Destaque Destaque Homepage Distribuição Homepage Newsletter

Compras online de supermercado sobem para 16% em Portugal

Por a 7 de Agosto de 2019 as 16:17

Super OnlineAs compras online de supermercado, em Portugal,  subiram para 16% em 2018, de acordo com dados do Observatory Shopping Experience da In-Store Media, representando um aumento de 7% face ao ano anterior.

Os principais motivos que os portugueses encontram para fazer as compras de supermercado através do meio online dizem respeito aos serviços de entrega, à pontualidade, às ofertas e às promoções.

Outros fatores que se mostram decisivos, segundo o estudo, têm a ver com a facilidade do processo de compra e se este é intuitivo. A disponibilidade de produtos frescos também pesa nas decisões.

Em termos de formatos de loja, os hipermercados aparecem como o  preferido para 86% dos consumidores que não fazem compras online.

Seguem-se os supermercados, que são preferidos por 64% dos consumidores. As lojas de bairro e o comércio tradicional reúnem a preferência de 27% dos compradores.

Já 8% dos consumidores portugueses dizem preferir as lojas e os supermercados com produtos biológicos.

O mesmo estudo indica que apenas 4% dos clientes preferem fazer compras diretamente a produtores ou a cooperativas.

Os dados do estudo da In-Store Media indicam ainda que 74% dos consumidores portugueses compram em média em três supermercados.

O principal fator para escolher determinado supermercado ou loja é o preço (66%), seguido pelo conforto e pela experiência (63%) e pela variedade da oferta (51%).

 

2 comentários

  1. Nuno Larouco

    8 de Agosto de 2019 at 10:50

    Lamentável a falta de cuidado com que estes nºs são apresentados, distorcendo totalmente a mensagem, mesmo que inadvertidamente.

    86% preferem hipermercados
    64% preferem supermercados
    27% preferem lojas tradicionais

    A mistura de alhos com bogalhos é espectacular para enviesar totalmente a informação. 86% nunca poderia estar no mesmo grupo dos outros ( indicado explicitamente que “dos que não compram online” ). Mas a frase seguinte diz “seguem-se os supermercados”, sugerindo que estão na mesmo grupo do anterior.

    Temos portanto, “86% dos que não compram online preferem hipermercados, e os supermecados são nº dois da preferência destas pessoas, E preferidos por 64% de outro tipo de pessoas ( total ). Quantos dos que não compram online preferem supermercados não é dito, muda-se logo para o outro grupo.

    Depois 27% dos compradores ( não consumidores, como nos dois grupos anteriores ) preferem tradicional.

    64 + 27 ainda podia dar 100, se descontassemos arredondamentos individuais que produziram estes valores, mas isso queria dizer que afinal ninguém preferia os hipermercados, a não ser os que compram também online.

    Propositado ou não, era escusado.

  2. Miguel Murta Cardoso

    8 de Agosto de 2019 at 7:32

    Olá, peço desculpa, mas não percebo esta informação. Representam 16% em termos de quê?

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *