?
J.H.: Penso que a questão deve ser posta ao contrário. O que é que nós já fomos capazes de fazer para ajudar este Governo?

H: É assim que a questão deve ser colocada?
J.H.: Sim e não estou a citar nenhum grande pensador ou político. Acho que os governos, sobretudo os últimos, têm uma necessidade de ajuda não só para se ajustar às novas realidades, como também para se situar. É preciso ver se têm capacidade para ouvir. Espero que este Governo mude um pouco a sua agulha e discurso e tenha a capacidade para ouvir a indústria e o sector naquilo que é pertinente e onde tem know-how.

Não nos podemos esquecer que o nosso sector é constituído, na sua maioria, por PME e é aqui que os escritórios do AICEP e as embaixadas têm, não podem, têm de ter um papel fulcral. Não têm outra missão. Não vivemos em estado de guerra com nenhum país. Por isso, as embaixadas e os escritórios do AICEP não têm outra missão, senão colocarem-se ao serviço das empresas e dos sectores exportadores.

Agora, onde é que se tem de fazer alguma coisa e o Governo pode ajudar? Nós temos um grave problema transversal a todos os sectores, mas muito particular para o agro-industrial, que é o financiamento. Sabemos que há uma falta enorme de liquidez nos bancos portugueses, decorrente da crise, há um grave problema nos seguros de crédito para a exportação e por outro lado, temos alguns custos de contexto que não têm vindo a baixar, pelo contrário temos vindo a registar aumentos sucessivos na energia e combustíveis e até no acesso a redes portuárias, que fazem disparar a nossa falta de competitividade quando esta deveria estar a melhorar. Neste contexto interno, a indústria perdeu muito oxigénio no mercado interno.

Ajustamento é uma palavra interessante que, usada com conta peso e medida, pode em momentos difíceis, significar uma coisa. Nós estamos a contrair da forma mais dramática que já alguma vez vi, e muito em particular neste sector, pela conjugação de um conjunto de factores, desde logo a situação económico-financeira do País, o aumento do desemprego em geral e das políticas que têm sido levadas a cabo, nomeadamente, as que foram impostas aos funcionários públicos que lhes retira dois meses de salário e que se reflectem no consumo interno.

Claro que me vai dizer que neste aspecto que nos tínhamos de ajustar porque vivemos durante muitos anos acima das nossas possibilidades. É uma frase que detesto ouvir …

H: Há quem coloque a questão da seguinte forma: O consumidor mudou, a economia mudou, o mercado mudou. A indústria transformadora também mudou, ou melhor, adaptou-se?
J.H.: Na indústria agro-alimentar e quando se fala na necessidade de ajustamento e em menor consumo, a maior parte das pessoas não sabe do que está a falar. De um forma geral, em praticamente todos os produtos da indústria agro-alimentar, já consumimos menos do que a média europeia.

A questão do ajustamento aqui não está no ajuste à média com que nos gostamos de comparar. Não, nós estamos a comprimir aquilo que eram os nossos gastos e as nossas despesas com alimentação.

Portanto, no caso da indústria agro-alimentar estamos a falar de uma contracção forçada em muitos casos pela perda de rendimento, mas também pelo facto de factores adversos, como foi a política fiscal, nomeadamente o IVA. E esta veio a reflectir-se por duas vias, directamente sobre os produtos e directamente sobre os canais, como foi o caso do aumento do IVA na restauração para 23%, que vai ficar sinalizada como pior política dos últimos 100 anos em Portugal. Não podia ser mais negativa em várias dimensões.

Para lhe mostrar como este sector é razoável e como não pensa somente na sua indústria, mas que pensa em Portugal e nos consumidores, nós fizemos propostas muito concretas ao Governo de um equilíbrio que permitiria que o ajustamento se fizesse e alguma contracção seria inevitável, mas que não fosse feita desta forma, com esta desagregação completa e esta destruição de valor que está a acontecer decorrente de um aumento de IVA exponencial e que está a colocar dificuldades enormes a muitas empresas e negócios.

H: Depois de, em 2010, se ter batido pela manutenção das taxas do IVA, a FIPA viu esse imposto ser alterado em 2011. Um estudo desenvolvido pela FIPA e a Deloitte, apontava, em Agosto de 2011, para repercussões graves no sector e na economia nacional. Confirmam-se a redução significativa do volume da produção nacional, a perda de cerca de 40.000 postos de trabalho ou o forte movimento de deslocalização de empresas?
J.H.: Confirmo, naturalmente. Quando ajudámos ou melhor tentámos ajudar o Governo a elaborar o Orçamento de Estado, a FIPA teve o cuidado de propor soluções e apresentar os resultados e mostrar como outras soluções teriam outras consequências, devidamente quantificadas.

Dissemos que se alguns sectores tivessem aumentos de IVA de 6 para 23%, as consequências seriam brutais, com quedas de consumo a dois dígitos, significando, a curto/médio prazo, mais desemprego e eventualmente deslocalizações de empresas nacionais. Isso está a acontecer.

Ora, com esta política ninguém sai a ganhar.

H: Mas que soluções apresentaram?
J.H.: Colocar, por exemplo, a generalidade dos produtos num IVA intermédio a 13%. Isso criaria menor sacrifício, maiores resultados e a contracção esperada, nomeadamente, a substituição das importações por exportações iria acontecer.

H: Está a dizer que em vez da contracção, teríamos o tal ajustamento?
J.H.: Exactamente. O que nós sempre defendemos foi que, face à necessidade que o País tem de um ajustamento, seria expectável uma contracção, mas não com esta brutalidade.

H: Mantém a afirmação de que o sector agro-alimentar tem sido desprezado pelo Ministério da Agricultura?
J.H.: Eu não disse pelo Ministério da Agricultura, disse pelo poder público. Até porque a indústria tem dois ministérios: o da Agricultura e o da Economia.

Há dois anos e meio que temos vindo a dizer ao Ministério da Agricultura que Portugal precisa de uma visão mais agro-alimentar e menos agrária.

Temos vindo a dialogar muito com a actual Ministra da Agricultura sobre aquilo que são os focos para esta indústria, qual o caminho que este sector deve trilhar e como poderemos trabalhar em fileira. Daí resultou uma coisa já extremamente positiva: a recente criada PARCA.

Penso que este Governo começa a olhar para a indústria como algo que é absolutamente estratégico.

H: Foi preciso batermos no fundo para reconhecermos que de facto a indústria era essencial?
J.H.: Não sei se se trata de bater fundo ou se é o trazer de uma nova geração. Nós nunca devíamos ter abandonado a agricultura. Porque é fundamental para assegurarmos a nossa soberania nacional. Naturalmente que não podemos passar a produzir tudo, mas podemos, sim, produzir mais e depender cada vez menos do exterior, sabendo que nalgumas matérias-primas temos de ir lá fora.

Quanto mais tempo ficarmos desligados da prática agrícola, das suas práticas e experiências, mas difícil se torna o regresso.

H: Mas referiu que o poder político esteve muito virado para tudo menos a produção primaria. Hoje é cada vez mais consensual que o País se tem desligar dessa corrente terciária e ligar-se à primária.
J.H.: Quando entrámos na CEE fizemo-lo de malas vazias, de mãos a abanar, disponíveis para aquilo que nos apresentassem. E o facto é que conhecemos um forte empurrão que nos deslocou daquilo que era uma missão: a indústria, as pessoas e a agricultura. Este era o nosso território fértil, capaz, que estava ali nas nossas mãos, que não tínhamos de comprar, só tínhamos de lhe dar continuidade. Isso perdeu-se, foi ausência de desígnio.

H: Mas não será que as entidades nacionais não estão demasiado sujeitas ou obrigadas a seguir o que é ditado de fora?
J.H.: Direi que não. Há espaço de manobra, o que acontece é que abandonámos muitas das nossas culturas tradicionais e depois passámos a importá-las. No caso das frutas, por exemplo, importamos muita coisa quando não tínhamos necessidade de importar sequer metade.

O problema é que os mercados não estão a funcionar, há um desequilibro.

H: Em relação a esse desequilíbrio, aproveito as palavras da Ministra da Agricultura, Assunção Cristas, que no inicio do ano afirmava que “a relação de poder entre distribuidores e produtores não é equilibrada”, destacando mesmo que “quem está na posição mais fraca, sente-se esmagado”. Esse sentimento de esmagamento continua? O que será necessário fazer para equilibrar esta relação de poder entre a distribuição e a produção?
J.H.: Não costumo comentar as afirmações dos governantes, mas de toda a maneira direi que a Autoridade da Concorrência (AdC), em 2010, numa análise que fez detectou desequilíbrios entre a indústria e os seus clientes.

Esses desequilíbrios são conhecidos e reconhecidos e são normais num quadro de evolução absolutamente fantástico como aconteceu em Portugal nos últimos 25 anos.

Há um desequilibro, é preciso ajustar os instrumentos, nomeadamente aqueles que concorrem para a fiscalização das actividades e depois é preciso encontrar soluções. Ao longo dos anos isto não foi olhado e de um momento para o outro houve a ânsia de querer, num só golpe, resolver tudo.

Nós estamos sobre um sufoco em tudo neste momento em Portugal, seja legislativo, de um conjunto de quadros e códigos que são imposto de fora quando deveriam ser encontrados cá dentro.

H: Como por exemplo o Código de Boas Práticas que anda emperrado há bastante tempo?
J.H.: Digo-lhe, sinceramente, que não há código nenhum emperrado. O código nasce em 1997 e nasce do reconhecimento de que algumas coisas não funcionavam e que era preciso colocá-las num código. Acontece é que esse código ao longo dos anos não funcionou. O código como instrumento não serviu nem de árbitro, nem para nada.

Por isso, não há nada emperrado. É legítimo e normal que as associações e confederações estejam a discutir um assunto muito delicado, sobretudo, quando estamos a falar de partes que estão em desequilíbrio.

H: Mas temos uma possibilidade de serem as próprias confederações/associações – APED, CIP e CAP – a arranjarem uma solução? Ou essa solução será imposta por via legislativa?
J.H.: Uma coisa não prescinde da outra. Um Código de Boas Práticas tem de assentar em dois aspectos: por um lado, a representatividade e, por outro, a eficiência e efectividade do código. Tem de funcionar.

Mas o relatório da AdC é extraordinário porque é a primeira vez que é produzido um relatório deste tipo, com aquela qualidade e aquela abrangência, dizendo que o que não se consegue fazer de uma maneira, terá de ser complementada com a outra. Não diz que se pode prescindir de uma ou outra.

H: Mas a FIPA tem apontado caminhos? Esses caminhos significam cedências demasiadamente grandes de partes envolvidas?
J.H.: Em tudo o que é um acordo tem de haver cedências. A indústria é que tem cedido mais ao longo dos anos e isto acaba por ser a melhor prova da nossa boa vontade.

H: Não podem ceder mais?
J.H.: Não, não há mais nada a ceder. O que há a ceder é uma questão de partilha e reconhecimento de que há problemas que terão de ser resolvidos.

A FIPA confia que as partes têm de encontrar uma solução, porque têm de fazer parte dessa mesma solução.

A velha frase de que estamos condenados a entender-nos, é um facto. Não pode haver indústria sem distribuição e não pode haver distribuição sem indústria, e não há indústria sem agricultura.

O carril em que nos movemos tem de ser o mesmo, cada um tem o seu papel e puxa mais no sentido de melhor a sua competitividade. Vão demorar algum tempo, mas todos os parceiros vão entender-se.

H: Quais são os principais desafios para a indústria transformadora nos próximos anos?
J.H.: O maior desafio que a indústria agro-alimentar vai ter é o da competitividade.

Num sector que pesa cerca de 14 mil milhões de euros, sendo o maior sector industrial transformador português, representando 5% do PIB nacional (construído como deve ser e segundo as regras), com um Valor Acrescentado de 18%, que contribui com mais de 16% para o emprego nacional, os desafios têm, por isso, de passar pela competitividade e assentar no abastecimento de proximidade.

Não vou aqui enumerar um chorrilho de pontos que têm vindo a ser apontados, pelo menos, há uma década e que continuam na mesma, como a justiça. Lembro-me de apontar ao anterior Governo no código das insolvências e que era um dos problemas. Recordo-me que me olharam e perguntaram se tinha a certeza. Ora, veja-se a actualidade.

Recordo que o importante é recuperar as empresas, não é acelerar um código para destrui-las ou fechá-las, isso é fácil.

Como disse, é preciso melhorar a competitividade e essa melhora-se através de um conjunto de políticas fiscais e de sinalização que este governo tem de ter relativamente à indústria.

H: Esse melhoramento da competitividade já não está tanto do lado das empresas?
J.H.: Não, de forma nenhuma. A partir de agora, só se cortássemos no pessoal todo e deixássemos as máquinas a trabalhar sozinhas.

Nós já fizemos todo o percurso que tinha de ser feito nesse domínio que foi melhorar a performance industrial, os parques industriais, as unidades industriais, dar-lhes um modelo de sustentabilidade, adoptar as melhores práticas de gestão, ter os melhores recursos humanos, tecnológicos, sermos inovadores.

Em todos estes aspectos, mais os pontos ligados à qualidade, ao marketing, packaging, de imagem, qualquer produto português é capaz de concorrer com qualquer produto internacional. Não falo em escala, mas do produto.

Por isso, o que a indústria pretende também dizer com este congresso é, estamos aqui, estamos vivos, estamos a trabalhar, a fazer o melhor que podemos e sabemos pelo País.

É preciso que não nos criem dificuldades que, de alguma forma, possam tirar as energias que precisamos de concentrar para ultrapassar este difícil contexto em que nos encontramos.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Artigos relacionados
Cristiano Ronaldo compra 10% do grupo Vista Alegre
Não Alimentar
JPS Cork Group celebra 100 anos de atividade no setor da cortiça
Não Alimentar
Love Butternut participa em congresso de referência para o setor das Frutas e Legumes
Love Butternut participou no 26.º Congresso AECOC de Frutas e Legumes em Valência
Alimentar
The Navigator Company
The Navigator Company aumenta preços na Europa
Não Alimentar
Lidl
Lidl ao lado da seleção prepara grande festa para dia 16
Retalho
Oakberry está agora disponível nas lojas Continente
Alimentar
Burger King abre primeiro restaurante na Mealhada
Retalho
Vinhos Dona Paterna distinguidos com ouro e prata na Roménia
Bebidas
Aldi doou mais de 300 toneladas de excedentes alimentares essenciais a cerca de 106 entidades
Retalho
Uriage dá a Volta a Portugal em Bicicleta
Não Alimentar
PUB

VISTA ALEGRE 2024 – REMODELAÇÃO LOJA DO COLOMBO – LISBOA

Fotografia: LionelBalteiro | LaMousse

Não Alimentar

Cristiano Ronaldo compra 10% do grupo Vista Alegre

O capitão da seleção portuguesa comprou 10% da Vista Alegre Atlantis SGPS. “A Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro são marcas pelas quais sempre tive uma grande admiração e das quais sou cliente assíduo. A possibilidade de apoiar a estratégia de globalização da marca Vista Alegre, como marca de lifestyle de luxo, é um orgulho para mim enquanto português” afirma Cristiano Ronaldo.

Cristiano Ronaldo adquiriu, através da CR7, SA, e em alinhamento estratégico com o Grupo Visabeira, 10% do capital da Vista Alegre Atlantiss SGPS. De acordo com um comunicado enviado esta sexta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), esta operação prevê também a aquisição de 30% do capital da Vista Alegre Espanha, “a concretizar nos próximos dias”.

As partes acordaram ainda a criação conjunta, em partes iguais, de uma nova empresa no Middle East & Asia, cujo objectvo é fazer crescer as marcas Vista Alegre e Bordallo Pinheiro naquelas geografias.
“Esta colaboração entre ambas permitirá acelerar o processo de expansão global das marcas no segmento de prestígio/luxo em vários mercados internacionais, tanto no retalho como na hotelaria premium” acrescenta o comunicado.

“A Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro são marcas pelas quais sempre tive uma grande admiração e das quais sou cliente assíduo. A possibilidade de apoiar a estratégia de globalização da marca Vista Alegre, como marca de lifestyle de luxo, é um orgulho para mim enquanto português. Faremos juntos tudo o que estiver ao nosso alcance para promover este ícone nacional de excelência e colocá-lo no patamar das melhores marcas do mundo”, refere Cristiano Ronaldo.

Fernando Campos Nunes, fundador e acionista do Grupo Visabeira, detentor do Grupo Vista Alegre Atlantis SGPS, fez questão de salientar, aquando da assinatura do acordo, que “É com grande entusiasmo que recebemos o Cristiano Ronaldo como nosso investidor, representando este momento a união de duas das mais relevantes e unânimes marcas portuguesas. Cristiano Ronaldo é um elemento indissociável de Portugal. Consegue levar o nome do nosso país aos lugares mais recônditos da Terra, com uma imagem de trabalho, dedicação, simpatia e muito talento. É verdadeiramente uma marca planetária. Para além disso, tem um enorme orgulho no seu país e todos o admiram. Assim também são a Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro. Por isso, a coordenação de esforços destas que são as marcas portuguesas mais internacionais só pode ser boa para todos: Cristiano Ronaldo, Vista Alegre e Portugal.”.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Não Alimentar

JPS Cork Group celebra 100 anos de atividade no setor da cortiça

A empresa, que começou a atividade numa pequena fábrica em Paços de Brandão,é atualmente um grupo empresarial que se estende por cinco unidades de produção, em mais de cem mil metros quadrados, em Santa Maria da Feira, Ponte de Sor e Guimarães.

Hipersuper

JPS Cork Group está a celebrar cem anos de atividade e assinalou a data a 7 de junho, com um evento que reuniu toda a ‘família’ do grupo – as empresas Jorge Pinto de Sá e Sedacor.

A empresa, que começou a atividade em 1924, numa pequena fábrica em Paços de Brandão, com o fundador Jorge Pinto de Sá, é atualmente um grupo empresarial que se estende por cinco unidades de produção, em mais de cem mil metros quadrados, em Santa Maria da Feira, Ponte de Sor e Guimarães.

“Ao longo de um século, atravessou desafios e triunfos, adaptando-se continuamente às mudanças do mercado e mantendo um compromisso firme com seus valores fundamentais. Hoje o futuro prevê-se assegurado, não só com a atual segunda geração, mas também com a terceira e quarta já no ativo”, assinala o grupo num comunicado.

Com capacidade para produzir três milhões de vedantes de cortiça, nomeadamente para vinhos tranquilos, espumantes e bebidas espirituosas, atualmente o JPS Cork Group produz uma grande variedade de outros produtos e soluções em cortiça, para as mais diversas áreas de negócio e aplicações.

“Ao longo destes cem anos, a nossa jornada foi marcada por muitas conquistas, dificuldades, e desafios que testaram a nossa capacidade de adaptação e resiliência. Mas nunca nos desviamos do nosso compromisso nem da nossa forma de estar próxima dos clientes e parceiros desde sempre”, destacou Jorge Mendes Pinto de Sá, presidente do Grupo.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Love Butternut participa em congresso de referência para o setor das Frutas e Legumes

Love Butternut participa em congresso de referência para o setor das Frutas e Legumes

Alimentar

Love Butternut participou no 26.º Congresso AECOC de Frutas e Legumes em Valência

No debate com o tema “Frutas e Legumes, podem ser cool?”, Cari Plaza, responsável de marketing e comunicação da Sakata Seed Ibérica, enalteceu o trabalho da Love Butternut e sublinhou que, desde o nascimento do projeto, em 2021, as vendas de abóboras, tanto frescas como minimamente processadas, aumentaram 20%.

Hipersuper

A Love Butternut, associação de produtores de abóbora portugueses e espanhóis, participou no 26.º Congresso AECOC de Frutas e Legumes que decorreu em Valência nos dias 11 e 12 de junho, onde agricultores, produtores e distribuidores uniram-se para traçar o futuro do setor.

Cari Plaza, responsável de marketing e comunicação da Sakata Seed Ibérica, foi uma das oradoras deste congresso. Num debate com o tema “Frutas e Legumes, podem ser cool?”, a responsável enalteceu o trabalho da Love Butternut e sublinhou que, desde o nascimento do projeto, em 2021, as vendas de abóboras, tanto frescas como minimamente processadas, aumentaram 20%.

“Isto foi possível porque a maioria dos produtores entendeu a necessidade de ter um objetivo comum sob a defesa da Love Butternut, deixando de lado interesses particulares. Também a colaboração dos supermercados foi essencial, porque é vital ter visibilidade no setor”, explicou Cari Plaza.

Impulsionar o consumo de frutas e legumes, adaptar a oferta destes alimentos aos novos hábitos dos consumidores, a sustentabilidade no centro de muitas decisões e muitos outros desafios foram alguns dos temas abordados neste congresso.

Portugal é o terceiro maior produtor de abóbora da Europa, logo atrás de Espanha e de França.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

The Navigator Company

The Navigator Company

Não Alimentar

The Navigator Company aumenta preços na Europa

Segundo a empresa, o ajuste é necessário devido ao custo estruturalmente mais alto da maioria dos insumos essenciais para a fabricação de papel, o que torna os níveis de preço atuais insustentáveis.

Hipersuper
Lidl

Lidl

Retalho

Lidl ao lado da seleção prepara grande festa para dia 16

No seguimento do seu patrocínio oficial ao UEFA EURO 2024, o Lidl vai ter 4 Euro Lounges, em que clientes e adeptos podem viver o campeonato ao máximo. E já […]

Hipersuper

No seguimento do seu patrocínio oficial ao UEFA EURO 2024, o Lidl vai ter 4 Euro Lounges, em que clientes e adeptos podem viver o campeonato ao máximo. E já estão confirmados os artistas que animarão esta festa dia 16, em Lisboa: UHF, Nena, Nôa, Cali Flow, Miguel Azevedo, Tânia, Rich Vellaz são alguns dos nomes que vão marcar presença nesta festa gratuita.

Enquanto parceiro oficial do campeonato europeu na categoria de Frescura (Frutas e Legumes), e como parte integrante do seu compromisso de apoio ao desporto, o Lidl terá a decorrer, nos dias 16, 18, 22 e 26 de junho, diversas atividades que irão garantir diversão para toda a família e amigos, bem como a transmissão em direto dos jogos do campeonato nestes dias, que incluem os jogos da Fase de Grupos de Portugal.

Em Lisboa, a primeira Lidl Euro Lounge terá lugar no Parque de Jogos 1º de Maio, a 16 de junho, das 13h30 às 24h00, permitindo aos adeptos assistirem ao jogo Sérvia vs Inglaterra.

Para além de contarem com uma zona de restauração, as Lidl Euro Lounges terão também várias atividades, desde matraquilhos humanos, jogos variados para mostrar os dotes futebolísticos e que permitem ganhar prémios, e ainda a oportunidade única, caso as condições meteorológicas o permitam, de experimentarem a sensação de viajar num balão de ar quente, através de um voo cativo.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Oakberry está agora disponível nas lojas Continente

A Oakberry passa agora a estar disponível em 96 lojas Continente, de norte a sul do país, com destaque nas zonas junto à costa litoral e zonas urbanas.

Hipersuper

A Oakberry passa agora a estar disponível em 96 lojas Continente, de norte a sul do país, com destaque nas zonas junto à costa litoral e zonas urbanas.

“Sendo a Oakberry a marca de açaí mais consumida pelos portugueses, queremos permitir que os consumidores possam usufruir dos nossos produtos em casa, onde podem fazer as suas combinações preferidas. Esta parceria permite-nos entrar num novo posicionamento da marca, com um parceiro reconhecido e estabelecido no mercado de retalho, que acreditamos que irá ter excelentes resultados e que proporcionará um crescimento cada vez maior, para além da maior proximidade com os consumidores”, afirma o grupo Alida Castro, distribuidor da marca em Portugal.

Ricardo Cherto, managing partner Oakberry, refere que a parceria com o Continente e a constante abertura de lojas, fazem com que a marca tenha uma previsão de crescimento de 80% para este ano.

Fundada em 2016, a Oakberry alargou fronteiras em 2018, ao abrir a sua primeira loja nos Estados Unidos. Está presente em 40 países nos cinco continentes. Em Portugal, conta atualmente com 41 lojas.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Retalho

Burger King abre primeiro restaurante na Mealhada

Este é o 11º restaurante do Burger King no distrito de Aveiro e o 1º do concelho da Mealhada. Representa a criação de mais 30 postos de trabalho.

Hipersuper

O Burger King acaba de inaugurar o seu primeiro restaurante no concelho da Mealhada. A inauguração oficial deste novo espaço contou com a presença de António Jorge Franco, Presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Abílio Semedo, Presidente da União das Freguesias da Mealhada, Ventosa do Bairro e Antes, de Carlos Couceiro  Presidente da Associação Comercial e Industrial da Bairrada e Aguieira (ACIBA), e de Sandra Santos, da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), que foram recebidos pelo diretor geral do Burger King Portugal, Domingos Esteves.

Há 23 anos em Portugal, este é o 11º restaurante do Burger King no distrito de Aveiro e o 1º do concelho da Mealhada. Representa a criação de mais 30 oportunidades de trabalho na região, aumentando para mais de 300 o número de postos de trabalho criados pela marca nesta região.

A abertura na Mealhada é parte integrante do plano de expansão do Burger King em Portugal, que conta com cerca de 4500 colaboradores e prevê a abertura de 200 restaurantes até o final do ano.

“A abertura deste espaço na Mealhada é para nós um marco importante no nosso plano de expansão, pois permite-nos levar a experiência Burger King a ainda mais clientes no distrito de Aveiro e, sobretudo, no concelho da Mealhada.”, diz Domingos Esteves, diretor geral do Burger King Portugal. “Nos próximos 3 anos temos previstas cerca de 50 novas aberturas e a criação de mais 1200 postos de trabalho em Portugal, algumas das quais também para reforçar a nossa presença na região Centro”, acrescenta.

Para António Jorge Franco, Presidente da Câmara Municipal da Mealhada, “é com enorme satisfação que vemos a partir de agora, instalada no concelho, mais uma importante marca internacional, que enriquece e diversifica a oferta e aposta na proximidade com os seus clientes, adaptando-se e moldando-se a cada realidade e a cada território. Em linha com a criação de emprego e a dinamização da economia, que são prioridades da ação do nosso Executivo, este novo Burger King resulta de um entendimento com o nosso Município, assente na premissa do desenvolvimento local. Por outro lado, esta foi uma excelente oportunidade para dar o primeiro passo na requalificação e animação de uma zona histórica e de memória da nossa cidade, que queremos elevar através de novas dinâmicas comerciais e culturais.”

Abílio Semedo, Presidente da União das Freguesias da Mealhada, Ventosa do Bairro e Antes, congratula o Burger King pela abertura de um restaurante na região, acrescentando ser uma “lacuna já há muito identificada na Mealhada e que certamente responderá às necessidades dos apreciadores deste tipo de comida, que residem na freguesia, e que por aqui passam diariamente (dada a sua localização estratégica bem à entrada sul da Cidade da Mealhada), acreditando que será uma mais-valia para a economia local da nossa área geográfica.”

O novo restaurante segue o conceito free standing, com a criação de espaços maiores e mais agradáveis para os clientes, como as esplanadas e zonas infantis, que proporcionam experiências não só aos mais pequenos, mas a toda a família.

Situado na Alameda da Cidade, nº 2, o restaurante está aberto de segunda-feira a domingo, das 11h30 às 00h00, com o serviço Drive Thru a funcionar de segunda a quinta-feira até às 01h00 e de sexta e domingo até às 02h00.

Possui uma área de cerca de 350m2 com capacidade para 147 pessoas, 78 em sala e 69 em esplanada.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Bebidas

Vinhos Dona Paterna distinguidos com ouro e prata na Roménia

Alvarinho 2022, Alvarinho Trajadura 2022 e Espumante Bruto Alvarinho 2019 foram os vinhos galardoados no VINARIUM International Wine Contest 2024

Hipersuper

A marca de vinhos Dona Paterna viu três dos seus vinhos serem distinguidos no Vinarium International Wine Contest 2024. O Alvarinho Dona Paterna 2022 foi distinguido com medalha de ouro, enquanto o Alvarinho Trajadura 2022 e o Espumante Bruto Alvarinho 2019 receberam prata na 21ª edição do concurso.

“Receber estes prémios no Vinarium International Wine Contest é um reconhecimento do nosso compromisso contínuo com a qualidade e a autenticidade dos nossos vinhos. Estes prémios reforçam a excelência da nossa produção e as condições únicas que a sub-região de Monção e Melgaço tem para a produção de alvarinhos sublimes”, destacou Carlos Codesso, produtor da Dona Paterna.

A concurso no Vinarium International Wine Contest 2024 estiveram 1502 vinhos de 26 países.

A marca Dona Paterna foi lançada em 1990, altura em que Carlos Condesso lançou no mercado o seu primeiro vinho, o 100% Alvarinho. Desde então, o vitivinicultor alargou o portfólio a diferentes segmentos e perfis, quer de alvarinho como de outras castas, assim como de espumantes e aguardentes, mas o alvarinho continua a ser o ex-libris da marca.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Retalho

Aldi doou mais de 300 toneladas de excedentes alimentares essenciais a cerca de 106 entidades

Em linha com o seu compromisso de combate ao desperdício alimentar, entre janeiro e março de 2024, a Aldi Portugal apoiou cerca de 106 instituições parceiras de norte a sul do país, com a doação de excedentes alimentares.

Hipersuper

Em linha com o seu compromisso de combate ao desperdício alimentar, entre janeiro e março de 2024, a Aldi Portugal apoiou cerca de 106 instituições parceiras de norte a sul do país, com a doação de excedentes alimentares.

No primeiro trimestre do ano, a Aldi doou mais de 300 toneladas de excedentes alimentares essenciais a cerca de 106 entidades nacionais de cariz social com as quais colabora ativamente, entre as quais Bancos Alimentares, IPSS e ONG, tendo as doações sido feitas a partir de cada uma das suas mais de 140 lojas em Portugal. 

O combate ao desperdício alimentar é uma das maiores preocupações do Grupo Aldi Nord com o Aldi a  retalhista implementar um conjunto de medidas para ajudar a combater o desperdício em Portugal, sendo uma delas as doações de excedentes alimentares. A retalhista colabora atualmente com cerca de 108 entidades por todo o país, estendendo a sua colaboração, em alguns dos casos, aos vários núcleos locais destas entidades, como é o caso da Re-Food, da Cruz Vermelha Portuguesa e da CASA – Centro de Apoio ao Sem Abrigo.

“O desperdício alimentar é um problema que traz grandes impactos negativos em termos ambientais, sociais e económicos. E, enquanto retalhistas, contribuir para combatê-lo é uma das nossas prioridades. Assim, todas as lojas ALDI fazem doações de excedentes alimentares que ainda estão aptos para consumo, tendo parcerias com várias instituições de solidariedade social um pouco por todo o país, que fazem chegar estes alimentos às populações locais”, salienta Elke Muranyi, corporate responsibility director da Aldi Portugal. 

“Desde o dia em que abrimos uma loja, já temos firmada uma ou mais parcerias com instituições locais, o que nos permite não só materializar o nosso compromisso, como contribuir de forma próxima e relevante para as comunidades onde estamos inseridos”, acrescenta em comunicado.

 

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Não Alimentar

Uriage dá a Volta a Portugal em Bicicleta

A Uriage patrocina a 85ª Volta a Portugal em Bicicleta, que vai acontecer de 24 de julho a 4 de agosto de 2024.

Hipersuper

A Uriage patrocina a 85ª Volta a Portugal em Bicicleta, que vai acontecer de 24 de julho a 4 de agosto de 2024.

“A Volta a Portugal é uma das competições desportivas mais emblemáticas do país, representando resistência, dinamismo e uma ligação forte à comunidade. A Uriage vê nesta ligação um casamento perfeito para promover o bem-estar, a superação pessoal e, claro, a saúde e proteção da pele”, explica Marco Loureiro, diretor geral da Uriage Portugal.

O patrocínio é significativo para o património da Uriage, pois permite à marca de origem francesa uma maior aproximação ao público português, fortalecendo a sua imagem de insígnia saudável e ativa. O objetivo ao associar-se a um evento de grande visibilidade como a Volta a Portugal em Bicicleta é consolidar a sua reputação e expandir a sua notoriedade no mercado, numa escolha que a marca de dermocosmética considera estratégica, dado que os ciclistas e o público em geral, durante a competição, estarão expostos ao sol por longos períodos de tempo.

“Para a Uriage, associar-se a um evento com a história e dimensão da Volta a Portugal 2024 é uma oportunidade de reforçar a sua imagem como uma marca sólida e de confiança. A Volta a Portugal é um evento com uma longa tradição e um grande impacto nacional, o que proporciona à Uriage uma plataforma de grande visibilidade para comunicar os seus valores e produtos – especialmente os seus cuidados de proteção solar – a um público alargado. Esta associação também permite à Uriage demonstrar o seu compromisso com a promoção de um estilo de vida saudável e ativo, bem como o seu apoio ao desporto e à comunidade”, remata o diretor geral da marca de dermocosmética.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2023 Hipersuper. Todos os direitos reservados.